Condenadas 15 mulheres por conduzir em protesto na Arábia Saudita

 

Quinze mulheres da Arábia Saudita foram condenadas este domingo (27) por terem sido apanhadas em flagrante a conduzir, durante os protestos de ontem, desrespeitando a lei islâmica que proíbe as mulheres de se sentarem ao volante.

No sábado à noite, várias mulheres colocaram na internet videos em que estavam a conduzir, usando o endereço @oct26driving – um perfil do Twitter – naquilo que seria a face mais visível de um protesto iniciado em setembro, e que tinha no sábado o ponto alto, apesar das declarações anteriores do Ministério do Interior, que tinha advertida as cidadãs para não desafiarem a lei islâmica em vigor no país.

Antes do início da campanha, a polícia avisou que “usaria a força” contra qualquer um que tentasse perturbar a ordem pública. Além disso, religiosos  ultraconservadores protestaram durante a semana contra uma petição online, disponível no endereço oct26driving.org, que foi lançada no fim de setembro e já teria atraído mais de 16 assinaturas. O site da petição foi entretanto vítima de hackers, encontrando-se ainda ‘tomado’ à hora desta edição.

De acordo com a informação prestada pela polícia, foram poucas as mulheres que aderiram ao protesto, que tinha como principal objetivo reivindicar para as mulheres o direito de conduzir.

Além de pagar multa, cada uma das mulheres teve, juntamente com o seu tutor (pai, irmão, marido ou outro integrante masculino da família), de assinar um documento, no qual se compromete a cumprir as leis em vigor na Arábia Saudita, um país ultra-ortodoxo no que diz respeito aos direitos da mulher e o único do mundo onde são legalmente proibidas de conduzir. As mulheres também precisam de autorização para trabalhar, viajar e até casar.

Durante o protesto de sábado, a polícia aplicou também multas a dois condutores em Jeddah e outras seis mulheres foram presas numa província oriental e em mais outras duas cidades do reino, de acordo com a imprensa.

“A data era apenas simbólica. As mulheres começaram a conduzir antes de sábado e vão continuar a conduzir depois de sábado”, assegurou a militante Eman Nafjan.

De acordo com a imprensa, o protesto falhou. “O 26 de outubro passou calmamente, e as campanhas de incitação falharam”, escreveu o jornal oficial Al Riyadh, ao passo que o Al Youm disse que “a maioria da sociedade assegurou que não se deixará entreter pelas campanhas de mobilização popular”.

Relacionado: Mulheres sauditas querem conduzir

ZAP/MA/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Era marketing. Fortnite voltou (e está diferente)

Depois de 10 temporadas, um buraco negro engoliu a ilha na qual diariamente milhões de jogadores tentavam sobreviver, matando-se uns aos outros. Durante um dia e meio, ninguém podia jogar. O susto acabou esta terça-feira, …

Cientistas determinam o que diminui a fertilidade das mulheres com o avanço da idade

Investigadores da Universidade de Copenhaga mapearam alguns dos mecanismos que podem afetar a fertilidade das mulheres desde a adolescência até a menopausa. A fertilidade natural das mulheres flutua entre altos e baixos na forma de uma …

Dono do Paris Saint-Germain quer comprar o Leeds (e torná-lo no novo Manchester City)

A Qatar Sports Investments (QSI), empresa que é detida por Nasser Al Khelaifi, quer dar o salto para o mercado inglês e adquirir o Leeds United, emblema que milita atualmente no segundo escalão. Na semana em …

Município italiano proíbe Google Maps. App faz com que muitas pessoas se "percam"

O autarca do município italiano de Baunei, na Sardenha, proibiu o uso do Google Maps na região, argumentando que "muitas" pessoas se perderam por causa de "sugestões enganosas" do serviço de localização. A informação é …

Pedalar mais dá direito a prémios. Tecnologia portuguesa desperta interesse de Copenhaga

Depois de se ter estreado em Matosinhos e de ter despertado interesse em Nova Iorque, um programa português que premeia comportamentos de mobilidade ambientalmente sustentáveis chamou a atenção em Copenhaga. O AYR, desenvolvido pela empresa CEiiA …

Associação de Armas americana editou artigos da Wikipédia para desacreditar o Holocausto

A National Rifle Association (Associação Nacional de Armas) dos Estados Unidos tem estado a editar artigos da Wikipédia de forma a desacreditar o Holocausto. Um trabalho de investigação da Splinter identificou pelo menos 150 edições em …

Bebé recém-nascida encontrada enterrada viva numa sepultura na Índia

Uma bebé recém-nascida enterrada viva foi encontrada na Índia por um pai que estava a enterrar a filha, que morreu após o parto, revelou o chefe da polícia local, Abhinandan Singh. A menina foi encontrada dentro …

Reutilização é a verdadeira alternativa a plástico descartável

A alternativa aos produtos de plástico descartáveis tem sido outros produtos também descartáveis, mas a melhor solução passa pela reutilização, indica um relatório divulgado esta terça-feira, que dá exemplos de sucesso. O documento, “The Reusable solutions: …

Booking abandona a criptomoeda do Facebook

  Booking junta-se ao Mastercard, eBay, Visa, PayPal, Stripe e Mercado Pago e desiste do projeto da Associação Libra, promovida por Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, para a desenvolver a infraestrutura financeira que está na base …

Michael Jackson era "doente mental" e uma pessoa "perturbadora", diz Elton John

Elton John defende na sua autobiografia que Michael Jackson era "verdadeiramente doente mental" e uma pessoa "perturbadora", recordando os encontros que teve com o rei da pop, falecido em junho de 2009. O músico britânico escreveu …