/

Comandante dos EUA teme que a China invada Taiwan nos próximos seis anos

1

(h) Military News Agency / EPA

A China pode invadir Taiwan nos próximos seis anos, à medida que Pequim acelera os seus movimentos para suplantar o poder militar norte-americano na Ásia, afirmou na terça-feira o principal oficial militar de Washington na Ásia-Pacífico, o almirante Philip Davidson.

Taiwan é um país democrático, que vive sob ameaça de invasão por parte da China. A nação tornou-se independente do domínio chinês no final da guerra civil, em 1949.

“Preocupa-me” o facto de a China estar a “acelerar as suas ambições de suplantar os EUA e o nosso papel de liderança na ordem internacional até 2050″, disse Davidson. “Antes disso, Taiwan é claramente uma das suas ambições. Acho que a ameaça se manifestará durante esta década, nos próximos seis anos”, indicou no Senado.

Em 1979, Washington mudou o reconhecimento diplomático de Taiwan para a China, mas o país continua a ser o mais importante aliado não oficial e patrocinador militar da ilha.

Enquanto o ex-Presidente norte-americano Donald Trump estreitou os laços com Taiwan – devido à disputa comercial com a China – a administração de Joe Biden declarou em janeiro que o compromisso dos EUA com a ilha era “sólido como uma rocha”.

O embaixador de Taiwan nos EUA foi formalmente convidado para a posse de Biden, um movimento sem precedentes desde 1979.

O almirante referiu ainda que a China tem reivindicado territórios no Mar do Sul da China, ameaçando ocupar a ilha norte-americana de Guam. “Guam é um alvo”, alertou, lembrando que os militares chineses divulgaram um vídeo no qual simulam um ataque a uma base insular muito semelhante às instalações dos EUA.

Davidson pediu aos legisladores que aprovassem a instalação de equipamentos anti-míssil em Guam, capazes de intercetar os mísseis chineses. Guam “precisa ser defendida e preparada para as ameaças que virão no futuro”, sublinhou.

  Taísa Pagno //

1 Comment

  1. Só faltou o dito Comandante finalizar: Quando a China o fizer, a reação dos EUA e do mundo será à mesma à anexação da Crimeia pela Rússia. Ficaremos parados, a olhar… impotentes!!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.