Cientistas criam máquina que gera eletricidade a partir do ar

(dv) Justin Raymond

ressonador térmico

Um grupo de cientistas desenvolveu um dispositivo chamado “ressonador térmico”, que pode extrair a eletricidade a partir do ar, aproveitando as mudanças graduais de temperatura que ocorrem naturalmente ao longo do dia.

Um artigo sobre a pesquisa, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA, foi publicado a semana passada na revista científica Nature Communications.

A ideia não é nova. Os cientistas procuram formas de aproveitar as flutuações de temperatura como fonte de energia há anos. A maioria dos dispositivos desse tipo funciona com base no princípio termoelétrico, o que significa que geram eletricidade ao aproveitar as diferenças de temperatura entre os dois lados de um material.

Por outras palavras, à medida que o calor viaja do lado mais quente de um material para o lado mais frio, é criada uma diferença de tensão, o que, por sua vez, gera eletricidade.

No entanto, até hoje, todas as aplicações alcançadas dependiam de uma diferença de temperatura bastante significativa. A vantagem do novo estudo é que pode ser utilizado com flutuações mais graduais durante longos períodos de tempo, permitindo que funcione com as mudanças naturais de temperatura ao longo do dia.

O componente ativo do ressonador térmico é uma espuma composta de cobre ou níquel e infundida com uma cera, conhecida como octadecano, que se liquidifica e solidifica a certas temperaturas.

A mistura espumosa é revestida por uma camada de grafeno, um excelente condutor térmico. No total, esta combinação específica de materiais dá ao dispositivo uma efusividade térmica muito alta, o que significa que pode efetivamente absorver o calor à sua volta, bem como libertá-lo.

Essencialmente, o calor é capturado num lado do dispositivo e irradiado lentamente através do material para o outro lado. Uma vez que um lado é sempre mais frio que o outro, o calor continua em movimento enquanto tenta estabelecer um equilíbrio, e é armazenado na cera no meio do dispositivo, um material de mudança de fase. Essa energia pode então ser recolhida usando sistemas termoelétricos regulares.

“Basicamente inventamos o conceito. Construímos o primeiro ressonador térmico. É algo que cabe numa mesa e pode gerar energia do ‘nada’. Estamos rodeados por flutuações de temperatura de todas as frequências diferentes. É uma fonte de energia inexplorada“, disse um dos autores do estudo, Michael Strano.

Os cientistas testaram o dispositivo durante 16 dias. Nesse tempo, a temperatura variou até 10 graus Celsius por dia, e o sistema conseguiu explorar isso para gerar 350 milivolts de potencial elétrico e 1,3 miliwatts de potência.

Apesar de esses resultados poderem parecer relativamente modestos, os investigadores dizem que o sistema seria suficiente para executar sensores e equipamentos remotos de baixa potência, sem precisar de baterias.

E, uma vez que utiliza as flutuações da temperatura ambiente, não está à mercê dos elementos como a energia solar ou eólica.

Essa vantagem pode ser fundamental. Ser capaz de operar quando os outros geradores não conseguem torna o ressonador térmico parte importante de uma rede de energia. Quantas mais fontes estiverem disponíveis nesta rede, melhor, porque as condições não são sempre adequadas.

PARTILHAR

RESPONDER

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …

Putin avisa que quem ameaçar a Rússia "se irá arrepender como nunca"

O presidente Vladimir Putin emitiu um alerta durante o seu discurso anual ao Governo. O líder frisou que qualquer membro da comunidade internacional que ameace a Rússia "se irá arrepender como nunca se arrependeu antes". O …

Nove anos depois, Bruxelas deixa de monitorizar atividade da CGD

A Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia (DG Comp) encerrou o processo de monitorização do plano estratégico da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "A Caixa Geral de Depósitos, S.A. (CGD) informa que recebeu comunicação da Direção …

Se não fosse o vídeo de Darnella Frazier, "Derek Chauvin ainda seria polícia"

Darnella Frazier, na altura com 17 anos, foi a responsável pelo vídeo que mostra o ex-agente da polícia Derek Chauvin a prender o afro-americano George Floyd, que acabou por não resistir. Esta terça-feira foi um dia …