Ciberataque pode causar destruição comparável a uma arma nuclear

Pessoas um pouco por todo o mundo podem estar preocupadas com o aumento das tensões nucleares, mas talvez lhes esteja a passar ao lado que um grande ataque informático poderia ser tão ou mais prejudicial.

Com os EUA e a Rússia a suspenderem um importante tratado nuclear, mais as tensões do Irão e da Coreia do Norte com o lançamento de mísseis, a ameaça global à civilização é elevada. Alguns temem mesmo uma nova corrida ao armamento nuclear.

A ameaça é séria — mas outra pode ser tão séria e menos visível para o público. Até agora, a maioria dos incidentes de hackers bem conhecidos, mesmo aqueles com apoio do governo estrangeiro, fizeram pouco mais do que roubar dados. No entanto, há sinais de que hackers colocaram softwares maliciosos dentro dos sistemas de energia e água dos EUA, onde estão à espera, prontos para serem acionados. Os militares dos EUA também invadiram os computadores que controlam os sistemas elétricos russos.

Jeremy Straub, professor de ciências computacionais na North Dakota State University mostra-se preocupado com um possível ataque cibernético com impacto generalizado que possa causar danos significativos, incluindo ferimentos em massa e um número de mortos semelhante ao causado por uma arma nuclear.

Ao contrário de uma arma nuclear, que mataria quase todos num raio de 800 metros, o número de mortos na maioria dos ataques cibernéticos seria mais lento. As pessoas podem morrer por falta de comida, energia ou gás para aquecimento, ou de acidentes de carro resultantes de um sistema de semáforos corrompido.

Isso pode soar alarmista, mas a situação não é tão descabida quanto isso. No início de 2016, hackers assumiram o controlo de uma usina de tratamento de água potável nos EUA e mudaram a mistura química usada para purificar a água. Se mudanças tivessem sido feitas — e passassem despercebidas — poderia levar a envenenamentos e à falta de água.

Em 2016 e 2017, hackers fecharam as principais secções da rede elétrica na Ucrânia. Este ataque foi mais suave do que poderia ter sido, já que nenhum equipamento foi destruído durante a operação, apesar de ser possível fazê-lo. Funcionários acham que foi apenas para enviar uma mensagem.

Em 2018, cibercriminosos desconhecidos obtiveram acesso a todo o sistema de eletricidade do Reino Unido; em 2019, uma incursão similar pode ter penetrado nos EUA.

A preocupação não é minimizar os efeitos devastadores e imediatos de um ataque nuclear. Em vez disso, é importante realçar que algumas das proteções internacionais contra conflitos nucleares não existem para ataques informáticos.

Os hackers têm menos inibições. Por um lado, é muito mais fácil disfarçar a fonte de uma incursão digital do que esconder onde um míssil foi lançado. Além disso, a guerra cibernética pode começar em pequena escala, visando até mesmo um único telefone ou portátil. Ataques maiores podem ter como alvo empresas, bancos ou hotéis, ou uma agência governamental.

Ciberataques ao nível nuclear

Existem três cenários básicos de como um ataque informático ao nível nuclear se pode desenvolver. Poderia começar modestamente, com o serviço de inteligência de um país a roubar, eliminar ou comprometer os dados militares de outra nação. As sucessivas rodadas de retaliação poderiam ampliar o escopo dos ataques e a gravidade dos danos.

Noutra situação, um país ou uma organização terrorista poderia desencadear um ciberataque maciçamente destrutivo — visando várias concessionárias de eletricidade, instalações de tratamento de água ou plantas industriais.

No entanto, talvez a possibilidade mais preocupante seja que isso possa acontecer por engano. Em várias ocasiões, os erros humanos e mecânicos quase destruíram o mundo durante a Guerra Fria.

Assim como não há como proteger completamente contra um ataque nuclear, existem apenas maneiras de tornar os ataques informáticos devastadores menos prováveis.

A primeira é que os governos, as empresas e as pessoas precisam de proteger os seus sistemas para impedir que invasores externos consigam entrar e, em seguida, explorar as suas conexões e acesso para escavar mais fundo.

Sistemas como serviços públicos, empresas de transportes e empresas que usam produtos químicos perigosos, precisam de ser muito mais seguras. Uma análise descobriu que apenas um quinto das empresas que usam computadores para controlar máquinas industriais nos EUA vigia os seus equipamentos para detetar possíveis ataques.

Além disso, em 40% dos ataques eles capturaram, o intruso estava a aceder ao sistema há mais de um ano. Outra investigação constatou que quase três quartos das empresas de energia vivenciaram algum tipo de invasão de rede no ano passado.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Crianças e adolescentes são quem mais consome açúcar em Portugal

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que teve por base o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, concluiu que as crianças e os adolescentes são quem mais consome …

A Rússia já sabe como apareceu a fissura na nave Soyuz (mas não revela)

A Corporação Espacial Estatal da Rússia, Roscosmos, já sabe qual é a origem da fissura encontrada há um ano na nave Soyuz MS-09, acoplada à Estação Espacial internacional. Mas não revelará mais informações. "O buraco foi …

SIVRAC, a bicicleta elétrica que se dobra em apenas um segundo

Com um quadro em forma de "X" e dobrável num estalar de dedos, a nova SIVRAC promete ser uma solução prática para quem viaja, por exemplo, de bicicleta para o trabalho. A bicicleta é um …

Porto 2-1 Young Boys | Dragão de duas faces com estreia feliz

O FC Porto entrou na Liga Europa com o pé direito, ao vencer o Young Boys por 2-1, no Estádio do Dragão. Uma primeira parte de enorme qualidade, na qual os suíços só por uma …

Dois turistas foram apanhados a nadar nus em Veneza. Vão pagar 3 mil euros cada um

Os homens checos estavam em Itália para apoiar a sua equipa de futebol - o Slavia de Praga que jogou contra o Inter em Milão -. Os dois visitantes, em Veneza, decidiram dar um mergulho. Um …

Voar sobre as águas do Sena. Paris testa "bolha do mar", um barco-táxi amigo do ambiente

Paris está a testar um novo meio de transporte mais amigo do ambiente: um barco-táxi ecológico que desliza nas águas do rio Sena. Esta semana, o sea bubble (bolha do mar) está em testes no rio …

Há uma "Matilde" na Bélgica que também precisa do medicamento mais caro do mundo

Mais de 950 mil belgas responderam ao apelo de um casal, que precisava de reunir 1,9 milhões de euros para comprar o medicamento mais caro do mundo para a filha. Pia, de nove meses, sofre de …

System of a Down confirmados no festival VOA, no Estádio Nacional

Os System of a Down são a primeira grande confirmação do VOA - Heavy Rock Festival, que em 2020 se realiza a 2 e 3 de julho no Estádio Nacional. De acordo com a Blitz, este …

PSV 3-2 Sporting | “Leão” vendeu cara uma derrota injusta

O Sporting iniciou a sua participação na fase de grupos da Liga Europa com uma derrota amarga na Holanda, na visita ao PSV, por 3-2. Seis minutos fatais na primeira parte deixaram os “leões” em desvantagem …

Políticos da Coreia do Sul estão a rapar o cabelo (e já se sabe porquê)

Políticos da oposição na Coreia do Sul estão a rapar o cabelo em protesto contra a nomeação de um ministro da Justiça cuja família está a ser investigada por suspeita de irregularidade. O vice-presidente do parlamento, …