Cientistas não conseguem explicar misterioso sinal de rádio cósmico

Jimwmurphy / wikimedia

Radiotelescópio do Observatório Very Large Array (VLA) no Novo México, EUA.

Radiotelescópio do Observatório Very Large Array (VLA) no Novo México, EUA.

Até hoje, os cientistas já detetaram cerca de 22 rajadas rápidas de rádio (“fast radio bursts” ou FRB), mas ainda não conseguiram descobrir o que são, o que significam, ou de onde vieram.

As Rajadas Rápidas de Rádio são impulsos de ondas muito breves, que duram milésimos de segundos, mas que são muito potentes e são milhões de vezes mais luminosas do que qualquer coisa já vista na nossa galáxia. Esses sinais misteriosos no universo já foram associados a tudo, desde micro-ondas a naves espaciais alienígenas.

Com apenas 22 FRBs confirmadas até à data, estas ondas rádio cósmicas podem parecer raras, mas os cientistas pensam que são, na verdade, bastante comuns – cerca de duas mil devem iluminar o espaço todos os dias.

No entanto, os especialistas têm tanta dificuldade em encontrá-las porque duram apenas cerca de 5 milissegundos e, até o início deste ano, os cientistas nem sequer eram capazes de confirmar que vinham do espaço, e não da Terra.

O sinal de rádio cósmico mais misterioso

O novo estudo descreve uma explosão chamada FRB 150215, detetada em tempo real pelo radiotelescópio Parkes, na Austrália, no dia 15 de fevereiro de 2015. Depois de observarem esta onda de rádio cósmica através da lente de 11 telescópios, os cientistas não estão nem perto de resolver o mistério.

“Passamos muito tempo num monte de telescópios para encontrar qualquer coisa associada a este sinal de rádio cósmico. Temos novas janelas de comprimento de onda que nunca conseguimos antes, mas ainda estamos a tentar descobrir de onde veio”, disse a principal autora do estudo, Emily Petroff, do Instituto Holandês de Radioastronomia.

Esta descoberta intrigou os cientistas porque, ao contrário de qualquer outra FRB detetada até à data, não foi possível identificar qualquer vestígio de luz deixada para trás, apesar de terem a observado através de vários telescópios em todo o mundo.

“A explosão foi acompanhada por 11 telescópios para procurar sinais de rádio, ópticos, raios-X, raios gama e emissão de neutrinos. Não foi encontrada nenhuma emissão transitória nem variável que fosse associada à explosão, e também não foi detetado nenhum impulso de repetição em 17 horas de observação”, escreveram os cientistas.

E, até agora, ninguém conseguiu descobrir como é que algo que gera tanta energia como 500 milhões de sóis não têm nenhum pós-brilho.

Para além disso, a FRB 150215 não deveria ter sido detetável a partir da Terra, devido à direção densa no espaço do caminho que percorreu. Emily Petroff mediu a polarização do misterioso sinal de rádio cósmico e através da “medida rotacional”, conseguiu observar por onde é que o sinal passou.

Numa área tão densa do espaço, deveria existir muita interferência magnética e, portanto, uma alta medida rotacional, mas os cientistas detetaram o oposto. Portanto, parece a rajada rápidas de rádio passou por algum tipo de “buraco” na Via Láctea que também tinha uma medida rotacional de zero.

De acordo com os especialistas, a chave para desvendar o mistério das FRBs parece ser o tamanho da amostra. Por enquanto, só foram detetadas 22 ondas de rádio cósmicas, e os cientistas vão precisar de encontrar muitas mais para descobrir de onde vêm.

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Experimentem o Telescópio Espacial James Webb (JWST)…já está mais que operacional e necessita de ser experimentado…”só” custou 8,8 bilhões de dólares.

  2. Não percebo o espanto. Porque é que não fazem uma recirculação da chamada? O meu fixo tem essa função há mais de 20 anos. Se atenderem do outro lado é porque o Eduardo Tavares estava de serviço na central e, porque o repasto foi uma boa fajoada, resolveu fazer das suas. A propósito do buraco onde entra e/ou sai, só pode ser o do ozono. Como não tem tendência para fechar, mais fácil será entrar e/ou sair sem protestos. Assim ninguém mais se aleija. Diz-se também que existe outro buraco suspeito: o da minhoca. Eu nunca pensei numa coisa dessas! E mais longe não vou. Outra explicação simples para o não entendimento das enxurradas de informação, foi por causa da encriptação dos dados e apresentação da respetiva fatura em “bitcoins”. Não há almoços grátis.

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …