Direitos humanos. Confronto entre China e Canadá na ONU

Stefano Maffei / Flickr

Organização das Nações Unidas

O Canadá denunciou esta terça-feira na ONU, em nome de cerca de 40 países, a situação dos direitos humanos na província chinesa de Xinjiang e em Hong Kong, pedindo a Pequim uma investigação às violações dos direitos dos autóctones canadianos.

A declaração conjunta sobre a China, lida pelo Canadá perante o Conselho dos Direitos Humanos — a mais alta instância da ONU neste domínio — era esperada há alguns dias por numerosos diplomatas e organizações não-governamentais (ONG) em Genebra, dando tempo a Pequim para preparar a sua defesa.

“Estamos seriamente preocupados com a situação dos direitos humanos na região autónoma uigure de Xinjiang. Relatórios credíveis indicam que mais de um milhão de pessoas foram detidas arbitrariamente em Xinjiang e que existe uma vigilância generalizada que visa desproporcionadamente os uigures e membros de outras minorias, assim como restrições às liberdades fundamentais e à cultura uigure”, declarou a embaixadora do Canadá junto da ONU, Leslie Norton.

Pequim desmente aquele número e os designados “campos de concentração”, falando de “centros de formação profissional” para apoiar o emprego e combater o extremismo religioso. A declaração, subscrita por cerca de 40 países, incluindo os Estados Unidos e França, pede à China para dar “aos observadores independentes, incluindo à alta comissária (da ONU para os Direitos Humanos), acesso imediato, significativo e sem entraves a Xinjiang” e para “acabar com a detenção arbitrária de uigures e de membros de outras minorias muçulmanas”.

Norton indicou ainda que os países subscritores continuam “profundamente preocupados com a deterioração das liberdades fundamentais em Hong Kong no âmbito da Lei de Segurança Nacional e com a situação dos direitos humanos no Tibete”.

A China já tinha sido acusada por dezenas de países numa declaração anterior pela situação dos uigures e de outras minorias em Xinjiang. A alta comissária, Michelle Bachelet, disse na segunda-feira esperar obter este ano um “acesso significativo” à região, enquanto os defensores dos direitos humanos pedem à ONU que seja mais rigorosa.

Respondendo antecipadamente a Ottawa, um representante chinês leu, antes da embaixadora canadiana, uma declaração conjunta sobre as “graves violações dos direitos humanos sofridos pelas populações indígenas no Canadá”, em nome da Rússia, Bielorrússia, Coreia do Norte, Venezuela, Irão, Síria e Sri Lanka, segundo a ONU.

A declaração evoca a recente descoberta dos restos mortais de 215 crianças perto de um antigo colégio para autóctones administrado pela Igreja Católica no oeste do Canadá e pede uma investigação em todos os casos “em que foram cometidos crimes contra as populações indígenas”, indicando que entre os anos de 1830 e 1990, mais de 150.000 crianças aborígenes foram afastadas à força dos seus pais”.

Aqueles países declaram-se “igualmente profundamente preocupados com a discriminação em relação a migrantes no Canadá e com o tratamento desumano que recebem nos centros de detenção canadianos”.

O representante da Bielorrússia, por seu turno, leu uma outra declaração conjunta, “em nome de 64 países”, apoiando a China e destacando que Hong Kong, Xinjiang e Tibete são “assuntos internos chineses”.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Mais uma notícia pejorativa sobre China onde o termo comunista ou comunismo, que é central e indissociável destas questões de totalitarismo e opressão sobre os outros, é completamente omitido. Quando se fala de política interna ou externa da China, ou do governo chinês, ou de ‘Pequim’, falamos do Partido (único) Comunista Chinês, que é um puro exemplo da ideologia comunista. Nem o PCP tem a liberdade de criticar e abstém-se de qualquer moção, mesmo que contra flagrantes crimes contra a humanidade. É comunismo puro e duro, e não há que ter medo de o dizer muito claramente quando se fala na China.

RESPONDER

EUA. Casos de covid-19 podem ter sido subestimados em 60%

O número de casos de covid-19 nos Estados Unidos (EUA) pode ter sido subestimado em até 60%, com as infeções relatadas a representarem "apenas uma fração do número total estimado". Esta é a conclusão de um …

Portugal com mais seis mortes e 2316 novos casos de covid-19

Portugal registou, esta terça-feira, mais seis mortes e 2316 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 2316 novos …

Um quarto dos processos às companhias aéreas por falta de testes à covid já resultou em multas pagas

A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) instaurou, entre 2020 e a semana passada, 539 processos a 40 companhias aéreas por transportarem passageiros para o território nacional sem o respetivo teste negativo à covid-19. Cerca …

Colômbia pede que a Venezuela seja declarada como país promotor do terrorismo

A Colômbia pediu esta segunda-feira aos EUA que declarem a Venezuela como país promotor do terrorismo por alegadamente "proteger" guerrilheiros colombianos do Exército de Libertação Nacional (ELN) e do Grupo Armado Residual (Gaor 33, composto …

Treze meses depois, Coreias voltam a falar ao telefone

As comunicações telefónicas estavam cortadas entre as duas Coreias desde junho de 2020, mas os dois países retomaram os contactos esta terça-feira. As duas Coreias retomaram esta terça-feira a comunicação telefónica 13 meses depois de ter …

Benfica: Kaio Jorge não quer jogar em Portugal (e alínea pode impedir saída)

Santos aceitou proposta vinda da Luz mas o jovem avançado prefere o campeonato italiano. E ainda há uma alínea no contrato que vai ser analisada. O Benfica apresentou uma proposta pela contratação de Kaio Jorge, com …

Quase 70% dos internados em UCI têm menos de 59 anos

Quase 70% dos doentes com covid-19 em unidades de cuidados intensivos (UCI) têm menos de 59 anos, revelou a Ordem dos Médicos, indicando que em enfermaria os doentes abaixo dessa faixa etária são cerca de …

Reunião no Infarmed. Especialistas propõem plano de quatro níveis (e a máscara cai no nível 2)

A sede da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), em Lisboa, voltou a acolher mais uma reunião de peritos esta terça-feira. Foi apresentada uma proposta de alteração da matriz de risco. Portugal não está em condições de …

Mais de 11.300 suspeitas de reações adversas às vacinas registadas em Portugal

Mais de 11.300 suspeitas de reações adversas às vacinas contra a covid-19 foram registadas em Portugal e houve 68 casos de morte comunicados em idosos, mas não está demonstrada a relação causa-efeito, segundo o Infarmed. De …

Incêndios "sem precedentes" devastam Sardenha

Condições climatéricas adversas e severas, como altas temperaturas e ventos fortes, estiveram na origem dos incêndios florestais que se registaram em vários países do sul do continente europeu, como Itália, Espanha, França ou Grécia. A ilha …