Cientistas alertam: A difteria pode tornar-se uma “ameaça global à saúde” novamente

Uma equipa internacional de investigadores do Reino Unido e da Índia alertou que a difteria – uma infeção de prevenção relativamente fácil – está a evoluir para se tornar resistente a uma série de classes de antibióticos e, no futuro, pode conseguir escapar à vacina.

A equipa de cientistas, liderada por investigadores da Universidade de Cambridge, defende que o impacto da covid-19 nos esquemas de vacinação contra a difteria, juntamente com um aumento no número de infeções, está a colocar a doença em risco de se tornar novamente uma grande ameaça global.

A difteria é uma infeção altamente contagiosa que pode afetar o nariz e a garganta e, às vezes, a pele. Se não for tratada, pode ser fatal.

Causada principalmente pela bactéria Corynebacterium diphtheriae, é transmitida principalmente por tosse e espirros ou pelo contacto próximo com alguém infetado.

Na maioria dos casos, a bactéria causa infeções agudas, impulsionadas pela toxina da difteria – o principal alvo da vacina. No entanto, a C. diphtheria não toxigénica também pode causar doenças, geralmente na forma de infeções sistémicas.

Os sintomas começam a manifestar-se de forma gradual, começando com inflamação da garganta e febre. Em casos graves, desenvolve-se na garganta uma membrana característica branca ou cinzenta, que está na origem da tosse e que pode impedir a passagem de ar. O pescoço também pode ficar inchado devido ao aumento de volume dos gânglios linfáticos.

No Reino Unido e noutros países com altos rendimentos, os bebés são vacinados contra a infeção. No entanto, em países mais pobres, a doença ainda pode causar infeções esporádicas ou surtos em comunidades não vacinadas ou parcialmente vacinadas.

O número de casos de difteria notificados globalmente tem aumentado gradualmente. Em 2018, havia 16.651 casos notificados, mais do dobro da média anual para 1996-2017 (8.105 casos).

A equipa internacional de cientistas usou o genoma para mapear infeções, incluindo um subconjunto da Índia, onde ocorreram mais da metade dos casos relatados em 2018.

Ao analisar os genomas de 61 bactérias isoladas de pacientes e ao combiná-los com 441 genomas disponíveis publicamente, os investigadores construiram uma árvore filogenética – uma “árvore genealógica” genética – para ver como as infeções estão relacionadas e entender como se espalham.

Além disso, usaram as informações para avaliar a presença de genes de resistência antimicrobiana (AMR) e avaliar a variação da toxina. 

Os cientistas encontraram, então, aglomerados de bactérias geneticamente semelhantes isoladas de vários continentes, geralmente na Ásia e na Europa. Isso indica que C. diphtheriae foi estabelecido na população humana durante, pelo menos, mais de um século, espalhando-se por todo o mundo à medida que as populações migraram.

O principal componente causador de doenças de C. diphtheriae é a toxina da difteria, que é codificada pelo gene TOX. É esse componente o alvo das vacinas. No total, os investigadores encontraram 18 variantes diferentes do gene TOX, das quais várias tinham o potencial de alterar a estrutura da toxina

Microrao

Corynebacterium diphtheriae

“A vacina contra a difteria é projetada para neutralizar a toxina, portanto, quaisquer variantes genéticas que alterem a estrutura da toxina podem ter um impacto sobre a eficácia da vacina. Embora os nossos dados não sugiram que a vacina usada atualmente será ineficaz, o facto de estarmos a ver uma diversidade cada vez maior de variantes de toxidade sugere que a vacina e os tratamentos que visam a toxina precisam de ser avaliados regularmente”, alertou Gordon Dougan, do Instituto de Imunologia Terapêutica e Doenças Infeciosas de Cambridge (CITIID), em comunicado.

As infeções por difteria podem ser tratadas com várias classes de antibióticos, embora já tenha sido relatada C. diphtheriae resistente a antibióticos. A extensão dessa resistência permanece amplamente desconhecida.

Quando a equipa procurou genes que pudessem conferir algum grau de resistência aos antibióticos, descobriu que o número médio de genes AMR (resistência antibiótica) por genoma aumentava a cada década.

Os genomas de bactérias isoladas de infeções na década mais recente (2010-19) mostraram o maior número médio de genes AMR por genoma, quase quatro vezes mais em média do que na década anterior (1990).

