Centenas de pinguins mumificados encontrados na Antártida

Yuesong Gao/Institute of Polar Environment

Centenas de corpos de pinguins-de-adélia (Pygoscelis adeliae) mumificados foram encontrados na Antártida. Os cientistas acreditam que os animais tenham morrido há cerca de 200 a 750 anos devido a alterações drásticas no clima. 

Os pinguins, mumificados pelo ambiente seco e frio da Antártida, morreram provavelmente devido ao clima extremo que se fez sentir na região, onde foram registados momentos extremamente chuvosos e com muita neve nos últimos mil anos.

“É bastante provável que o aquecimento global tenha causado uma maior precipitação, levando a esta tragédia”, disse Liguang Sun, autor principal do estudo e professor de Ciências da Terra na Universidade de Ciências e Tecnologias da China.

A equipa de cientistas encontrou os restos de “múmias preservadas e desidratadas” na Long Peninsula da Antártica em 2016. Muitos dos corpos encontrados eram de crias, aponta o novo estudo publicado no dia 28 de agosto no Journal of Geophysical Research.

De acordo com Liguang Sun, é bastante comum encontrar restos mortais de pinguins-de-adélia – incluindo as suas penas e ossos – na Antártida. Contudo, acrescentou “é muito raro encontrar tantos pinguins mumificados, especialmente crias”.

A datação por radiocarbono revelou que os animais morreram de forma gradual ao longo das décadas, tendo as mortes ocorrido em dois períodos distintos: entre 200 a 750 anos atrás. Depois de estudar os sedimentos depositados junto das múmias, que incluíam fezes  e materiais de nidificação, os investigadores concluíram que foram os “eventos climáticos extremos”, que duraram décadas, que causaram a morte dos animais.

Importância da descoberta

Esta descoberta é especialmente importante porque ajuda os cientistas a prever como é que os pinguins vão reagir a alterações climáticas bruscas no futuro. De acordo com a equipa de investigação, que incluiu cientistas chineses e australianos, os eventos futuros não serão muito risonhos.

“Acredita-se que a atual tendência de aquecimento global vai continuar ou piorar“, disse Sun. À medida que a mudança climática provocada pelo Homem aquece o planeta, a Antártida terá mais chuva e neve, o que provavelmente “vai aumentar as possibilidades de se voltar a registar tantas mortes” entre as populações de pinguins, sustentou.

O pinguim-de-adélia é nativo da Antártida, onde atualmente existem 250 colónias, uma das quais foi descoberta este ano e tem cerca de 1,5 milhão de aves. A União Internacional para a Conservação da Natureza não considera a espécie em vias de extinção mas, para os cientistas, eventos climáticos extremos podem colocá-la em perigo.

Yuesong Gao/Institute of Polar Environment

Corpo de um pinguim com 750 anos encontrado na Antártida

As crias de pinguim são mais vulneráveis às chuvas forte e à neve, uma vez que ainda não desenvolveram completamente as suas penas impermeáveis que os protegem do clima extremo – o que pode explicar o número tão elevado de crias encontradas.

“Ao contrário dos adultos, que têm penas para isolá-los da água fria, os pequenos pinguins não têm plumagem à prova de água”, explicaram os autores. Devido às falta de plumagem, as crias sofrem com o frio, podendo mesmo “morrer de hipotermia”.

Além disso, a queda de neve pode dificultar o processo de reprodução dos pinguins, que encontram dificuldades em encontrar pequenas pedras para os seus ninhos, bem como zonas sem neve para os depositar.

Para evitar estas mortes em massa, “a humanidade precisa de fazer mais e desacelerar a atual tendência do aquecimento global”, reiterou Sun.

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Isto é extraórdinário. Vejam lá que o aquecimento global depois da mini idade do gelo do séc. XIX até consegue ter um efeito de causalidade para trás no tempo, i.e., ainda antes da causa –a grande queima de combustíveis fósseis no séc. XX– ter nascido. Compare-se:

    * “É bastante provável que o aquecimento global tenha causado uma maior precipitação, levando a esta tragédia”
    * Os cientistas acreditam que os animais tenham morrido há cerca de 200 a 750 anos devido a alterações drásticas no clima.

  2. Quem escreveu/traduziu este artigo devia voltar às cadeiras da Universidade. A propósito… mumificar? Sabe o que significa mumificar?

    • Caro leitor,
      A fonte utilizada para o artigo usa a expressão “mummified penguins”, tal como o próprio artigo científico (“numerous mummified Adélie penguin”).
      E, tendo em conta o significado da palavra no Priberam, dicionário pelo qual nos pautamos, a tradução está correta.
      Obrigado pela sua visita.

      mu·mi·fi·car
      verbo transitivo e intransitivo
      1. Converter em múmia.
      2. [Figurado] Emagrecer muito e ressequir-se a pele.
      verbo transitivo, intransitivo e pronominal
      3. Atrofiar(-se) intelectualmente.

      • Lindo…e brutal! Dá muito gozo ver volta e meia um “chico-esperto” meter a viola no saco e reduzir-se à sua insignificância. Em especial com uma chapada de “luva branca” com tal elegância. Parabéns. Continuem o bom trabalho. Aos críticos destrutivos…ide trabalhar e ver se fazem melhor!

  3. Eh eh . Temos de fazer um esforço extra para ajudar os pinguins que morreram de frio há 750 anos no processo do aquecimento global !
    Estamos ficando todos idiotas ?

RESPONDER

O RRS David Attenborough, navio virgem dos reinos polares, já saiu do estaleiro

O navio RRS Sir David Attenborough saiu finalmente do seu estaleiro. O já lendário navio vai agora ser sujeito a alguns testes antes de ser oficialmente entregue ao serviço, em novembro deste ano. A construção do …

Vulcões ativos produzem 30 a 50% da atmosfera de Io

Novas imagens rádio obtidas pelo ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) mostram, pela primeira vez, o efeito direto da atividade vulcânica na atmosfera da lua de Júpiter, Io. Io é a lua mais vulcanicamente ativa do nosso …

Descobertas pegadas fossilizadas com mais de 10 mil anos. São a trilha pré-histórica de uma mãe com um bebé ao colo

Uma equipa de investigadores internacional descobriu o trilho pré-histórico mais comprido do mundo no Novo México, nos Estados Unidos. O novo estudo conta a historia de uma mulher que carregou um bebé nos braços durante …

Pure Skies. Empresa desenha cabines dos aviões do pós-pandemia

Desde o início da pandemia, os especialistas têm testado diferentes maneiras de alcançar o distanciamento social em aviões, embora com pouco sucesso. Agora, há uma empresa que está a levar esta ideia até ao próximo …

OE2021. Bloco de Esquerda vota contra na generalidade

O Bloco de Esquerda vai votar contra a proposta do Orçamento do Estado para 2021 na generalidade, anunciou a coordenadora do partido, Catarina Martins. Em declarações aos jornalistas, a bloquista confirmou este domingo que o …

PS ganha eleições nos Açores sem garantia de maioria absoluta

O PS voltou a ganhar as eleições regionais dos Açores, obtendo entre 37% e 41%, o que não garante a maioria absoluta, segundo a projeção à boca das urnas realizada este domingo pela Universidade Católica …

Extinção da fauna em Madagáscar pode dever-se à presença humana (e a mudanças climáticas)

Grande parte da fauna de Madagáscar e das ilhas Mascarenhas foi eliminada durante o último milénio. Neste sentido, uma equipa de cientistas analisou um registo do clima nos últimos 8000 anos nas ilhas. O resultado …

PAN vai abster-se na generalidade. OE mais próximo da aprovação

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) vai abster-se na votação na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) na próxima quarta-feira, anunciou a líder parlamentar do partido, Inês Sousa Real. Com a abstenção dos três …

O passado tóxico fica para trás. Asbestos, a cidade "amianto", mudou de nome

A cidade canadiana Asbestos (que significa amianto) ganhou um novo nome, quase 11 meses após o anúncio da votação. Wuase metade dos cerca de 6 mil residentes da cidade canadiana marcaram presença numa votação organizada num …

Menino de 12 anos encontra fóssil de dinossauro com 69 milhões de anos

Nathan Hrushkin, aspirante a paleontólogo de 12 anos, encontrou o fóssil de um dinossauro enquanto passeava com o pai em Alberta, no Canadá. Depois de enviarem uma fotografia ao Museu Royal Tyrrell, ficaram a saber …