Chegada de portugueses e espanhóis às Américas fez descer a temperatura da Terra

Prang Educational Co., 1893. 40802Y U.S. Copyright Office

Ilustração da chegada de Cristóvão Colombo à América em 1492.

A colonização do continente americano, que foi levada a cabo por portugueses e espanhóis a partir do fim do Século XV, provocou tantas mortes entre os povos indígenas que teve efeitos significativos no clima da Terra, levando a um drástico arrefecimento do planeta.

Esta é a conclusão de um estudo da University College London (UCL), no Reino Unido, que avaliou todos os dados populacionais que conseguiu reunir sobre quantas pessoas viviam nas Américas antes da chegada de Cristóvão Colombo ao então chamado Novo Mundo, em 1492, calculando a forma como esses números mudaram nas décadas seguintes.

No estudo publicado na revista científica Quaternary Science Reviews, os cientistas falam do “despovoamento de larga escala”, motivado por conflitos e pelas doenças levadas pelos europeus (varíola e sarampo, entre outras), concluindo que reduziu a população em 90%.

As conclusões apontam que a população de cerca de 60 milhões de pessoas que viviam nas Américas no fim do século XV (cerca de 10% da população total do mundo) diminuiu para apenas 5 ou 6 milhões em cem anos, como refere a BBC citando o estudo.

“O massacre dos povos indígenas das Américas resultou num impacto global no sistema da Terra, impulsionado pelo ser humano, nos dois Séculos anteriores à Revolução Industrial”, notam os investigadores.

O elevado número de mortes levou ao abandono de imensas áreas de terras agrícolas que acabaram por transformar-se em florestas de densa vegetação. Este processo retirou dióxido de carbono (CO₂) suficiente da atmosfera para provocar o arrefecimento do planeta.

Este período de arrefecimento é conhecido por Pequena Era do Gelo nos livros de história, e foi uma época em que as tempestades de neve eram comuns em Portugal, e o Rio Tamisa, em Londres, congelava durante o Inverno, com vários países europeus a viverem períodos de fome.

Lições para o futuro

Os investigadores calcularam a quantidade de terra cultivada pelos povos indígenas que terá deixado de ser utilizada, durante a colonização europeia, definindo o impacto da substituição dessas terras por florestas e savanas. A área em causa seria de cerca de 56 milhões de hectares, quase o tamanho do território da França actual.

Acredita-se que esta escala de renovação do solo absorveu CO₂ suficiente do ar para a concentração do gás na atmosfera apresentar uma queda de 7-10ppm – ou seja, de 7-10 moléculas de CO₂ para cada um milhão de moléculas no ar.

Como ponto de comparação, na actualidade, “basicamente queimamos (combustíveis fósseis) e produzimos cerca de 3 ppm por ano”, explica o co-autor do estudo, Mark Maslin, em declarações divulgadas pela BBC, constatando que estamos a falar de “uma grande quantidade de carbono” a ser “sugada da atmosfera”.

“Há um arrefecimento acentuado por volta dessa época (1500/1600) que é a chamada Pequena Era do Gelo”, frisa Maslin, notando que alguns “processos naturais” podem ter contribuído para isso, mas evidenciando que a “queda no CO₂ gerada pelo genocídio” foi determinante para o “arrefecimento total”.

A queda no CO₂ após o despovoamento no continente americano é evidente em amostras recolhidas de núcleos de gelo da Antárctida. As bolhas de ar presas nessas amostras congeladas revelam uma queda na concentração de dióxido de carbono nesse período.

A composição atómica do gás também sugere fortemente que o declínio foi impulsionado por processos no solo nalgum local do planeta.

Além disso, os cientistas da UCL argumentam que a tese coincide com os registos de reservas de carvão e pólen nas Américas, que mostram o tipo de efeito esperado do declínio no uso do fogo no manejo da terra e um grande crescimento da vegetação natural.

Esta nova pesquisa mostra que “as actividades humanas afectaram o clima muito antes do início da revolução industrial”, como destaca na BBC o professor Ed Hawkins da Universidade de Reading, no Reino Unido, que não participou do estudo.

O estudo também tem um peso nas discussões sobre a criação de um novo rótulo para descrever o que alguns chamam de “era da humanidade” – e os seus impactos – na Terra.

Conhecido como Antropoceno, este período é caracterizado pelo mpacto da acção humana na Terra, e há um intenso debate sobre se pode ou não ser considerado uma nova era geológica. Alguns cientistas dizem que será mais evidente a partir da grande aceleração da actividade industrial a partir dos anos 1950.

Mas, segundo os pesquisadores da UCL, o genocídio nas Américas revela que há interacções humanas significativas que deixaram uma marca profunda e permanente no planeta desde muito antes da metade do século XX.

ZAP // BBC

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. E os Ingleses tambem nos seculos seguintes quando formaram o império, foram às Americas e encontraram os Indios e foram só cervejas e praia com a casa amarela e cerca branca
    A internet de certa forma é um veículo de propaganda em que domina a lingua Inglesa

    • Perfeitamente de acordo.
      Esta terminologia sectária de ‘massacre’, ‘genocídio’ relacionada com a ‘conquista’ das américas pelos povos ibéricos é usada para esconder a verdadeira vergonha que foi o que aconteceu nos territórios que são hoje ocupados pelos anglo-saxónicos nas américas.
      Os espanhóis (sobretudo) encontraram pela frente impérios numerosos com grande sofisticação social, económica e militar (tinham ‘ordens militares’).
      Apesar das muitas atrocidades que foram cometidas por ambas as partes pode hoje constatar-se qual é o tecido genético e cultural da grande maioria dos países da América Latina.
      Continua a ser maioritariamente indígena ou mestiço, sendo os europeus apenas cerca de 25 a 30% do mosaico.
      No entanto, na América do Norte (EU e Canadá), os anglo-saxónicos, que a colonizaram quase 2 séculos mais tarde, encontraram povos dispersos com um desenvolvimento tecnológico comparável à pré-história. E desses fizeram ‘picadinho’. Não só disseminaram as mesmas doenças, deliberadamente, pois sabiam dos efeitos acidentais que tinham tido no Sul, mas ainda completaram o serviço efectuando sistemáticos genocídios por força das armas que levaram as populações à quasi-extinção. (e á extinção efectiva me muitos casos).
      Hoje em dia as populações autóctones da América do Norte são apenas residuais (menos de 2%) e confinadas, por restrições várias, a ‘reservas’ que podem ser comparáveis a jardins zoológicos de manutenção deficiente.
      O mesmo se passou na Austrália e Nova Zelândia.
      Os senhores que estão sempre a ‘sublinhar’ as atrocidades dos ‘Conquistadores’ (espanhóis), são os mesmos que já nem telhados de vidro têm, tal é a vergonha da sua verdadeira história.
      Só não se sabe mais porque a história é sempre escrita pelos que prevalecem e todos sabemos qual é a realidade dos últimos 2 séculos.

      • Completamente de acordo, é lamentável este tipo de noticias faciosas.
        Foram estes mesmos ingleses, que vestem a pele de cordeirinho que massacraram povos inteiros e até faziam acordos com os piratas da época ( atualmente seriam terroristas), dando coberturas a gente sem lei, e protegendo com a sua lei hipocrita , desde que não fossem atacados nos seus interesses.

        • Uma correção: não eram piratas, eram corsários. A Inglaterra financiava-os. E Portugal que o diga.
          Quanto ao resto… basta ver quantos índios ainda existem e em que condições nos US OF A.

      • E não se fala dos descendentes dos escravos africanos que proliferam em grande percentagem em países ibero-americanas?

  2. Com esta lógica tivemos uma outra pequena época do gelo em 1300 com 75 milhões de mortos com a peste negra… O que não é verdade.
    E outra com a União soviética e China, cambodja etc. (100 milhões de mortes)
    E outra com a segunda guerra mundial.
    Mas nada aconteceu nestes períodos.

  3. Como estamos numa época em que o clima está a subir de temperatura com risco de desaparecimento da própria humanidade, nada como portugueses e espanhóis darem uma nova volta pelo mundo a ver se as temperaturas baixam.

  4. Os Britanicos meteram-se no brexit e agora só lhes resta a maquina de propaganda pois sabem para onde os investidores irão fugir. Os Belgas no seculo 20 para alimentarem a crescente procura de borracha para os blindados na 2ª guerra mundial mataram milhões de Congoleses e cortavam-lhes as mãos, faziam feiras de curiosidades onde dispunham os ” indigenas”, enquanto que em Lisboa no seculo 16 já os Portugueses tinham multiculturalidade: mulatos Japoneses, africanos, Britanicos, etc

  5. Tem piada q os registos cientificos mostram que a partir do ano 1500 a temperatura subiu bastante consistentemente. Mas vamos ignorar ciência e continuar com narrativas de CO2

RESPONDER

Afinal, o universo pode ser 2 mil milhões de anos mais novo do que pensávamos

Novos cálculos sugerem que o universo pode ser dois mil milhões de anos mais novo do que aquilo que se pensava. Contudo, é difícil saber com exatidão a sua verdadeira idade. Os cientistas calculam a idade …

O maior vulcão de uma lua de Júpiter pode estar prestes a entrar em erupção

O maior vulcão de Io, uma das quatro grandes luas de Júpiter, pode estar prestes a explodir. Décadas de observação mostram um ciclo periódico nas erupções deste vulcão. De acordo com o Science Alert, o vulcão …

Crianças e adolescentes são quem mais consome açúcar em Portugal

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que teve por base o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, concluiu que as crianças e os adolescentes são quem mais consome …

A Rússia já sabe como apareceu a fissura na nave Soyuz (mas não revela)

A Corporação Espacial Estatal da Rússia, Roscosmos, já sabe qual é a origem da fissura encontrada há um ano na nave Soyuz MS-09, acoplada à Estação Espacial internacional. Mas não revelará mais informações. "O buraco foi …

SIVRAC, a bicicleta elétrica que se dobra em apenas um segundo

Com um quadro em forma de "X" e dobrável num estalar de dedos, a nova SIVRAC promete ser uma solução prática para quem viaja, por exemplo, de bicicleta para o trabalho. A bicicleta é um …

Porto 2-1 Young Boys | Dragão de duas faces com estreia feliz

O FC Porto entrou na Liga Europa com o pé direito, ao vencer o Young Boys por 2-1, no Estádio do Dragão. Uma primeira parte de enorme qualidade, na qual os suíços só por uma …

Dois turistas foram apanhados a nadar nus em Veneza. Vão pagar 3 mil euros cada um

Os homens checos estavam em Itália para apoiar a sua equipa de futebol - o Slavia de Praga que jogou contra o Inter em Milão -. Os dois visitantes, em Veneza, decidiram dar um mergulho. Um …

Voar sobre as águas do Sena. Paris testa "bolha do mar", um barco-táxi amigo do ambiente

Paris está a testar um novo meio de transporte mais amigo do ambiente: um barco-táxi ecológico que desliza nas águas do rio Sena. Esta semana, o sea bubble (bolha do mar) está em testes no rio …

Há uma "Matilde" na Bélgica que também precisa do medicamento mais caro do mundo

Mais de 950 mil belgas responderam ao apelo de um casal, que precisava de reunir 1,9 milhões de euros para comprar o medicamento mais caro do mundo para a filha. Pia, de nove meses, sofre de …

System of a Down confirmados no festival VOA, no Estádio Nacional

Os System of a Down são a primeira grande confirmação do VOA - Heavy Rock Festival, que em 2020 se realiza a 2 e 3 de julho no Estádio Nacional. De acordo com a Blitz, este …