/

Cenários traçados por grandes empresas petrolíferas não cumprem metas do Acordo de Paris

Os cenários traçados por grandes empresas petrolíferas para o futuro do setor energético não cumprem os objetivos do Acordo de Paris.

Várias grandes empresas petrolíferas, incluindo a BP e a Shell, publicam periodicamente cenários que preveem o futuro do setor energético. Nos últimos anos, adicionaram visões de como as alterações climáticas podem ser abordadas, incluindo cenários que afirmam ser consistentes com o acordo climático internacional de Paris.

Estes cenários são extremamente influentes. São usados por empresas que tomam decisões de investimento e, principalmente, por políticos como base para as suas decisões.

Mas serão realmente compatíveis com o Acordo de Paris?

Muitos dos cenários mostram uma dependência contínua de combustíveis fósseis. Mas as lacunas de dados e a falta de transparência podem dificultar a comparação com avaliações científicas independentes, como as revisões globais do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas.

Num estudo publicado no dia 16 de agosto de 2022, na revista Nature Communications, uma equipa de cientistas analisou quatro desses cenários e outros dois pela Agência Internacional de Energia usando um novo método desenvolvido para comparar esses cenários de energia frente a frente.

Os cientistas determinaram que cinco deles – incluindo cenários frequentemente citados pela BP, Shell e Equinor – não eram consistentes com as metas do Acordo de Paris.

O que o Acordo de Paris espera

O Acordo de Paris de 2015, assinado por quase todos os países, estabelece alguns critérios para atingir os seus objetivos.

Uma é garantir que o aumento da temperatura média global permaneça bem abaixo de 2 graus Celsius em comparação com os níveis da era pré-industrial e procurar esforços para manter o aquecimento abaixo de 1,5° C.

O acordo também estabelece que as emissões globais devem atingir o pico o mais rápido possível e atingir pelo menos zero emissões de gases com efeito de estufa na segunda metade do século. Os caminhos que atendem a esses objetivos mostram que as emissões de dióxido de carbono devem cair ainda mais rápido, atingindo zero por volta de 2050.

Evidências científicas mostram que ultrapassar 1,5° C de aquecimento, mesmo que temporariamente, teria consequências prejudiciais para o clima global. Essas consequências não são necessariamente reversíveis e não está claro como é que pessoas, ecossistemas e economias seriam capazes de se adaptar.

Quais são os cenários?

Os cientistas têm trabalhado com o Climate Analytics para entender melhor as implicações do Acordo de Paris para os caminhos globais e nacionais de descarbonização – os caminhos que os países podem seguir para reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa.

Em particular, exploraram os papéis que o carvão e o gás natural podem desempenhar à medida que o mundo se afasta dos combustíveis fósseis.

Quando analisaram os cenários de descarbonização das empresas de energia, descobriram que os cenários da BP, Shell e Equinor ultrapassam o limite de 1,5° C do Acordo de Paris por uma margem significativa, com apenas a BP a ter uma chance superior a 50% de subsequentemente reduzir as temperaturas para 1,5° C em 2100.

Esses cenários também mostraram maior uso de carvão no curto prazo e uso de gás no longo prazo para produção de eletricidade do que cenários compatíveis com Paris, como os avaliados pelo IPCC. No geral, os cenários das empresas de energia também apresentam níveis mais altos de emissões de dióxido de carbono do que os cenários compatíveis com o Acordo de Paris.

Dos seis cenários, os cientistas determinaram que apenas o cenário Net Zero até 2050 da Agência Internacional de Energia esboça um futuro energético compatível com a meta de 1,5° C do Acordo de Paris.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.