Cientistas japoneses tentam criar um novo elemento químico: o Umunénio

Uma equipa de cientistas japoneses embarcou recentemente num projeto tão fascinante quanto complexo: a procura pelo elemento 119 da tabela periódica.

Em 2016, a tabela criada pelo químico russo Dimitri Mendeléiev em 1869 ganhou quatro novos elementos: o 113 (nihônio), o 115 (moscóvio), o 117 (tennessino) e o 118 (oganessono).

Agora, o físico Hideto Enyo e sua equipa querem inaugurar a oitava fila da tabela com um metal chamado – até agora – ununénio (um, um e nove, em latim), que ninguém, até ao momento, conseguiu sintetizar, segundo a BBC.

Os elementos da tabela periódica são organizados pelo número de protões no núcleo do átomo de cada um, pela distribuição dos seus eletrões e pela recorrência das suas propriedades periódicas. Os elementos mais leves, como o hélio (2) e o lítio (3), formaram-se imediatamente após o Big Bang. O restante, a partir de uma fusão nuclear no coração das estrelas.

Os elementos que têm um número de protões superior a 26 têm uma origem mais duvidosa. E os que são mais pesados que o plutónio (94) não existem naturalmente na Terra e, por isso, têm que ser sintetizados em laboratório. Isso ocorre porque, com mais de 94 protões, o núcleo do elemento torna-se instável.

O plano dos cientistas japoneses é disparar feixes do metal vanádio, de 23 protões, contra um alvo de cúrio (96), um elemento criado artificialmente. A experiência deve acontecer num acelerador de partículas perto de Tóquio.

A fusão de ambos, criada a partir deste evento superexplosivo semelhante a um cataclisma cósmico, daria como resultado o novo elemento superpesado. Até aqui parece fácil: 23 + 96 = 119. Mas a conta está longe de ser simples.

As explosões necessárias para criar esse elemento são raras, e a colisão precisa de ter a quantidade de energia exata necessária para que a experiência funcione. Se não houver energia suficiente, os núcleos de ambos os elementos ricocheteiam, e a fusão não ocorre. Mas se a explosão for forte demais, o novo átomo desintegrar-se-á.

Por outro lado, há outras combinações de elementos possíveis para criar o ununénio, mas ainda não se sabe exatamente qual é a melhor.

Outra equipa de cientistas já tentou, sem sucesso, disparar um feixe de titânio (22) contra um alvo de berquélio (97). A soma dos seus números de protões também é 119, mas a experiência não funcionou.

Além disso, estas operações são caríssimas e, mesmo que tenham sucesso, conseguem criar um elemento que se mantém coeso por apenas milésimos de segundos. O estudo japonês ainda está em fase inicial, e pode demorar anos até obter resultados.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Elon Musk alerta: Civilização pode colapsar daqui a 30 anos

De acordo com Elon Musk, uma "bomba populacional" vai surgir nas próximas décadas, quando uma população mundial cada vez mais idosa chocar com a queda das taxas de natalidade em todo o mundo. Esta não é …

O mundo árabe está menos religioso. Mas continua homofóbico

Há cada vez mais árabes que dizem não ter religião. Esta é a principal conclusão de uma grande sondagem feita a mais de 25 mil cidadãos de países árabes pelo centro de pesquisa Arab Network …

Tina morreu durante 27 minutos e foi ressuscitada 8 vezes. Quando acordou, escreveu "é real"

Uma mulher norte-americana entrou em paragem cardíaca em fevereiro de 2018 quando se preparava para fazer uma caminhada com o seu marido Brian. Depois de desmaiar, Brian ressuscitando-a duas vezes antes de os paramédicos chegarem para …

"Homem-árvore" pede que as suas mãos sejam amputadas

Abul Bajandar, um homem de 28 anos do Bangladesh conhecido como "Homem-árvore" devido às incomuns verrugas que nascem nos seus membros, pediu que as suas mãos fossem amputadas para aliviar as dores insuportáveis.  Bajandar sofre de …

EUA. Senadores republicanos do Oregon fogem para não aprovar lei ambiental

Senadores estaduais do Oregon, nos Estados Unidos (EUA), encontram-se a monte desde quinta-feira para não votarem uma lei ambiental. Procurados pela polícia, voltaram este domingo a faltar a uma sessão legislativa, impedindo que haja quórum …

O planeta enfrenta um "apartheid climático"

O planeta está confrontado com um “'apartheid' climático”. De um lado, os ricos que se podem adaptar melhor às alterações climáticas, e do outro, os pobres que vão sofrer mais, disse esta segunda-feira um especialista …

Governo repõe 40 horas semanais para trabalhadores do CNB. Greve mantém-se

A partir de 1 de julho, os trabalhadores da Companhia Nacional de Bailado (CNB) voltarão às 40 horas semanais, numa uniformização laboral com os trabalhadores do Teatro Nacional de São Carlos. A decisão foi comunicada, esta …

Nova espécie de planta fóssil descoberta em Gondomar

Annularia noronhai foi encontrada no meio da cidade de Gondomar. Tem 300 milhões de anos, é um parente muito afastado da cavalinha e diz muito sobre o clima da época. Uma nova espécie de planta já …

Há um ano, 12 jovens ficaram presos numa caverna da Tailândia. Hoje, é um local turístico

Há um ano, 11 meninos foram explorar a província de Chiang Rai, na Tailândia, com o seu treinador de futebol, e acabaram presos no fundo de uma caverna sob uma montanha. Depois de terminar o …

Alemães compraram toda a cerveja de Ostritz para "secar" neonazis

Os habitantes de Ostritz, na Alemanha, impediram os participantes de um festival neonazi de beber álcool, esvaziando todas as prateleiras dos supermercados. Num protesto inédito contra a comemoração do aniversário de Hitler naquela localidade, os habitantes  …