Cenário em Gaza é devastador, mas Israel rejeita tréguas. Dez pessoas da mesma família foram mortas

O ambiente tenso que se vive em Israel parece estar para durar. O número de mortos palestinianos já é superior a uma centena, sendo que várias crianças e mulheres foram atingidas nos ataques. O Hamas diz estar preparado para cessar-fogo, mas Israel rejeita tréguas.

Segundo o The Guardian, decorriam as primeiras horas da madrugada de ontem quando enormes chamas vermelhas iluminaram os céus de Gaza, enquanto rajadas ensurdecedoras de tiros podiam ser ouvidas na periferia da cidade.

Na quinta-feira, as forças terrestres e aéreas de Israel começaram a atacar com muito mais força diversos alvos em Gaza. Foram disparados, mais de 500 tiros de artilharia e tanques concentrados na fronteira do enclave, juntando-se aos bombardeamentos massivos de 160 aviões de combate com 450 mísseis descarregados contra mais de 150 posições das milícias de Gaza.

Como noticia o Jornal de Notícias, este é uma escalada muito significativa no conflito Israel-Palestina, que dura há décadas desde 1948, data do estabelecimento da nação israelita.

O fogo de artilharias pesadas, com intenso bombardeamento, foi direcionado, dizem os militares israelitas, para atingir especificamente a grande rede de túneis dos militantes palestinianos do Hamas. Contudo, muitos civis foram atingidos.

O jornal diário revela que o número de mortos do lado de Gaza chegava ontem à noite a 119, incluindo 31 crianças e 11 mulheres. O número de feridos subiu para 830, mais 200 no espaço de 10 horas, referiu o Ministério da Saúde de Gaza.

Atualmente, há agora mais de 200 casas e pelo menos 25 escolas destruídas ou severamente danificadas em Gaza devido aos ataques aéreos de Israel. O acesso dos residentes a água potável está limitado, e há cortes de energia e danos na rede de distribuição, começando a surgir apagões. Por sua vez, os hospitais e empresas recorrem já a geradores, mas o combustível já escasseia.

Enquanto isso, o Hamas e outros grupos militantes da Palestina continuam a disparar rockets contra Israel, que ativaram as agudas sirenes de alerta em Telavive, Yavne, Sderot, Rahat e outras cidades da costa israelita.

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro do país, garante que “o Hamas vai pagar um preço alto pelos ataques a Israel”.

“Ainda não foi dita a última palavra desta operação, que só terminará quando for necessário”, ameaçou. O exército ordenou o envio de três brigadas para a fronteira com Gaza, enquanto mobilizou mais nove mil reservistas.

Já as autoridades do Hamas sinalizaram entretanto estar prontas para um cessar-fogo, revelou a estação de TV Al Jazeera, mas Israel mantém a sua rejeição à trégua enquanto os rockets continuarem a cair.

Tragédia abala família

Dez membros de uma mesma família foram este sábado mortos num ataque aéreo israelita no oeste da Faixa de Gaza, anunciaram os serviços de socorro palestinianos.

Entre as vítimas há oito crianças e duas mulheres, mortas quando se encontravam no seu imóvel de três andares situado no campo de refugiados de Al Shati, segundo as fontes de Gaza.

O exército israelita anunciou durante a noite pelo menos cinco ataques contra a Faixa de Gaza.

Entre os alvos estavam, segundo um comunicado do exército, um dos quartéis-generais de Taoufik Abou Naim, comandante das forças de segurança do grupo islamita Hamas, assim como vários “locais de lançamento de ‘rockets'” no norte e no sul do enclave e edifícios do “serviço de informações militares” do Hamas.

Uma dezena de ambulâncias egípcias entrou hoje na Faixa de Gaza para transportar feridos devido à escalada de violência entre israelitas e fações palestinianas, a pior em sete anos, informou a representação palestiniana no Egito.

Num comunicado publicado na rede social Facebook, a embaixada descreve a situação, apontando que o tratamento hospitalar dos feridos está a ser garantido em hospitais egípcios.

