Cientistas portugueses confirmam teoria de Einstein com estrela em redor de buraco negro

ESO / Wikimedia

Sagitário A*

Vários investigadores, incluindo portugueses, verificaram, pela primeira vez, que uma das estrelas em redor de um buraco negro ‘supermassivo’ no centro da Via Láctea se movimenta tal como o previsto na Teoria da Relatividade Geral de Einstein, foi hoje divulgado.

A estrela é a S2, que faz parte de um aglomerado estelar que existe em torno do buraco negro Sagitário A, localizado a 26 mil anos-luz do Sol e que terá quatro milhões de massas solares.

Segundo o Observatório Europeu do Sul, que opera o telescópio no Chile com que foram feitas as observações e que hoje divulgou em comunicado os resultados da investigação, a órbita desta estrela tem a forma de uma roseta e não a de uma elipse, como prevê a clássica Teoria da Gravitação do físico Isaac Newton, de 1687.

“Descobrimos que o movimento de uma estrela em torno desse buraco negro não é uma órbita fechada, isto é, não é um caminho em que o fim e o início são o mesmo ponto, descrito periodicamente”, disse à Lusa um dos investigadores portugueses envolvidos no estudo, Paulo Garcia, do Centro de Astrofísica e Gravitação (Centra) do Instituto Superior Técnico, em Lisboa.

De acordo com Paulo Garcia, que também lecciona na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, a órbita da estrela S2 “é um caminho tipo figura roseta”, uma “órbita aberta, compatível com a Relatividade Geral” publicada pelo físico Albert Einstein em 1915.

Os resultados da investigação, que implicou fazer medições precisas da órbita da estrela durante cerca de 30 anos a partir das observações realizadas com o telescópio VLT, foram publicados na revista da especialidade Astronomy & Astrophysics. O trabalho mobilizou uma equipa científica internacional, nomeadamente de Portugal, França e Alemanha.

Além de Paulo Garcia, estiveram envolvidos os investigadores do Centra António Amorim e Vítor Cardoso.

A equipa portuguesa participou nas mais de 330 medições da posição da estrela, que completa uma órbita na proximidade de Sagitário A ao fim de 16 anos, mas também no “desenho e construção” de um componente de um instrumento do telescópio VLT que permite “obter imagens do ambiente próximo do buraco negro”, adiantou António Amorim, citado num comunicado do Centra.

À Lusa, Paulo Garcia explicou que a órbita da estrela S2, uma das mais próximas do buraco negro Sagitário A, “está associada ao mecanismo físico denominado precessão”, que, no caso, “está ligado à deformação do espaço-tempo pelo buraco negro”.

A deformação do espaço-tempo provocada por um buraco negro, corpo extremamente denso e escuro no centro das galáxias de onde nada escapa, nem mesmo a luz, é descrita pela Teoria da Relatividade Geral de Einstein.

“O efeito da deformação do espaço-tempo é ‘puro’ e dá um puxão extra à estrela no ponto de maior aproximação do buraco negro, fazendo com que a órbita não volte ao ponto inicial e realize a figura de roseta”, assinalou Paulo Garcia.

Segundo o docente, a teoria da gravitação clássica, ao contrário da moderna de Einstein, “é incapaz de explicar este fenómeno sem invocar um terceiro corpo (que seria um segundo buraco negro) ou uma nuvem de matéria escura massiva que se desconhece”.

Contudo, para o investigador, “por muito espectacular que a Relatividade Geral seja, a maioria dos físicos acredita que esta não é a última teoria da gravidade”.

“Testar a teoria [de Einstein] no limite da curvatura imensa do espaço-tempo que é a região perto do horizonte do buraco negro ‘supermassivo’ [Sagitário A] no centro da galáxia [Via Láctea] é uma maneira de chegar a essa nova física”, sustentou.

Por isso, os cientistas pretendem aprofundar os seus estudos, medindo a órbita da estrela S2 ainda com maior exactidão, procurando estrelas em órbitas mais próximas de Sagitário A e analisando o que desencadeia as explosões em redor do buraco negro.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Cientististas gostam de um CGI (Computer Grafics Imaginary)

    Eu faço uma aposta com qualquer um deles, de pegar um telescópio mais potente do nosso planeta apontar pro céu e mostrar um bucaco negro, um planeta, qualquer, com tanta resolução

    Quem tem isso é só a NASA, isso não é ciência quando não dependemos da gente mesmo para constatar.

