Cientistas descobrem gene que pode estar na origem do lúpus

Cientistas consideram que a descoberta pôs fim a uma odisseia diagnóstica e traz esperança de terapias mais direcionadas.

Através da sequência genómica completa do ADN de uma criança com lúpus, uma equipa de cientistas conseguiu descobrir uma mutação genética suspeita que os levou a realizar experiências em ratos para confirmar se a mutação em causa motiva efetivamente lúpus, uma doença auto-imune, abrindo caminho para o desenvolvimento de novos tratamentos.

O lúpus é uma doença auto-imune crónica que causa inflamação nas articulações e órgãos, afeta o movimento, a pele e causa fadiga. Os sintomas podem ser, em alguns casos, extremamente debilitantes e as consequências podem ser mortais. Atualmente, não existe cura para a doença, que afeta cerca de 50.000 pessoas no Reino Unido. Os tratamentos disponibilizados são predominantemente imuno-supressores, que atuam suprimindo o sistema imunitário para melhorar os sintomas.

No seu estudo, publicado na revista Nature 2022, os cientistas descrevem a realização de uma sequência genómica completa no ADN de uma criança espanhola chamada Gabriela, a quem foi diagnosticado lúpus grave quando tinha 7 anos de idade. Este foi considerado um caso grave, sendo que o início de sintomas numa fase tão precoce dos sintomas é raro e indica uma única causa genética.

Na análise genética, realizada no Centro de Imunologia Personalizada da Universidade Nacional Australiana, os investigadores encontraram uma mutação de ponto único no gene TLR7. Através de referências dos EUA e do Centro de Imunologia Personalizada da China Austrália (CACPI), foi também possível identificar outros casos de lúpus grave em que este gene também sofreu mutação.

Para confirmar que a mutação causa lúpus, a equipa utilizou a edição do gene CRISPR para o introduzir em ratos. Estes ratos continuaram a desenvolver a doença e mostraram sintomas semelhantes, fornecendo provas de que a mutação TLR7 foi efetivamente a causa. O modelo do rato e a mutação foram ambos nomeados ‘kika’ por Gabriela, a jovem rapariga que foi o centro do estudo.

Carola Vinuesa, autora e investigadora principal do Centre for Personalised Immunology na Austrália, co-directora do CACPI, e agora líder do grupo descreveu: “Tem sido um enorme desafio encontrar tratamentos eficazes para o lúpus. Os imunossupressores atualmente utilizados podem ter efeitos secundários graves e deixar os doentes mais suscetíveis à infeção. Houve apenas um único tratamento novo aprovado pela FDA nos últimos 60 anos.”

“É a primeira vez que se demonstra que uma mutação TLR7 causa lúpus, fornecendo provas claras de uma forma que esta doença pode surgir”, apontou.

Nan Shen, co-director do CACPI acrescentou: “Embora possa ser apenas um pequeno número de pessoas com lúpus que têm variantes na mutação TLR7, sabemos que muitos pacientes têm sinais de sobreatividade no percurso do TLR7. Ao confirmar uma ligação causal entre a mutação genética e a doença, podemos começar a procurar tratamentos mais eficazes”.

De acordo com o Scotech Daily, a mutação identificada pelos investigadores faz com que a proteína TLR7 se ligue mais facilmente a um componente do ácido nucleico chamado guanosina e se torne mais ativa. Isto aumenta a sensibilidade da célula imunitária, tornando-a mais susceptível de identificar incorretamente tecido saudável como estranho ou danificado e ordenar um ataque contra ele.

Curiosamente, outros estudos têm demonstrado que as mutações que levam a mutação TLR7 a tornar-se menos ativa estão associadas a alguns casos de infecção grave por COVID-19, destacando o delicado equilíbrio de um sistema imunitário saudável.

O trabalho pode também ajudar a explicar porque é que o lúpus é cerca de 10 vezes mais frequente nas mulheres do que nos homens. Como o TLR7 se situa no cromossoma X, as mulheres têm duas cópias do gene enquanto os homens têm uma. Normalmente, nas mulheres, um dos cromossomas X está inativo, mas nesta secção do cromossoma, o silenciamento da segunda cópia está muitas vezes incompleto. Isto significa que as mulheres com uma mutação neste gene podem ter duas cópias funcionais.

Carmen de Lucas Collantes, uma das autoras do estudo sugere que “a identificação de TLR7 como a causa do lúpus neste caso invulgarmente grave pôs fim a uma odisseia diagnóstica e traz esperança de terapias mais direcionadas”. Os investigadores estão agora a trabalhar com empresas farmacêuticas para explorar o desenvolvimento ou a reorientação de tratamentos existentes, que visam o gene TLR7. Esperam que a focalização neste gene possa também ajudar os doentes com doenças relacionadas.

“Existem outras doenças auto-imunes sistémicas, como a artrite reumatóide e a dermatomiosite, que se enquadram na mesma ampla família que o lúpus. O TLR7 pode também desempenhar um papel nestas condições”, acrescentou Carola Vinuesa.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.