China pode estar a extrair órgãos de reclusos condenados à morte e a identificar essas doações como voluntárias

Investigadores do Canadá descobriram que a China pode estar a usar uma equação para produzir informação falsa sobre doação de órgãos. Essa descoberta foi feita através de uma técnica forense que rastreia padrões suspeitos em conjuntos de dados estatísticos.

Esta nova pesquisa, publicada recentemente na BMC Medical Ethics, está a levantar preocupações. Segundo o estudo, a China continua a colher órgãos de reclusos executados, apesar das garantias do país em contrário, noticiou o Gizmodo. Algumas dessas pessoas foram presas devido às suas crenças políticas ou religiosas.

A equipa responsável ​​pela pesquisa, liderada pelo investigador Matthew Robertson, da Universidade Nacional Australiana, chegou a essa conclusão depois de analisar profundamente estatísticas dos recentes conjuntos de dados de hospitais chineses referentes a doações e transplantes de órgãos. Para tal, usaram uma técnica conhecida como estatística forense para sinalizar dados anómalos ou duvidosos.

“Esta é uma evidência altamente sugestiva de fabricação e manipulação de dados que só poderia ter sido feita por intervenção humana”, disse Matthew Robertson num comunicado. “Os padrões que observamos nos dados só podem ser explicados de maneira plausível pela falsificação de números oficiais de transplante de órgãos”.

Em 2010, o governo chinês declarou que mudaria a forma de adquirir órgãos e, desde então, está a promover um programa de doação voluntária (no final dos anos 2000, mais de 65% dos órgãos foram obtidos com a morte de reclusos).

As autoridades chinesas alegaram que, a partir de janeiro de 2015, a fonte exclusiva de órgãos doados viria do hospital, e não das prisões. Ou seja, de pacientes que morreram por causas naturais. Este novo estudo foi um esforço para corroborar esse compromisso.

Os investigadores analisaram os dados de doação voluntária de órgãos de 2010 a 2018, fornecidos pelo Sistema de Resposta a Transplantes de Órgãos da China e pela Sociedade da Cruz Vermelha da China, responsáveis por verificar e testemunhar as doações.

Os pesquisadores procuraram sinais de manipulação, como dados produzidos por simples fórmulas matemáticas, proporções arbitrárias, artefatos de dados estranhos e outros sinais de produção inadequada de dados.

Os dados do Sistema de Resposta a Transplantes de Órgãos da China correspondiam “quase perfeitamente a uma fórmula matemática”, escreveram os autores no estudo, algo que foi posteriormente confirmado como consistente com os resultados de uma simples equação quadrática. O mesmo se aplica aos dados da Cruz Vermelha.

No total, foram encontrados “dados contraditórios, pouco plausíveis ou anómalos” em cinco conjuntos de dados, o que provavelmente foi feito para “garantir a conformidade com as cotas centrais”, sugeriu o artigo.

“A nossa pesquisa mostra que os números de doações de órgãos relatados em Pequim não se comparam e há evidências altamente convincentes de que estes estão a ser falsificados”, referiu Matthew Robertson no comunicado.

“Quando examinamos de perto o número de órgãos coletados, estes quase coincidiam com essa equação artificial, ano após ano. É demasiado bom para ser verdade. Esses números não parecem ser dados reais de doações reais. São números gerados por uma equação. É difícil imaginar que esse modelo possa ter sido alcançado por mero acaso”, explicou.

Esses resultados foram verificados pelo especialista em estatística David Spiegelhalter, ex-presidente da Royal Statistical Society no Reino Unido. Na sua opinião, o “acordo próximo” dos números com uma equação “é notável”.

Outras falhas reveladas no estudo incluíram proporções demasiado altas de transplantes por doador, incompatibilidade nos conjuntos de dados idênticos e a classificação incorreta de doadores voluntários.

Os cientistas suspeitam que exista um sistema na China em que os órgãos sejam obtidos por meio de voluntários, mas também por outros canais, como a remoção forçada de órgãos de reclusos que se encontram no corredor da morte. Os dados falsificados sugerem que a China está a tentar disfarçar esse facto.

“As evidências disponíveis indicam que a China tem um complexo programa de transplante híbrido: doações voluntárias – incentivadas por grandes pagamentos em dinheiro – e doadores não-voluntários, que são referidos como voluntários”, escreveram.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Deus bebé indiano vence caso em tribunal e reinvindica território sagrado

O Supremo Tribunal Indiano declarou Ram Lalla Virajman, um deus bebé, como o legítimo proprietário de Ayodhya, uma terra no norte da Índia considerada sagrada por muçulmanos e hindus. O tribunal decidiu que o Governo …

China usa comités partidários para manipular empresas estrangeiras

Em outubro, quando a Liga Norte-Americana de Basquetebol (NBA) tentou voltar atrás no apoio aos protestos em Hong Kong, foi criticada por se submeter ao regime autoritário da China. Mas são cada vez mais as …

Ângelo Rodrigues, Flamengo e Tinder. Os temas mais procurados pelos portugueses no Google

Ângelo Rodrigues, Flamengo, como saber onde votar, como funciona o Tinder e "Game of Thrones" estão entre os tópicos que os utilizadores portugueses do Google mais pesquisaram ao longo de 2019. Os dados são divulgados …

Apple lança o computador mais caro da sua história. Pode custar 50 mil euros

A Apple lançou, esta terça-feira, o novo Mac Pro, o computador mais potente e mais caro da história da empresa norte-americana. Nos Estados Unidos, o preço do novo Mac Pro, apresentado esta terça-feira, começa nos 5.999 dólares, …

Estes peixes podem criar espécies totalmente novas quando acasalam

https://vimeo.com/378837289 Ao escolher os parceiros errados, as fêmeas dos ciclídeos alimentam o desenvolvimento de novas espécies. Esta é uma das razões pela qual estes peixes são tão diversos. De acordo com o Science Alert, o novo estudo, …

Carlos Vinícius eleito o melhor avançado da I Liga

Carlos Vinícius foi considerado o melhor avançado da Liga NOS nos meses de outubro e novembro, anunciou a Liga Portugal esta quarta-feira. O ponta de lança brasileiro do Benfica, de 24 anos, venceu a votação levada …

Ex-agente dos serviços secretos britânicos teve relação "pessoal" com Ivanka Trump

O ex-agente dos serviços secretos britânicos (MI6) Christopher Steele teve uma relação "pessoal" com Ivanka Trump, filha do Presidente dos Estados Unidos (EUA). A revelação foi feita na segunda-feira, após a divulgação de um relatório do …

Sobe para 16 o número de mortos na erupção do vulcão Whakaari na Nova Zelândia

O número de mortos na erupção do vulcão na Nova Zelândia subiu para 16. Esta quarta-feira, o vulcão Whakaari libertou mais vapor e lama, o que levou as autoridades a adiar os planos para …

Primeiro avião comercial totalmente elétrico fez o seu primeiro voo no Canadá

Um hidroavião totalmente elétrico, desenvolvido pela Harbour Air e magniX, levantou voo, esta terça-feira, em Vancouver, no Canadá. Segundo a BBC, foi um pequeno teste, de apenas 15 minutos, mas que, para as empresas envolvidas no projeto, …

PAN quer alargar ecotaxa

O PAN quer alargar a ecotaxa a bens que são descartados no lixo indiferenciado - como cápsulas de café, roupa, cigarros e até colchões. Atualmente, a ecotaxa é aplicada a resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos, …