ZAP // Lusa

 

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. ‘””O MESSIAS está furioso e “dessa vez, ou vai, ou racha”. Israel não faz acordo com bandidos e tem que se defender , atacando com toda intensidade, mesmo que implique em mortes de civis – é guerra. Não se vai a guerra de paletó e gravata, de bengala e guarda-sol e “pedindo licença e por favor. Lembremos de um passado distante, quando o Império Romano se viu às voltas com Cartago – as famosas Guerras Púnicas. Catão , terminava os seus famosos discursos no Senado Romano com “delenda est Cartago” . Cartago ameaçava Roma e já se preparava para a destruição de Roma. Catão insistia no Senado Romano “DELENDA EST CARTAGO. Roma partiu para o tudo ou nada e deu no que deu – CARTAGO destruída. Acabaram-se as Guerras com os cartagineses e Roma continua até hoje. Nós estamos a décadas as disputas entre judeus e palestinos e nunca se chega a um denominador comum. As Potencias ficam a olhar as desgraças que ocorrem de ambos os lados. NADA FEITO. A inepta ONU com os seus burocratas “parasitas” e incompetentes , é claro, NADA RESOLVE Só se encontrará a PAZ com a GUERRA e assim , que reza o manual a seculum seculorum, amem, É o que pensa joaoluizgondimaguiargondim — [email protected]

  2. Na realidade não houve ataque ou invasão por forças terrestres israelenses. Essa invasão que teve amplo destaque na imprensa mundial nunca aconteceu.

RESPONDER

Enfermeira tentou provar que as vacinas tornam as pessoas magnéticas (mas não correu como previsto)

Na semana passada, a enfermeira negacionista de Ohio Joanna Overholt tentou, durante uma sessão legislativa, provar que as vacinas contra a covid-19 tornam as pessoas magnéticas. Mas não foi bem sucedida. O teste do íman resulta …

Foda e Kostadinov: as recordações à volta do Áustria-Macedónia do Norte

O selecionador da Áustria e um dos jogadores da Macedónia do Norte trouxeram memórias dos anos 90. O jogo entre Áustria e Macedónia do Norte, que terminou com vitória austríaca por 3-1, não estava propriamente na …

Paquistão. Quem não se vacinar pode ficar sem acesso ao telemóvel

O governo regional de Punjab, no Paquistão, decidiu que os cidadãos que não se vacinarem contra a covid-19 "ao fim de um certo tempo" podem ver o cartão SIM do seu telemóvel bloqueado. "Estamos a fazer …

Seleção Nacional testa negativo na véspera da estreia no Europeu

Depois do susto de João Cancelo, que testou positivo ao novo coronavírus, a seleção nacional respira de alívio na véspera da estreia no Europeu, depois de ter testado negativo à covid-19. Esta segunda-feira de manhã, a …

Associação quer que os testes em eventos culturais sejam gratuitos

A Associação Espetáculo - Agentes e Produtores Portugueses defendeu que os testes de diagnóstico à covid-19 devem ser gratuitos em eventos culturais. A Associação Espetáculo – Agentes e Produtores Portugueses defendeu, este domingo, que os testes …

Advogados repudiam declarações de Cabrita sobre agendamentos do SEF

Um grupo de advogados repudiou as declarações do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que atribuem a um escritório de advogados a responsabilidade pelo mau funcionamento do sistema de agendamentos para atribuição de vistos de …

Fundo Azul só aplicou um quarto do orçamento desde 2016

O Fundo Azul tem tido um orçamento anual de 13 milhões de euros nos últimos cinco anos, mas não tem gasto três quartos desde 2016. Em cinco anos, o Fundo Azul entregou apenas 17 milhões de …

Polónia 1-2 Eslováquia | Paulo Sousa surpreendido no arranque

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, entrou hoje da pior forma no Euro2020, ao perder por 2-1 com a Eslováquia, em encontro do Grupo E, disputado em São Petersburgo, na Rússia. O guarda-redes Wojciech …

Agostinho Branquinho nega tráfico de influências na construção de hospital em Valongo

O antigo deputado Agostinho Branquinho negou esta segunda-feira qualquer envolvimento ou tráfico de influências junto da Câmara de Valongo, no processo de licenciamento e construção do Hospital de São Martinho, naquele concelho do distrito do …

Estádio Sp. Braga

17 anos depois, Câmaras ainda devem 55 milhões dos estádios do Euro 2004 (só 2 já pagaram tudo)

Apenas duas Câmaras municipais já não têm dívidas no âmbito da construção de estádios para o Euro 2004. Ao cabo de 17 anos, as autarquias ainda têm cerca de 55 milhões de euros para pagar …