Ciganos europeus vivem abaixo do limiar da pobreza

A maioria dos ciganos europeus vive abaixo do limiar da pobreza (80%), muitos sem água potável. Apenas 30% tem emprego e quase 50% diz ter sido discriminado nos últimos cinco anos, segundo um relatório europeu, divulgado esta terça-feira.

O relatório é da autoria da Agência Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) e resulta do segundo inquérito sobre Minorias e Discriminação na União Europeia, para o qual foram entrevistadas 25.500 pessoas de várias minorias étnicas, entre as quais 7.947 ciganos.

Os países incluídos neste estudo foram Portugal, Espanha, Eslováquia, Bulgária, Croácia, República Checa, Grécia, Hungria e Roménia, onde, no conjunto, habitam cerca de 80% dos ciganos da UE.

No global, foi possível observar que 80% dos ciganos vive abaixo do limiar da pobreza, contra 17% da média europeia, e 30% vive em casas sem água potável.

O relatório mostra também que, em matéria de educação, as crianças ciganas estão atrás das não ciganas em todos os níveis de ensino e que apenas 53% das crianças entre os 0 e os 4 anos frequenta o pré-escolar.

“Em média, 18% dos ciganos entre os 6 e os 24 anos frequenta um nível de ensino abaixo do correspondente à sua idade”, diz a FRA.

Quando questionados sobre se o rendimento do agregado familiar é suficiente para fazer face às despesas mensais, 92% dos inquiridos respondeu que o faz com “algumas dificuldades”, com 45% a admitir “muitas dificuldades”, percentagem que sobe para 74% em Portugal e na Grécia.

Sobre a participação no mercado de trabalho, apenas um em cada quatro ciganos com 16 anos ou mais disse estar empregado ou trabalhar por conta própria, sendo que apenas 30% dos ciganos entre os 20 e os 34 anos tem um trabalho remunerado, contra 70% da média europeia.

Uma situação que se agrava entre os mais novos, com 64% dos ciganos com idade entre os 16 e os 24 anos a não trabalhar nem estudar.

Dentro deste valor, 72% são mulheres ciganas, enquanto 55% são homens, o que evidencia uma forte diferença entre géneros.

O documento revela ainda que “os ciganos continuam a enfrentar níveis intoleráveis de discriminação – na procura por trabalho, no emprego, na educação, saúde, quando contactam com serviços administrativos ou entram numa loja”.

Ciganos portugueses sentem-se os mais discriminados

De acordo com a FRA, 71% dos ciganos portugueses sofreu um episódio de discriminação nos últimos cinco anos, enquanto 47% disse ter sido discriminado nos doze meses anteriores à realização do inquérito, sendo nesta matéria que Portugal aparece pior referenciado.

A FRA afirma que, comparando com o inquérito realizado em 2011, “a prevalência de discriminação quando procuram por trabalho aumentou substancialmente para os ciganos em Portugal” – por outro lado, esse tipo de discriminação baixou apenas na Bulgária, República Checa, Hungria e Roménia.

Neste parâmetro, 47% dos ciganos portugueses queixou-se de discriminação, contra 16% da média dos nove países.

Por outro lado, 11% dos ciganos nacionais disse ter sido discriminado no local de trabalho e 38% em serviços públicos/privados.

Relativamente à perceção da extensão da discriminação por causa da origem étnica, a FRA revela que, no global dos nove países que participaram no inquérito, um em cada dois ciganos entende que é algo que está relativamente ou bastante espalhado no seu país.

Em Portugal, 51% dos ciganos tem essa perceção, contra 23% que acha que há discriminação por causa da cor da pele e 4% por motivos religiosos.

Já a perceção da população em geral (64%) é a de que a discriminação por causa de razões étnicas está bastante espalhada.

No que diz respeito à denúncia de situações de discriminação, o relatório mostra que só 5% dos ciganos portugueses denunciou uma situação desse tipo, contra 12% da média dos nove países.

O relatório revela também que em Portugal, na Grécia e na Roménia “quase nenhum dos ciganos entrevistados conhece qualquer organização de apoio” e apenas 36% dos inquiridos disse saber que existe legislação que proíbe a discriminação com base na cor da pele, origem étnica ou religião.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Que grande chatice. E aqueles que trabalharam e descontaram uma vida inteira e também vivem nas mesmas situações.
    Antes de publicarem as noticias pensem primeiro. Não percebo a indignação

  2. Engraçado que são os ciganos que têm os melhores carros, bem vestidos (com mau gosto mas enfim) e ainda por cima têm imenso ouro distribuído pelas casas de penhor das quais fazem autênticos bancos para depois emprestarem uns aos outros e a não-ciganos a taxas incomportáveis. Enfim, acham que são mais espertos que toda a gente. Até pagam os juros do ouro que têm com o rendimento mínimo a que recorrem sempre alegando esta “pobreza”. Tem casas da Gebalis como nenhum de nós ditos “normais” cidadãos tem direito. Chateiam, coagem e agridem os funcionários e funcionarias da segurança social para terem tudo e mais alguma coisa. Depois… ai coitadinhos de nós que ninguém nos quer a trabalhar. Claro que não, não se aguentam nos trabalhos, não sabem sequer o que é ter um horário ou uma responsabilidade.

