China promete “igualdade de tratamento” para as empresas europeias

World Economic Forum / Flickr

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, assegurou que Pequim vai deixar de obrigar as empresas estrangeiras a partilhar ‘know-how’ quando operam no seu mercado e mostrou-se disposto a discutir novas regras de comércio sobre subsídios à indústria.

A promessa de Li Keqiang marca uma mudança nas relações entre os dois gigantes comerciais e é o resultado mais concreto da 21.ª cimeira UE-China, que se realizou em Bruxelas. Em sentido contrário, o governante chinês apelou para que os europeus não discriminem as empresas do seu país que operam no mercado do 5G, avançou na segunda-feira o Diário de Notícias.

“As empresas europeias vão ter igualdade de tratamento”, o que inclui a criação de um organismo de resolução de litígios, anunciou Li Keqiang na conferência de imprensa que se realizou após a cimeira de três horas em Bruxelas.

Por outro lado, sublinhou que as empresas chinesas “não podem ser discriminadas” nos mercados europeus, em especial nas infraestruturas de quinta geração móvel (5G). “É importante tratar as empresas tecnológicas de forma equitativa. As empresas chinesas não podem ser discriminadas na sua atividade na UE, devem beneficiar de presunção de inocência”, afirmou.

Os Estados Unidos (EUA) advertiram que a Huawei faz espionagem para o Estado chinês e, em consequência, países como a Austrália e a Nova Zelândia baniram aquela empresa.

Em resposta, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que a questão da Huawei não foi abordada “especificamente” na cimeira. “A UE não está a apontar o dedo a empresas específicas ou a determinados países” na questão do 5G. “Somos um mercado aberto e todos podem operar, desde que respeitem as regras”, disse.

Recordando as recomendações sobre as redes 5G feitas por Bruxelas aos Estados-membros, no final de março, nas quais pediam uma avaliação dos riscos cibernéticos que lhes permitisse excluir dos seus mercados empresas “por razões de segurança nacional”, Jean-Claude Juncker insistiu que as medidas em causa “não são contra a China”. “Já tornámos isso claro”, frisou.

Na declaração conjunta, reconheceram a responsabilidade de dar o exemplo para uma economia global aberta e baseada em regras multilaterais, em contraste com a política dos EUA de Donald Trump, que iniciou uma guerra comercial com a China.

A dias da reunião a perspetiva era a de não haver declaração conjunta, devido a uma nova visão estratégica europeia sobre as relações com a China, lê-se no Diário de Notícias.

A anuência da China a um comunicado de sete páginas seguiu-se a meses de intensa diplomacia europeia e em especial nos 10 dias anteriores à cimeira, tendo como pano de fundo as negociações comerciais dos EUA com a China e o que o presidente francês Emmanuel Macron chamou de “fim da ingenuidade” sobre o poder chinês.

A UE queria uma declaração conjunta com significado político e em que ficasse reconhecido o respeito pelos direitos humanos. Bruxelas procurou responder às preocupações crescentes sobre as empresas estatais chinesas e a sua aquisição de infraestruturas e ativos europeus. A declaração conjunta teve a anuência do primeiro-ministro chinês durante a viagem para Bruxelas.

O documento estabelece que a UE e a China vão cooperar na reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC) e intensificar as discussões sobre os subsídios à indústria. Como “país em vias de desenvolvimento”, a China beneficia das regras da OMC.

Πρωθυπουργός της Ελλάδας

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk

“É um avanço. Pela primeira vez, a China concordou em dialogar com a Europa sobre esta prioridade fundamental para a reforma da OMC”, disse o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Ambos concordaram que não deve haver transferência forçada de tecnologias como contrapartida para o investimento. Os governos europeus queixam-se de que as empresas são pressionadas a transferir ‘know-how’ tecnológico para a China como condição para a realização de negócios naquele país.

As tecnologias são depois utilizadas por concorrentes chineses, o que prejudica as empresas ocidentais, nota a União Europeia (UE), que vê agora a China como um concorrente nas indústrias tecnológicas.

Na conferência de imprensa, Donald Tusk assinalou que a UE “não esquece a questão dos direitos humanos, que é tão importante como os interesses económicos”, pelo que a União voltou a mostrar-se “seriamente preocupada” com esta questão na China.

Numa reunião privada, abordou igualmente Li Keqiang sobre a questão do encarceramento de centenas de milhares de muçulmanos na região ocidental de Xinjiang, na China, afirmaram diplomatas da UE. Levantou também a questão dos direitos humanos de forma mais geral durante a reunião plenária principal da cimeira, visando mais liberdade religiosa para os grupos minoritários na China.

Li Keqiang segue para a Croácia para outra cimeira europeia na quinta e sexta-feira, desta vez com os Estados da Europa Central e Oriental, dos quais 11 são membros da UE.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A Evolução mostra que podemos ser a única forma de vida inteligente no Universo

As reduzidas probabilidades que acompanham a nossa evolução ao longo da história podem ser uma pista que talvez sejamos a única forma de vida inteligente no Universo. Será que estamos sozinhos no Universo? Tudo se resume …

A China está a usar a educação como arma para controlar o Tibete

A China quer obrigar crianças tibetanas a abandonarem as escolas da região e mudarem-se para escolas chinesas. O objetivo, segundo uma especialista, é "tirar o tibetano da criança". A batalha geopolítica entre a China e o …

Revelada explosão violenta no coração de um sistema que alberga um buraco negro

Uma equipa de astrónomos, liderada pela Universidade de Southampton, usou câmaras de última geração para criar um filme com alta taxa de quadros de um sistema com um buraco negro em crescimento e a um …

"É altura de dizer basta". Sporting corta com as claques

O Sporting rescindiu “com efeitos imediatos” os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI – Associação, anunciou hoje o clube, devido à “escalada de …

Poluição atmosférica associada a abortos espontâneos

Elevados níveis de poluição atmosférica foram associados a abortos espontâneos num estudo feito com mulheres grávidas a viver e trabalhar em Beijing, na China. A China é um dos países que mais sofre com a poluição …

Empresas espanholas dominam obras públicas na ferrovia

As empresas espanholas dominam as obras públicas na ferrovia em Portugal, ascendendo a sua quota a 70%, avança o Expresso na sua edição deste sábado. Para presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras …

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …

Os furacões podem provocar atividade sísmica tal como um terramoto

Uma equipa de cientistas descobriu um novo fenómeno geofísico no qual furacões ou fortes tempestades podem produzir vibrações no fundo do oceano tão fortes quanto um terramoto de magnitude 3.5. "As tempestades, furacões ou ciclones extratropicais …

Quem anda mais devagar pode envelhecer mais rapidamente

A velocidade a que caminham as pessoas aos 45 anos pode ser um indicador de como é que o cérebro e o corpo envelhecem, revela um novo estudo levado a cabo por uma equipa de …