Cemitério aborígene mais antigo do que pirâmides egípcias foi descoberto na Austrália

Depois de restos humanos terem sido descobertos no interior de vários montes de areia misteriosos numa parte remota de Queensland, Austrália, as suas origens podem ter finalmente sido reveladas.

Os restos humanos, enterrados em montanhas na cidade de Mapoon, Austrália, podem ter até 6 mil anos, sendo mais antigos do que as pirâmides egípcias, de acordo com arqueólogos.

Enquanto o povo indígena Tjungundji acreditava há muito tempo que os montes continham restos dos seus antepassados, outros sugeriram que se tratavam de formações naturais.

“As origens, idade e funções desses montes foram debatidas por cientistas há décadas e a idade desses elementos é incerta“, comentou o arqueólogo Mary Jean Sutton.

O arqueólogo contou que os restos descobertos podem ter mais de 6.000 anos, ou podem ter sido estabelecidos mais recentemente: “Esta é a data provável, não há como saber exatamente sem cavar. São muito antigos”.

“A nossa pesquisa indica, nesta área do norte da Austrália, que as sociedades antigas tinham práticas culturais e fúnebres mais complexas do que as reconhecidas anteriormente, que continuaram durante a era da missão”.

A investigação inicial do radar de penetração no solo (GPR, na sigla em inglês) em 11 montes detetou muitos restos humanos enterrados. Mais de 250 montes de terra foram mapeados ao longo dos 60 km da costa em Mapoon.

A tecnologia utilizada contava com uma combinação de GPR e magnetometria, reconhecida pelos antigos aborígenes como culturalmente aceitável, pois não danifica a área. “Valorizamos essa tecnologia não invasiva, porque é culturalmente apropriada e não perturba os lugares de descanso dos nossos antepassados. Isso ajuda a manter a nossa lei cultural e ajuda a proteger e gerir nosso património cultural”, disse Aunty Diane Nicholls.

A confirmação de que os montes são covas aborígenes surgiu devido ao aumento da mineração na área. Apesar das promessas da mineradora de trabalhar com a comunidade para reconhecer os locais do património cultural, os moradores locais estão a pedir melhores condições de proteção para os lugares fúnebres.

“Saber que estes montes estão aqui agora – e que estiveram aqui por muitos anos – mas agora, devido à mineração, deve haver alguma proteção e uma lei para protegê-los“, disse Aunty Diane.

Na Austrália, Mapoon é conhecida pelos abusos históricos da população aborígene. Na década de 1960, a população foi expulsa e muitos edifícios locais foram queimados para facilitar instalação das empresas de mineração. Os arqueólogos agora vão mapear os montes na área para determinar se são de origem natural ou cultural.

PARTILHAR

RESPONDER

Camisola poveira

Vendas da camisola poveira disparam a nível mundial (e já há “uma Amazon” para a comprar)

A camisola poveira, peça de artesanato da Póvoa de Varzim, nunca se vendeu tanto como agora. As vendas dispararam à boleia da polémica apropriação do modelo pela estilista norte-americana Tory Burch que o comercializou como …

Xanana Gusmão dorme à frente de centro de isolamento em protesto (e é filmado a esbofetear pessoas)

Xanana Gusmão quer que o corpo de um homem vítima de covid-19 seja entregue à família para que faça as cerimónias fúnebres. O comportamento do líder histórico timorense, que se encontra em protesto, está a …

SEF oficialmente extinto. Serviço de Estrangeiros e Asilo entra em funções esta quinta-feira

O processo de reestruturação do SEF foi publicado em Diário da República, esta quarta-feira, entrando em vigor no dia seguinte, ou seja, esta quinta-feira. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) foi oficialmente extinto esta quarta-feira, …

União Europeia não vai renovar contrato com AstraZeneca e Johnson & Johnson

A União Europeia não vai renovar os contratos da vacina contra a covid-19 com empresas como Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano. A notícia da decisão de não renovação dos contratos da vacina contra …

Entre um Porto "dominante" e "ineficaz", a bicicleta de Taremi foi um "inútil golo de bandeira"

A imprensa internacional realça a boa prestação do FC Porto e o golo de bandeira de Taremi, que acabou por revelar-se insuficiente para dar continuidade às aspirações portistas. O FC Porto está fora da Liga dos …

Eventual criação do indicador "incidência vizinha" pode influenciar planos do Governo

Esta terça-feira, na reunião no Infarmed, o matemático Óscar Felgueiras defendeu a criação de um novo indicador, "incidência vizinha", que teria como vantagens sinalizar risco associado à proximidade de zonas mais críticas e evitar a …

Relatório secreto de Costa Pinto defende que Banco de Portugal podia ter feito mais no BES

O "Relatório Costa Pinto" argumenta que o Banco de Portugal tinha conhecimento dos problemas do BES e tinha poderes para fazer mais, melhor e mais cedo. O "Relatório Costa Pinto" tem vindo a ser negado ao …

Lopetegui viu Corona em Sevilha e pode avançar com proposta

Julen Lopetegui, treinador do Sevilha, está atento a Tecatito Corona. O extremo portista mostrou-se em bom plano frente ao Chelsea. O antigo treinador dos 'dragões' Julen Lopetegui, atualmente no comando técnico do Sevilha, esteve esta terça-feira …

Especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Oposição quer redução de portagens. Governo responde com cortes ou aumento de impostos

O Governo disse hoje que a redução de portagens nas ex-SCUT "é legal e constitucional", defendendo que a Assembleia da República deve ajudar a encontrar a compensação para encargos de até 149 milhões de euros …