Sky Train: comboio suspenso levita sem eletricidade

4

Uma nova pista de ensaios do Sky Train, o “Comboio do Céu” chinês, estreou o primeiro sistema de trânsito de Maglev do mundo construído com ímanes permanentes em vez de eletroímanes. O sistema é capaz de manter as suas carruagens suspensas indefinidamente, sem alimentação elétrica.

As vantagens dos sistemas de transporte público Maglev são bastante claras: são quase silenciosos, necessitam de pouca manutenção, e eliminam a resistência ao movimento, pelo que usam menos energia para acelerar.

Por outro lado, e de acordo com o New Atlas, não são habitualmente usadas em transportes a baixa velocidade, uma vez que a energia usada para levitar um Maglev convencional acrescenta cerca de 15% à fatura energética global a velocidades suburbanas — em comparação com um metro ou um metropolitano ligeiro.

No entanto, isso só acontece no caso dos sistemas com eletroímanes.

As forças magnéticas dos ímanes permanentes, em contrapartida, estão disponíveis 24/7, sem custos — se não considerarmos o dos metais raros que são antes de mais necessários para tornar os ímanes permanentes.

A China tem quase 40% das reservas mundiais conhecidas de elementos raros — o dobro do seu vizinho Vietname — e extrai muito mais destes metais do que qualquer outro país, dominando completamente a cadeia de processamento e fornecimento. Em 2020, seis empresas estatais chinesas, sozinhas, produziram 85% dos metais raros refinadas do mundo.

O Comboio do Céu experimental inaugurado na semana passada, no condado de Xingguo, província de Jiangxi, parece assim um conceito “apenas para a China”.

Atualmente, a pista, construída sobre postes de aço que a elevam a cerca de 10 metros do solo, tem apenas 800 metros.

A composição, com duas carruagens que transportam até 88 passageiros, está suspensa magneticamente sob a via, sem fazer contacto, e desliza a velocidades de até 80 km/h, silenciosamente e sem fricção, entre as plataformas de passageiros elevadas.

Uma vez terminados os testes, a pista será prolongada até 7,5 km, com uma maior velocidade máxima: cerca de 120 km/h.

De acordo com o South China Morning Post, estes comboios têm um custo de cerca de um décimo do de um metro — mesmo tendo em conta as grandes quantidades necessárias de neodímio, o material usado nos ímanes mais poderosos do mundo.

Além disso, o custo do Comboio do Céu também resiste melhor ao passar do tempo, uma vez que um íman reforçado com neodímio perde menos de 5% do seu magnetismo em 100 anos.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

4 Comments

  1. Por favor, mudem o título!
    Em vez de “comboio suspenso levita e move-se sem eletricidade” deve estar “comboio suspenso levita sem eletricidade”. Para se mover necessita de energia, só quando está parado é que não consome energia.

      • Não está totalmente corrigido: o erro continua na listagem “As notícias que perdeu esta semana” e no título do vídeo.

        • Caro leitor,
          Obrigado pelo reparo.
          O título e thumbnail do vídeo foram corrigidos.
          A listagem “As notícias que perdeu esta semana” é uma newsletter cujo conteúdo, depois de enviado, não conseguimos alterar.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.