Cientistas japoneses tentam criar um novo elemento químico: o Umunénio

Uma equipa de cientistas japoneses embarcou recentemente num projeto tão fascinante quanto complexo: a procura pelo elemento 119 da tabela periódica.

Em 2016, a tabela criada pelo químico russo Dimitri Mendeléiev em 1869 ganhou quatro novos elementos: o 113 (nihônio), o 115 (moscóvio), o 117 (tennessino) e o 118 (oganessono).

Agora, o físico Hideto Enyo e sua equipa querem inaugurar a oitava fila da tabela com um metal chamado – até agora – ununénio (um, um e nove, em latim), que ninguém, até ao momento, conseguiu sintetizar, segundo a BBC.

Os elementos da tabela periódica são organizados pelo número de protões no núcleo do átomo de cada um, pela distribuição dos seus eletrões e pela recorrência das suas propriedades periódicas. Os elementos mais leves, como o hélio (2) e o lítio (3), formaram-se imediatamente após o Big Bang. O restante, a partir de uma fusão nuclear no coração das estrelas.

Os elementos que têm um número de protões superior a 26 têm uma origem mais duvidosa. E os que são mais pesados que o plutónio (94) não existem naturalmente na Terra e, por isso, têm que ser sintetizados em laboratório. Isso ocorre porque, com mais de 94 protões, o núcleo do elemento torna-se instável.

O plano dos cientistas japoneses é disparar feixes do metal vanádio, de 23 protões, contra um alvo de cúrio (96), um elemento criado artificialmente. A experiência deve acontecer num acelerador de partículas perto de Tóquio.

A fusão de ambos, criada a partir deste evento superexplosivo semelhante a um cataclisma cósmico, daria como resultado o novo elemento superpesado. Até aqui parece fácil: 23 + 96 = 119. Mas a conta está longe de ser simples.

As explosões necessárias para criar esse elemento são raras, e a colisão precisa de ter a quantidade de energia exata necessária para que a experiência funcione. Se não houver energia suficiente, os núcleos de ambos os elementos ricocheteiam, e a fusão não ocorre. Mas se a explosão for forte demais, o novo átomo desintegrar-se-á.

Por outro lado, há outras combinações de elementos possíveis para criar o ununénio, mas ainda não se sabe exatamente qual é a melhor.

Outra equipa de cientistas já tentou, sem sucesso, disparar um feixe de titânio (22) contra um alvo de berquélio (97). A soma dos seus números de protões também é 119, mas a experiência não funcionou.

Além disso, estas operações são caríssimas e, mesmo que tenham sucesso, conseguem criar um elemento que se mantém coeso por apenas milésimos de segundos. O estudo japonês ainda está em fase inicial, e pode demorar anos até obter resultados.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Estátua de diabo "alegre demais" divide moradores em Espanha

Uma estátua que representa o diabo foi criticada por ser "alegre demais" por moradores da cidade de Segóvia, em Espanha. A escultura de bronze, que ainda não foi instalada, foi criada em homenagem a uma lenda …

"Incapacidade e incompetência". Fenprof pede a Costa que substitua ministro da Educação

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) defendeu esta quarta-feira que o primeiro-ministro substitua o ministro da Educação, devido à sua "incapacidade e comprovada incompetência política" para dirigir as negociações de recuperação de tempo de serviço …

Bombeiros protestam contra a proposta do Governo

De acordo com o sindicato, a proposta do Governo "significa uma desvalorização enorme na carreira". Além disso, critica a ideia de haver uma carreira única de sapadores e municipais nivelada por baixo. Bombeiros municipais e sapadores …

Há uma parte da Antártida que está a encolher (mas não era suposto)

Quando os cientistas falam sobre o derretimento da Antártida, geralmente estão a referir-se à Antártida Ocidental, onde gigantescos glaciares costeiros estão a derramar grandes quantidades de água. Mas, do outro lado das montanhas transantárticas a leste, …

A cor dos olhos pode explicar porque é que as pessoas ficam tristes no inverno

Tempo mais frio e noites mais longas fazem algumas pessoas sentir-se tristes. A isso, dá-e o nome de Transtorno Afetivo Sazonal (TAS). Embora o TAS seja uma forma reconhecida de depressão clínica, os especialistas ainda estão …

Há vida pós-LHC. CERN planeia acelerador de partículas dez vezes mais potente

O futuro da Física de Partículas começa a ganhar forma. O CERN (Laboratório Europeu de Física de Partículas) detalhou esta terça-feira os seus planos para o novo acelerador de partículas que irá suceder o Grande …

DARPA quer construir robôs conscientes usando cérebros de insetos

A DARPA quer construir robôs conscientes usando cérebros de insetos, uma forma de criar novos modelos de inteligência artificial eficientes, que poderiam ser usados para explorar a própria consciência. Ao contrário dos humanos, os insetos operam …

Bombas de Wendell e Bruno Fernandes apuram Sporting para meias da Taça

Remates de Wendell e de Bruno Fernandes decidiram o jogo a favor da equipa 'leonina', que na próxima fase da competição defronta o Benfica, numa eliminatória disputada a duas mãos. Numa primeira parte marcada pelo domínio …

Romeo, a rã mais solitária do mundo, encontrou finalmente a sua Julieta

Romeo, que até então era considerado o último representante da sua espécie (Telmatobius yuracare), deixou de ser a rã "mais solitária do mundo" graças a uma equipa de cientistas que encontrou uma fêmea da mesma …

Stephen King salvou a secção de crítica literária de um jornal através do Twitter

Um jornal da terra natal de Stephen King lançou-lhe um desafio e o escritor norte-americano decidiu aceitar, conseguindo angariar os assinantes necessários para financiar a continuidade da secção de crítica literária. Um jornal local norte-americano viu-se …