Está explicado por que alguns cérebros respondem de forma diferente ao placebo

Um novo estudo poderá ajudar-nos a perceber porque é que certas pessoas respondem de forma diferente ao placebo, encontrando uma correspondência entre certas características neurológicas e suscetibilidade ao efeito da substância.

O placebo tornou-se parte fundamental de praticamente qualquer teste clínico, mas nem todas as pessoas são igualmente suscetíveis a serem enganadas e a sentirem-se melhor. Agora, segundo o Science Alert, um novo estudo da Northwestern Medicine, nos Estados Unidos, pode ter percebido o porquê.

A equipa de investigadores convidou 63 voluntários que sofriam de dor crónica nas costas para participar de um experimento com o objetivo de descobrir por que algumas pessoas se sentem melhor (mesmo que só tenham tomado um bloco de açúcar em forma de comprimido).

O fenómeno do placebo tem sido objeto de intenso estudo há pouco mais de um século, embora tenha as suas raízes num lugar bastante improvável – a Igreja Católica. Há vários séculos, as autoridades forneceriam substâncias falsas a pessoas que alegassem exorcismos.

No século XIX, o conceito tornou-se popular entre a comunidade médica, onde substâncias inofensivas eram dadas aos pacientes apenas para conseguir agradá-los. É precisamente do latim que se chegou ao termo “placebo” e, em meados do século XX, os ensaios clínicos baseavam-se no conceito pela mesma razão das autoridades católicas no século XVI – para conseguir melhorias fisiológicas aleatórias.

Atualmente, sabemos que não podemos subestimar o poder do placebo, mas ainda não conseguimos entender completamente o que causa isso. Uma possibilidade é que o efeito resulte da nossa capacidade de levar experiências passadas e usá-las para construir expectativa para as futuras. Tomando pistas de rituais médicos anteriores, o cérebro cria uma estrutura para interpretar os estímulos da dor.

Embora tenham sido feitas numerosas tentativas para ligar o efeito placebo com as funções neurológicas, poucas tiveram em consideração a experiência passada do voluntário. Isto é vital para os que sofrem de dor crónica, que têm experiências únicas que podem afetar a maneira como respondem aos placebos.

Os estudos que têm isso em conta raramente comparam os resultados com um grupo de controlo que não tem tratamento, o que significa que não há base para determinar se as mudanças na intensidade da dor foram relacionadas ou não com o placebo.

Para resolver isso, os investigadores dividiram a sua amostra de pacientes com dor nas costas em dois grupos: um tinha um placebo secreto ou medicação para a dor, o outro não recebeu nada e serviu como o importante grupo de controlo.

Os exames de ressonância magnética revelaram que havia diferenças importantes nos cérebros dos pacientes com dor crónica que respondem bem aos placebos. “O cérebro deles já está sintonizado para responder”, diz o autor do estudo, A. Vania Apkarian, da Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern.

“Têm a psicologia e a biologia apropriadas que os colocam num estado cognitivo de que, assim que você diz, ‘isto pode melhorar a sua dor’, a dor melhora”, explica o investigador, cujo estudo foi publicado, esta semana, na revista Nature.

Especificamente, essas diferenças cerebrais incluem um aumento no volume dos centros emocionais no hemisfério direito, áreas sensório-motoras mais espessas e diferenças no modo como a região pré-frontal e o cingulado anterior se comunicam.

Ao mesmo tempo, essas áreas combinadas desempenham funções que nos ajudam a analisar e a prever o nosso ambiente e tomar decisões informadas que podem ter um impacto emocional.

Pesquisas que avaliaram os traços psicológicos dos voluntários também sugeriram ser sensíveis à dor e conscientes de que os seus estados físico e emocional eram bons preditores de serem suscetíveis a placebos.

Ter ferramentas eficazes para prever quem poderá beneficiar de um placebo – com o seu consentimento informado – seria uma vantagem significativa, escreve o mesmo site. “É muito melhor dar a alguém uma substância não ativa do que um medicamento ativo e obter o mesmo resultado”, diz Apkarian.

Poderia também ajudar os investigadores a refinar os ensaios clínicos, excluindo os indivíduos que poderiam atrapalhar. A comunidade científica ainda tem um longo caminho pela frente para perceber como funciona o placebo mas uma coisa é certa: qualquer coisa que eticamente alivie o sofrimento sem efeitos colaterais arriscados vale a pena investigar.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Sim, as pessoas ficam mais bonitas quando estamos bêbados

Uma investigação acaba de provar a teoria dos "óculos de cerveja": depois de ingerirmos álcool, as outras pessoas tornam-se mais atraentes para nós. Uma equipa de investigadores da Edge Hill University, no Reino Unido, resolveu investigar …

Leverkusen vs FC Porto | Luis Díaz mantém “dragão” à tona

O FC Porto perdeu na Alemanha, na visita ao Bayer Leverkusen, por 2-1, e tem tudo em aberto na perspetiva de chegar aos oitavos-de-final da Liga Europa. Após uma primeira parte difícil, na qual praticamente não …

Ex-presidente do Tribunal da Relação Vaz das Neves arguido na Operação Lex

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa foi constituído arguido no processo Operação Lex, em que também são arguidos o desembargador Rui Rangel e a sua ex-mulher e juíza Fátima Galante. A fonte adiantou à …

Rangers vs Braga | "Braveheart" romeno estraga noite "guerreira"

  O Sporting de Braga perdeu em casa dos escoceses do Rangers por 3-2, esta quinta-feira, em jogo da primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa de futebol em que esteve a vencer …

Morreu Joaquim Pina Moura, antigo ministro da Economia e das Finanças

O ex-ministro da Economia e das Finanças morreu em casa, em Lisboa, aos 67 anos, devido a doença neurodegenerativa, disse à agência Lusa o filho, o fotojornalista João Pina. Natural de Loriga, Seia (distrito da Guarda), …

Duran Duran e A-ha levam anos 80 ao Rock in Rio

Os noruegueses A-ha, responsáveis por Take on me, tema que fez sucesso na década de 80, estrear-se-ão em palcos portugueses no Rock in Rio Lisboa, atuando no mesmo dia em que os ingleses Duran Duran. Segundo …

Maior avião comercial do mundo vai ser reciclado (mas vende lembranças)

O primeiro Airbus A380 vai ser dividido em peças para futuras substituições, mas vai voltar aos céus através de etiquetas de bagagem. O MSN003 começou a ser fabricado em 2004 e tornou-se o primeiro avião super …

Caso Roger Stone. Ex-consultor de Trump condenado a 40 meses de prisão

O ex-consultor do Presidente dos Estados Unidos foi condenado, esta quinta-feira, a mais de três anos de prisão, apesar da interferência do procurador-geral para reduzir a recomendação de sentença. Um tribunal federal condenou o ex-consultor de …

Shakhtar D. vs Benfica | "Águia" perde mas sai viva

Ainda não foi esta quinta-feira que o Benfica regressou à senda dos bons resultados. Na visita a Kharkiv, casa emprestada do Shakhtar Donetsk, os campeões nacionais perderam por 2-1. Os três golos nasceram todos na etapa …

Após 40 anos, a Casa dos Amantes de Pompeia abre ao público

Pela primeira vez após 40 anos, a Casa dos Amantes, rica em frescos e decorações e uma das jóias de Pompeia, vai abrir ao público. Encontrada durante escavações em 1933, a Casa dos Amantes, em Pompeia, …