“O genoma de C. diphtheriae é complexo e incrivelmente diverso. Está a adquirir resistência a antibióticos que nem são usados ​​clinicamente no tratamento da difteria. Deve haver outros fatores em jogo, como infeção assintomática e exposição a uma infinidade de antibióticos destinados ao tratamento de outras doenças”, explicou Robert Will, estudante de doutoramento no CITIID.

Eritromicina e penicilina são os antibióticos tradicionalmente recomendados para o tratamento de casos confirmados de difteria em estágio inicial, embora existam várias classes diferentes de antibióticos disponíveis para tratar a infeção.

A equipa identificou variantes resistentes a seis dessas classes na década de 2010, maior do que em qualquer outra década.

Os cientistas consideram que a covid-19 teve um impacto negativo nos calendários de vacinação infantil em todo o mundo e chegou num momento em que o número de casos relatados está a aumentar, sendo 2018 o ano que apresentou a maior incidência nos últimos 22 anos.

“É mais importante do que nunca que entendamos como a difteria está a evoluir e a espalhar-se. O sequenciamento do genoma dá-nos uma ferramenta poderosa para observar isto em tempo real, permitindo que as agências de saúde pública ajam antes que seja tarde demais”, disse Ankur Mutreja, do CITIID.

“Corremos o risco de [a difteria] se tornar uma grande ameaça global novamente, potencialmente numa forma modificada e melhor adaptada”, acrescentou.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Nature Communications.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Festa leonina, OE e política. Marcelo poupa Cabrita, mas não põe de lado uma remodelação

Em entrevista à RTP, a primeira deste mandato, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, poupou Cabrita, culpou os adeptos pelo que se passou nos festejos do Sporting, sublinhou que acredita que o Orçamento …

Governo prometeu a Bruxelas reforma de serviços do Estado. Sindicatos não sabiam

O Governo prometeu a Bruxelas arrancar com uma “reforma funcional e orgânica da administração pública (AP)” sob pena de não receber os cheques da bazuca europeia. “A reforma iniciar-se-á no segundo trimestre de 2021, com a …

Implante neural permite que pessoas paralisadas escrevam. Basta imaginar as letras

Pela primeira vez, uma equipa de investigadores descodificou os sinais neurais associados à escrita de letras e, em seguida, exibiu versões digitadas dessas letras em tempo real. Quando uma lesão ou doença priva uma pessoa da …

Presidente do PSD Oeiras demite-se depois de Rio rejeitar apoiar Isaltino Morais

O presidente da Comissão Política do PSD de Oeiras, estrutura que declarou apoio à candidatura do independente Isaltino Morais à liderança do município, demitiu-se, conforme anunciou esta quinta-feira o próprio, depois de a Comissão Política …

Revolta nas Forças Armadas. Ramalho Eanes entre os 28 ex-chefes militares contra reforma Cravinho

Vinte e oito ex-chefes de Estado-Maior dos três ramos, incluindo o general Ramalho Eanes, assinaram uma carta a contestar o processo da reforma das Forças Armadas em curso e apelaram a um debate alargado à …

Israel reforça presença militar na fronteira com Gaza. "Última palavra ainda não foi dita"

O Exército israelita tinha anunciado, esta quinta-feira à noite, que os seus soldados tinham entrado na Faixa de Gaza. Depois veio negar essa informação, atribuindo a confusão a um problema de "comunicação interna". Na noite desta …

Carta de 1949 revela que Einstein já suspeitava do "super sentido" dos pássaros

Muitas décadas antes de sabermos que alguns animais têm "super sentidos", como é o caso dos pássaros, já o Nobel da Física discutia esse assunto com outros investigadores. Embora não se conheça o conteúdo da primeira …

Ferro empossa comissão de revisão constitucional por três meses. Iniciativa Liberal retira projeto

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, deu esta quinta-feira posse à comissão de revisão constitucional por três meses (90 dias), desejando “votos de muito bom trabalho”, na sala do Senado do Palácio de …

Serena Williams: "A prioridade é a minha filha, não os Jogos Olímpicos"

Recordista do ténis feminino deixa a entender de que não vai a Tóquio. Naomi Osaka coloca dúvidas à volta do próprio evento. "Sou atleta e, por isso, é claro que o meu pensamento imediato é: quero …

A Cidade do México está a afundar a um ritmo incontrolável

Um novo estudo mostra que a Cidade do México, a metrópole mais populosa da América do Norte, afundou tanto que será impossível salvá-la. Depois de séculos de drenagem dos aquíferos subterrâneos, o leito do lago no …