China promete “igualdade de tratamento” para as empresas europeias

World Economic Forum / Flickr

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, assegurou que Pequim vai deixar de obrigar as empresas estrangeiras a partilhar ‘know-how’ quando operam no seu mercado e mostrou-se disposto a discutir novas regras de comércio sobre subsídios à indústria.

A promessa de Li Keqiang marca uma mudança nas relações entre os dois gigantes comerciais e é o resultado mais concreto da 21.ª cimeira UE-China, que se realizou em Bruxelas. Em sentido contrário, o governante chinês apelou para que os europeus não discriminem as empresas do seu país que operam no mercado do 5G, avançou na segunda-feira o Diário de Notícias.

“As empresas europeias vão ter igualdade de tratamento”, o que inclui a criação de um organismo de resolução de litígios, anunciou Li Keqiang na conferência de imprensa que se realizou após a cimeira de três horas em Bruxelas.

Por outro lado, sublinhou que as empresas chinesas “não podem ser discriminadas” nos mercados europeus, em especial nas infraestruturas de quinta geração móvel (5G). “É importante tratar as empresas tecnológicas de forma equitativa. As empresas chinesas não podem ser discriminadas na sua atividade na UE, devem beneficiar de presunção de inocência”, afirmou.

Os Estados Unidos (EUA) advertiram que a Huawei faz espionagem para o Estado chinês e, em consequência, países como a Austrália e a Nova Zelândia baniram aquela empresa.

Em resposta, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que a questão da Huawei não foi abordada “especificamente” na cimeira. “A UE não está a apontar o dedo a empresas específicas ou a determinados países” na questão do 5G. “Somos um mercado aberto e todos podem operar, desde que respeitem as regras”, disse.

Recordando as recomendações sobre as redes 5G feitas por Bruxelas aos Estados-membros, no final de março, nas quais pediam uma avaliação dos riscos cibernéticos que lhes permitisse excluir dos seus mercados empresas “por razões de segurança nacional”, Jean-Claude Juncker insistiu que as medidas em causa “não são contra a China”. “Já tornámos isso claro”, frisou.

Na declaração conjunta, reconheceram a responsabilidade de dar o exemplo para uma economia global aberta e baseada em regras multilaterais, em contraste com a política dos EUA de Donald Trump, que iniciou uma guerra comercial com a China.

A dias da reunião a perspetiva era a de não haver declaração conjunta, devido a uma nova visão estratégica europeia sobre as relações com a China, lê-se no Diário de Notícias.

A anuência da China a um comunicado de sete páginas seguiu-se a meses de intensa diplomacia europeia e em especial nos 10 dias anteriores à cimeira, tendo como pano de fundo as negociações comerciais dos EUA com a China e o que o presidente francês Emmanuel Macron chamou de “fim da ingenuidade” sobre o poder chinês.

A UE queria uma declaração conjunta com significado político e em que ficasse reconhecido o respeito pelos direitos humanos. Bruxelas procurou responder às preocupações crescentes sobre as empresas estatais chinesas e a sua aquisição de infraestruturas e ativos europeus. A declaração conjunta teve a anuência do primeiro-ministro chinês durante a viagem para Bruxelas.

O documento estabelece que a UE e a China vão cooperar na reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC) e intensificar as discussões sobre os subsídios à indústria. Como “país em vias de desenvolvimento”, a China beneficia das regras da OMC.

Πρωθυπουργός της Ελλάδας

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk

“É um avanço. Pela primeira vez, a China concordou em dialogar com a Europa sobre esta prioridade fundamental para a reforma da OMC”, disse o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Ambos concordaram que não deve haver transferência forçada de tecnologias como contrapartida para o investimento. Os governos europeus queixam-se de que as empresas são pressionadas a transferir ‘know-how’ tecnológico para a China como condição para a realização de negócios naquele país.

As tecnologias são depois utilizadas por concorrentes chineses, o que prejudica as empresas ocidentais, nota a União Europeia (UE), que vê agora a China como um concorrente nas indústrias tecnológicas.

Na conferência de imprensa, Donald Tusk assinalou que a UE “não esquece a questão dos direitos humanos, que é tão importante como os interesses económicos”, pelo que a União voltou a mostrar-se “seriamente preocupada” com esta questão na China.

Numa reunião privada, abordou igualmente Li Keqiang sobre a questão do encarceramento de centenas de milhares de muçulmanos na região ocidental de Xinjiang, na China, afirmaram diplomatas da UE. Levantou também a questão dos direitos humanos de forma mais geral durante a reunião plenária principal da cimeira, visando mais liberdade religiosa para os grupos minoritários na China.

Li Keqiang segue para a Croácia para outra cimeira europeia na quinta e sexta-feira, desta vez com os Estados da Europa Central e Oriental, dos quais 11 são membros da UE.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Festival de música na Escócia proíbe uso de telemóveis

O festival de música FLY Open Air, que se realizou no passado fim-de-semana, proibiu o uso de telemóveis por parte do público. O objetivo é evitar que os fanáticos pelas redes sociais estraguem o concerto …

Jovem portuguesa morre em Benidorm após atropelamento

Uma jovem de nacionalidade portuguesa com idade entre 25 e 30 anos e de identidade ainda desconhecida, morreu na noite desta terça-feira atropelada por um autocarro numa rua movimentada de Benidorm, Espanha, noticia a comunicação …

Matosinhos fecha mais uma escola. Já encerraram quase duas dezenas desde 2005

A Escola Básica da Portela, em Matosinhos, vai encerrar no final deste ano letivo pelo facto de a sua população escolar estar a diminuir “significativamente”, adiantou o vereador da Educação. Desde 2005, já fecharam quase …

Zona da Torre Eiffel vai ser quase toda pedonal a partir de 2024

A zona da Torre Eiffel será devolvida aos peões e transformada numa zona verde até 2024, anunciou a autarca de Paris durante a apresentação do projeto de reabilitação, projetado por uma arquiteta paisagista norte-americana. "Temos realmente …

Campeã olímpica e mundial de natação termina carreira aos 22 anos

O anúncio acontece depois de a Federação Lituana de Natação ter indicado que Meilutyte enfrentava uma sanção de um a dois anos de suspensão, por ter falhado três controlos antidoping. A nadadora lituana Ruta Meilutyte, que …

Sérgio Conceição é multado em 287 euros e escapa a suspensão

O treinador do FC Porto não foi alvo de suspensão (e poderá estar no sábado no banco da final da Taça de Portugal), mas foi multado em 287 euros e ser-lhe-á instaurado um processo disciplinar. O …

Áustria pode ficar sem Governo. Chanceler enfrenta moção de censura

O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, vai enfrentar na segunda-feira uma moção de censura no Parlamento na sequência do escândalo do vídeo que envolveu o seu antigo parceiro de coligação, o partido de extrema-direita FPÖ. Kurz arrisca …

Deco alerta: Há slime à venda que é perigoso para as crianças

A Deco alertou esta quarta-feira que há à venda ‘slime’, uma massa de modelar viscosa, que é perigosa para as crianças, tendo já denunciado a situação à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE). O alerta …

Portugal está "a viver de água que não tem"

A Associação Natureza Portugal, representante do Fundo Mundial para a Natureza (ANP/WWF), alertou que o país “está a viver além da água que tem” e apresenta recomendações aos políticos, empresas e cidadãos para inverter a …

"O euro nunca esteve tão ameaçado"

"O euro nunca esteve tão ameaçado." A frase é do ministro das Finanças francês e surge depois de o vice-primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini, ter dado como certa a morte do euro. O ministro da Economia francês, …