Cientistas mais perto de explicar o mistério cósmico do Ponto Frio

Uma equipa de astrónomos liderados por István Szapudi, do Instituto de Astronomia da Universidade do Havai, pode ter encontrado uma explicação para a existência do fenómeno chamado “Ponto Frio”, um “supervazio” que ocupa uma vasta região com 1.800 milhões de anos-luz de diâmetro, em que a densidade das galáxias é muito menor do que o habitual no Universo conhecido.

A Física à volta da teoria do Big Bang prevê alguns lugares mais quentes e mais frios de diversas dimensões no Universo primário, mas não um espaço tão grande e tão frio como o que foi identificado na Radiação Cósmica de Fundo em Micro-ondas (em inglês, Cosmic Microwave Background, sigla CMB), o chamado “eco” do Big Bang.

Publicados esta segunda-feira na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, os resultados do estudo desenvolvem os dados de 2004 que revelaram uma enorme região no céu onde a CBM era mais fraca do que o esperado.

Com base em dados do telescópio ótico Pan-STARRS1, instalado no Havai, e do observatório espacial infravermelho Wise, da NASA, a equipa de Szapudi descobriu uma vasta região a cerca de três mil milhões de anos-luz da Terra, onde a densidade de galáxias é muito menor do que a vista no resto do Universo, uma anomalia na distribuição de matéria pelo Big Bang que a teoria atual ainda não explica e que constitui “a maior estrutura jamais identificada pela Humanidade”.

Szapudi compara este “supervazio” com uma montanha que a CMB tem que atravessar para chegar até nós. Ao entrar neste vazio, a radiação teria que subir a montanha e depois descê-la.

Num Universo em expansão constante, a CMB recuperaria na descida a energia gasta na subida, sem grandes variações. No entanto, num Universo em expansão acelerada – como se acredita que aconteça -, a montanha seria “esticada” à medida que a CMB a atravessa.

Assim, quando a radiação começa a descer a montanha, esta está mais plana, e a CMB não recupera toda a energia que perdeu ao entrar no “supervazio”. Ao sair com menos energia do que entrou, a radiação tem o seu comprimento de onda aumentado, o que corresponde a uma “temperatura” mais fria nos dados sobre a CMB.

Devido ao tamanho deste “supervazio”, mesmo viajando à velocidade da luz, a radiação levaria milhões de anos para atravessá-lo, o que torna este efeito de “esticamento” da montanha – conhecido como Efeito Integrado Sachs-Wolfe – mensurável.

István Szapudi acredita que, embora a existência do “supervazio” e o seu efeito na CMB não expliquem totalmente a intensidade e a dimensão da anomalia do Ponto Frio cósmico, é pouco provável que o fato de estarem na mesma direção no céu seja uma mera coincidência.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Prada deixa de usar peles a partir de fevereiro de 2020

A marca italiana dirigida por Miuccia Prada anunciou o fim da utilização de peles de animais a partir do próximo ano. A coleção apresentada em fevereiro de 2020, correspondente ao outono-inverno 2020/21, será a primeira …

Líderes falam em abstenção e apelam ao voto. Está "um dia maravilhoso para votar"

Cerca de 10,7 milhões de eleitores vão eleger os 21 deputados ao Parlamento Europeu. À boca das urnas, foram vários os líderes políticos que exerceram o seu direito de voto apelando à participação dos portugueses. A …

Se o mundo vivesse como os portugueses os recursos naturais acabavam hoje

Os recursos naturais da Terra chegavam este domingo ao fim se todas as pessoas do planeta consumissem como os portugueses. Na União Europeia, a Estónia e a Dinamarca já esgotaram os recursos em março passado.  Os …

Mais 67 mil eleitores votaram até ao meio-dia, mas a percentagem de afluência caiu

Até ao meio-dia deste domingo, votaram quase mais 67.000 eleitores face às eleições para o Parlamento Europeu de 2014, apesar de a percentagem de afluência às urnas deste ano ser inferior às últimas eleições europeias. As …

Cientistas analisaram vómito de tubarão e descobriram algo inesperado

Um estudo divulgado na terça-feira revelou que o tubarão-tigre também se alimenta de pássaros terrestres, para surpresa dos cientistas. Os tubarões são bastante ecléticos no que toca a comia. As presas vão desde peixes a invertebrados, …

ADN reúne irmãos de países diferentes fruto de uma história de amor da 2ª Guerra Mundial

André Gantois, um francês de 73 anos que passou décadas a tentar descobrir quem era o seu pai, nunca imaginou que a busca chegaria ao fim graças a uma feliz e inesperada coincidência e que …

Foram encontrados ossos de crocodilo no deserto de Israel (mas ninguém sabe como foram lá parar)

Uma equipa de arqueólogos ficou perplexa ao encontrar ossos de crocodilo no deserto de Israel. A incrível descoberta foi feita por cientistas da Universidade de Haifa, na região de Neguev – uma área desértica no …

Empréstimo da CGD a Isabel dos Santos passou por Malta, um dos paraísos fiscais europeus

Uma investigação jornalística descobriu que Isabel dos Santos controlava 13 sociedades em Malta. Uma dessas sociedades serviu para fazer o negócio com a Caixa Geral de Depósitos para a entrada na ZON. Segundo o Expresso, a …

Sérgio Conceição recusou cumprimentar Frederico Varandas. "São formas de estar diferentes"

Sérgio Conceição recusou cumprimentar Frederico Varandas quando este lhe estendeu a mão na tribuna presidencial do Estádio do Jamor. O presidente do Sporting fala em "formas de estar diferentes". Depois de ter perdido a Taça de …

Mesa de voto encerrada com portões fechados a cadeado em Montalegre

Na Junta de Freguesia de Morgade, em Montalegre, a mesa de voto estava fechada esta manhã, com os portões encerrados a cadeado. José Nogueira, presidente da Junta local, disse ao Jornal de Notícias que "tudo indica" …