  3. Estou de acordo, e nenhum vai dizer que vive sem dificuldades mesmo que viva muito bem. A verdade é que muitos ganham muito mais do que dizem, e se são discriminados por algum motivo é, todos sabemos a fama que têm quanto a criarem desacatos.

  4. Quê? A grande maioria vive melhor que nós.
    “Inserem-se” num estado pensando que só têm direitos. Obrigações? Tá quieto. Sugam (e ainda gozam) a seg. Social até á exaustão, são malcriados até dizer chega, chulam casas camarárias e partem-nas todas, estão aos montes nas associações de solidariedade a sugar tudo o que podem, desde comida, cobertores e por aí fora. Não pagam taxas moderadoras, fazem assaltos, levam um balázio, desgraçam a vida do policia/gnr e ainda levam indemnização. Nas escolas tem direito a tudo e ainda estragam a escola, enfim… Ciganos.
    Além de tudo isto, contribuem com zero para a seg. social, vendem na candonga e pagar impostos é zero.
    Contas feitas, recebem do sistema e de todo o lado. Ganham dinheiro e não contribuem nada pro estado. É sempre a somar. Quem dera muita gente que não é cigana, ter a “pobreza” deles. Chulos! Parasitas!

RESPONDER

Novos modelos de carros elétricos vão triplicar. Produção em Portugal "será praticamente inexistente"

O número de modelos de veículos elétricos irá triplicar no mercado europeu até 2021, mas a produção destes veículos em Portugal será praticamente inexistente até 2025, indica um estudo da Federação Europeia dos Transportes e …

Bruxelas investiga Amazon por alegado uso de dados pessoais de vendedores

A Comissão Europeia abriu, esta quarta-feira, uma investigação à Amazon para determinar se a empresa usou informações pessoais “confidenciais” de vendedores independentes, quebrando as regras comunitárias na área da concorrência. A Comissão Europeia abriu uma investigação …

Parlamento não sabe o que fazer ao Acordo Ortográfico

Depois de dois anos de meio, foram ouvidas 16 entidades, recebidos 20 contributos escritos, houve uma petição, um projeto de resolução chumbado e uma iniciativa legislativa de cidadãos. Mas a Assembleia da República continua sem …

Ministério da Educação quer reduzir peso excessivo das mochilas dos alunos

O Ministério da Educação lançou esta quinta-feira uma campanha para sensibilizar pais, alunos, professores e diretores escolares a adotar medidas que reduzam o peso excessivo das mochilas dos alunos. A campanha de sensibilização lançada esta quinta-feira …

Morreu o eurodeputado do PS André Bradford. Estava em coma induzido

O eurodeputado do PS André Bradford, que estava em coma induzido desde dia 8 deste mês, faleceu nesta quinta-feira no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, revelou à agência Lusa fonte do PS/Açores. Bradford, …

Crise dos opióides nos EUA: 76 mil milhões de comprimidos e 70 mil overdoses

Entre 2006 e 2012 foram distribuídos setenta e seis mil milhões de comprimidos de duas substâncias opióides, a oxicodona e a di-hidrocodeína. As mais de 70 mil registadas em 2017 representam um aumento para o …

Erosão da costa portuguesa é grave (e vai piorar)

As zonas da costa com ocupação humana são as mais atingidas pelos efeitos da erosão costeira em Portugal, uma situação que vai agudizar-se, apesar das medidas que têm sido tomadas e que custam anualmente milhões …

Oito pessoas sofreram intoxicação por cloro nas piscinas de Odivelas

Oito pessoas sofreram uma intoxicação por cloro na sequência de um derrame nas piscinas municipais de Odivelas, na manhã de quarta-feira. Quatro dos feridos – com reações a nível respiratório – receberam assistência no local e …

BE vai propor a despenalização da morte assistida

No programa eleitoral das próximas eleições legislativas, o Bloco de Esquerda vai voltar a propor a despenalização da morte assistida. Catarina Martins defende que se trata de uma decisão que "alarga o espaço da liberdade, …

Apresentador de TV suspeito de esquema à Dona Branca "refugiou-se" em Portugal

O apresentador de televisão norte-americano Clayton Morris, que trabalhou na Fox News, está a viver em Portugal, depois de ter sido acusado de montar um esquema semelhante ao caso da Dona Branca, a chamada banqueira …