Vídeo revela, pela primeira vez, como é que o cérebro se livra dos neurónios mortos

Uma equipa de cientistas conseguiu usar, pela primeira vez, uma técnica que “mata” uma célula cerebral isolada e permite observar o processo de limpeza do sistema nervoso em tempo real.

A equipa de investigadores conseguiu registar em vídeo o processo que o cérebro leva a cabo para eliminar neurónios mortos que podem afetar o sistema nervoso. O estudo, levado a cabo pela Escola de Medicina da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, foi publicado na Science Advances.

As células mortas podem converter-se em toxinas capazes de congestionar certas vias e danificar o sistema nervoso. O neurocirurgião Eyiyemisi Damisah explica que, tal como uma cidade, o cérebro precisa de um sistema de descarte eficiente de “lixo”.

Morrem células todos os dias no nosso cérebro, mas a observação do processo de remoção dos “cadáveres” é limitada e permanecia, até hoje, um mistério. Além de ser muito rápido, o momento e local do processo são impossíveis de se prever.

Segundo o ScienceAlert, para conseguir o registo, os cientistas desenvolveram métodos fotoquímicos e virais para induzir a morte isolada de células cerebrais de ratos vivos.

A técnica – batizada de 2Phatal – usa marcadores fluorescentes que mostram como é que as células da glia (que proporcionam suporte e nutrição aos neurónios) removem as células mortas em tempo real.

Esta é a primeira vez que este processo é observado num cérebro de um mamífero vivo. “Em vez de bater no cérebro com um martelo e causar milhares de mortes, induzir a morte de uma única célula permite-nos estudar o que acontece logo depois de as células morrerem”, explicou o médico Jaime Grutzendler, co-autor do artigo científico.

De acordo com a investigação, os microgliócitos, astrócitos e células NG2 (três tipos de células da glia no sistema nervoso central) trabalham de maneira altamente coordenada para remover células mortas e detritos – e cada uma tem uma função diferente.

Os microgliócitos envolvem o corpo do neurónio e os seus principais dendritos, enquanto os astrócitos têm como alvo dendritos de conexão mais pequenos. Já as células NG2 ajudam a impedir que os detritos das células mortas se espalhem.

A pesquisa revelou ainda que as células da glia demoravam, pelo menos, o dobro do tempo para remover um neurónio inativo num cérebro envelhecido. Esta descoberta pode ter implicações importantes para o entendimento do declínio funcional do cérebro com o passar dos anos.

“Se há uma remoção ineficiente das células, os detritos podem estar a causar danos e inflamação no cérebro”, acredita Grutzendler.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O cérebro deveria era livrar-se dos maus neurónios, pois estes parecem andar a infectar cada vez mais o cérebro humano!

RESPONDER

O Bosão de Higgs foi apanhado a fazer algo inesperado

Uma equipa de cientistas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) observou o Bosão de Higgs, a fazer algo inesperado: à medida que caía, esta parecia decompor-se numa combinação inesperada de partículas. De acordo com …

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …