Confirmam-se os piores cenários. Passar demasiado tempo sentado diminui o tempo de vida

Estudo internacional contou com a participação de mais de 100 mil voluntários e considerou diversos fatores socioeconómicos nos diferentes territórios.

O ambiente de trabalho atual – por muito que a pandemia tenha vindo introduzir alterações – é marcado por longas deslocações diárias (entre os domicílios dos trabalhadores e os seus escritórios), extensas reuniões e, num contexto mais familiar, longas maratonas de séries. Para muitos, esta é a descrição perfeita de um dia de semana normal. No entanto, estes hábitos têm se revelado muito prejudiciais à saúde – uma ideia corroborada por muitos estudos científicos.

No entanto, tal como acontece com frequência ciência, as provas limitam-se ao que pode ser estudado com proximidade. Longe das instituições de investigação de países ricos, as consequências da vida sedentária, com os indivíduos a passarem longos períodos sentados. não têm sido analisadas com o devido detalhe, deixando em aberto a possibilidade de as populações com baixos e médios rendimentos poderem ter uma experiência diferente.

Recentemente, um estudo realizado por uma equipa internacional de investigadores e que contou com a participação de mais 100.000 indivíduos em 21 países revelou que as pessoas nas zonas mais pobres do mundo sofrem efeitos ainda piores devido aos longos dias numa só posição.

Apesar de maiores quantidades de pessoas sentadas fossem frequentemente associadas a um risco acrescido de mortalidade e doenças cardiovasculares em todas as populações estudadas, a relação era mais destacada em territórios de baixo rendimento como o Bangladesh, Índia e Zimbabué.

De facto, destaca o Science Alert, estar sentado durante seis a oito horas por dia — seja no trabalho, num carro, ou em frente da televisão à noite antes de se deitar — aumenta o risco relativo de doenças cardíacas e morte prematura em cerca de 12 a 13%, em comparação com pessoas que se sentam menos de quatro horas por dia. A permanência até oito horas ou mais, e o risco relativo de morte prematura atinge os 20%.

O novo estudo divide ainda os dados em diferentes categorias económicas. Por exemplo, para os indivíduos sentados durante mais de oito horas por dia em países de baixo ou médio rendimento, estes estão sujeitos a um risco de morte prematura ou doença cardíaca superior a 30% (mais uma vez, em relação às quatro horas ou menos sentadas).

Por um lado, o estudo mostra quão generalizado é o problema da redução da atividade física. Mas, porventura desconhecido até agora, será o papel que a pobreza desempenha na determinação do impacto final que cada hora extra de sessão tem sobre o corpo. Ainda assim, é difícil dizer, apenas com base nos resultados, por que razão a discrepância existe.

“A diferença na associação pode ser parcialmente explicada pelos diferentes domínios e padrões de comportamentos em diferentes níveis de rendimento”, sugerem os investigadores no relatório publicado.

“Ou seja, o tempo de visionamento televisivo é mais comum entre pessoas com posições socioeconómicas mais baixas e mostrou uma associação mais forte com resultados em comparação com outros comportamentos, talvez devido a coincidências de maus hábitos alimentares e padrões sedentários prolongados e ininterruptos”.

Embora nem todos os tipos de tempo que os indivíduos passam sentados sejam iguais, os investigadores encontraram provas que apoiam as alegações de que o exercício físico tem um forte efeito atenuante na mortalidade e prevalência de doenças cardiovasculares. Surpreendentemente, os autores do estudo descobriram que a esta posição e a inatividade são responsáveis por apenas uma percentagem ligeiramente menor de mortes do que o tabagismo.

“Para quem está sentado mais de quatro horas por dia, substituir meia hora de sessão por exercício reduziu o risco em 2%”, explica Scott Lear, cientista de saúde da Universidade Simon Fraser. “Há aqui uma verdadeira oportunidade para as pessoas aumentarem a sua actividade e reduzirem as suas hipóteses de morte precoce e doenças cardíacas”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.