Se perder uma carteira no Japão, tem uma grande probabilidade de a reaver. Eis a razão

Telemóveis esquecidos em táxis, carteiras deixadas em bancos de autocarros e guarda-chuvas abandonados. Os cerca de 126 milhões de residentes no Japão perdem um grande número de itens pessoais, mas uma grande percentagem de objetos consegue regressar aos seus legítimos proprietários.

Perder uma carteira não é o pior que nos pode acontecer, mas é um acontecimento que gostamos sempre de evitar. Enquanto que na maioria dos lugares pode ser extremamente difícil recuperar objetos perdidos, o Japão é um exemplo de que a esperança é a última a morrer.

Num artigo publicado no CityLab, o advogado Allan Richarz enumerou as razões pelas quais a jurisdição e o clima cultural exclusivos do Japão fornecem um método muito eficaz para recuperar objetos perdidos.

Se um japonês tropeçar numa carteira, por exemplo, em vez de ponderar ficar com ela, ou de se questionar onde deve entregar este pertence, o cidadão desloca-se de imediato a um koban local – uma pequena esquadra da polícia.

Em 2018, cerca de 4,1 milhões de itens desaparecidos foram entregues à polícia, e a probabilidade de estes pertences chegarem às mãos do seu dono é muito alta. Nesse mesmo ano, refere o matutino, 130.000 dos 156.000 telemóveis perdidos (83%) foram devolvidos e 240.000 carteiras (65%) regressaram a casa.

Os objetos perdidos são, normalmente, mantidos no koban durante um mês. Depois desse período de tempo, são enviados para um Centro de Perdidos e Achados do Departamento da Polícia Metropolitana. Aí, o item é catalogado e colocado num bando de dados online ao qual toda a população pode ter acesso.

Depois de determinado objeto permanecer nesse departamento durante três meses, é entregue à pessoa que o encontrou. Caso contrário, os objetos tornam-se propriedade do Governo local, e podem eventualmente acabar numa venda de segunda mão.

Segundo o autor do artigo, há dois motivos que levam os japoneses a serem tão diligentes no que toca à entrega de objetos que não lhes pertencem: respeito e Justiça.

As crianças são educadas, desde muito cedo, a devolver os itens que encontram perdidos à polícia, como parte do seu dever cívico. Por outro lado, a Lei de Propriedade Perdida, alterada em 2007, exige que os objetos perdidos sejam entregues às autoridades caso o proprietário não consiga ser localizado.

Como recompensa, os cidadãos recebem uma pequena percentagem do valor do objeto em causa, caso este regresse à posse da pessoa que o perdeu.

Perder objetos durante uma viagem é uma verdadeira dor de cabeça. Mas se visitar o Japão, pode ser um problema menor: basta pedir instruções no koban mais próximo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …

Portugal aguarda "luz verde" da EMA para avançar com terceira dose aos idosos

Portugal aguarda a autorização da Agência Europeia de Medicamentos para avançar com a administração da terceira dose da vacina contra a covid-19 a maiores de 65 anos. Com base nos resultados de dois grandes estudos científicos …

E depois de Merkel? Alemanha já sente falta da Chanceler que saiu da sombra para salvar o seu "delfim"

Angela Merkel tinha prometido ficar afastada das eleições legislativas deste domingo, na Alemanha, mas saiu da sombra para apoiar o seu "delfim", o candidato da CDU, Armin Laschet, que deverá disputar a vitória com o …

Já há refugiados afegãos a realizarem entrevistas de emprego em Portugal

Já há refugiados afegãos a realizarem entrevistas de emprego em Portugal, disse a secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira. Em três semanas, chegaram 178 refugiados afegãos a Portugal. A secretária de …

Arranca hoje a conferência dos Trabalhistas - num clima de "guerra civil" entre Starmer e os Corbynistas

A proposta de Starmer de mudar a sistema de eleição do líder dos Trabalhistas tem suscitado muitas críticas, num partido que já estava profundamente dividido entre os membros mais conservadores e os membros leais a …

Multinacional oferece emprego qualificado em Portugal mas não tem candidatos

Um engenheiro de Mirandela regressou à terra para instalar na cidade transmontana o polo principal de uma nova multinacional na área da energia que está a recrutar, mas não consegue candidatos para emprego qualificado. Manuel Lemos …

Austrália, Japão, EUA e Índia reúnem-se "sem objetivos militares", mas China sente-se ameaçada

Estados Unidos, Austrália, Japão e Índia reuniram-se naquela que foi a primeira reunião do chamado Quad. A China sente-se ameaçada e avisa que o grupo está "fadado ao fracasso". Joe Biden liderou esta sexta-feira a primeira …