    Quem apontar pro céu um telescópio potente vai constatar, nada tem haver com aquilo que a NASA mostra, nem nas fotos CGI nem em lugar nenhum

  2. Resumindo nesse mundo, todo mundo tem que se expressar e pensar iguais, se não nem aparece seu pensamento, isso é uma grande democracia

    Gosto investigar tudo, se não dá para se comprovar numa sala de ciência pra todos ali ver, isso pra mim não é ciência é fé.

    Só uma coisa pra pensar, se fora do nosso planeta existe milhares de satélites de telecomunicações orbitando o nosso planeta sobre linha do equador mais fácil ainda é só apontar o telecopio ali, porque não aparece nenhum satélite perto em nenhuma foto da NASA, já que as fotos dela tem tanta resolução.

    Daqui de baixo aposto novamente a qualquer um apontar pro céu e observar um satélite qualquer e tirar uma foto, a unica coisa provavel de se conseguir é é mostar uma balão traparente do tipo usado pelo google, pra enviar sinais de internet para localidades onde o sinal é fraco ou não existe.

    O resto das telecomunicações entre paises são feitas por cabos submarinos.

    Se fosse por satélites o proprio google não precisaria gastar fortunas soltando balões pra refletir o sinais pra baixo, era apenas alugar algum já existente fora do planeta, (se é que existe)

    • Meu caro, se você fosse gostasse mesmo de “investigar tudo”, comprava um telescópio básico, nem é preciso grande coisa, e consegue sim ver vários satélites, e sobretudo a estação espacial internacional, se souber onde apontar. E como saber onde apontar? Bom, senão tiver com vontade de pesquisar muito, pode instalar um programa chamado Stellarium (gratuito e de código aberto, procure no Google), que ele diz-lhe onde está tudo. Depois é só pegar no seu telescópio e apontar. Obviamente nunca fez tal coisa, e depois vem para aqui debitar tolices que viu no YouTube. Forte abraço e força nas suas investigações com o telescópio (não com o YouTube, ok?).

  3. «…todo mundo tem que se expressar e pensar iguais, se não nem aparece seu pensamento, …»
    Pois é, Carlos, você disse tudo. E ainda por cima com um português quase indecifrável, não precisa acrescentar mais nada.

RESPONDER

Comissão nos EUA desaconselha terceira dose da Pfizer a maiores de 16 anos

Uma comissão consultiva da agência reguladora dos EUA para os medicamentos e a alimentação (FDA, na sigla em inglês) pronunciou-se esta sexta-feira contra a aplicação de uma terceira dose da vacina Pfizer contra a covid-19 …

Santos Silva quer preços da eletricidade na agenda da UE

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defendeu esta sexta-feira que a União Europeia (UE) tem de colocar em agenda o problema do aumento dos preços da eletricidade no continente, alertando que a reação …

Já há uma calculadora que prevê o risco de se ser infetado com covid-19 (em diversos cenários)

Já existe uma ferramenta online que calcula o risco de se ser infetado com covid-19. Chama-se microCOVID, baseia-se em dados recentes, analisa diferentes cenários e foi desenvolvida por um grupo de amigos. Numa altura em que …

Alargamento de teletrabalho não deve abranger empresas de menor dimensão

O Governo defendeu esta sexta-feira, na Concertação Social, que "as empresas de menor dimensão" devem ficar excluídas da medida que prevê o alargamento do teletrabalho a pais com filhos menores de oito anos, sempre que …

Costa acusa oposição de “absoluta impreparação” por não saber o que é o PRR

O secretário-geral do PS, António Costa, acusou esta sexta-feira a oposição de “absoluta impreparação” por não saber o que é o PRR, nem a “missão patriótica” que consiste em pô-lo “em marcha para o bem …

Asteroide que dizimou dinossauros permitiu que as cobras evoluíssem (e se espalhassem pelo mundo)

As cobras devem, em parte, o seu sucesso na Terra ao asteroide que atingiu o planeta há 66 milhões de anos e levou à extinção dos dinossauros, aponta um novo estudo. Além da extinção dos dinossauros …

Novo modelo geofísico ajuda a prever furacões com origem no Golfo do México

Ao analisar a temperatura da atmosfera, que se encontra a vários quilómetros acima da Terra, os investigadores descobriram uma forma de prever quantos furacões podem afetar o Golfo do México no verão e no outono. Os …

Requiem. Supernova irá fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037

Uma supernova distante, chamada Requiem, vai fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037. O Hubble captou-a três vezes em 2016, graças a um fenómeno conhecido como lente gravitacional. A Requiem é o resultado de uma explosão estelar …

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …