Carne processada pode ser um fator de risco para a demência

Um novo estudo encontrou uma associação entre o consumo de carne processada e um risco aumentado de demência. O equivalente a uma fatia de bacon foi associado a um risco 44% maior.

As evidências de uma associação entre a carne processada e o cancro agora é forte o suficiente para que algumas organizações recomendem não a comer. Também há evidências crescentes de uma associação entre carne processada e diabetes tipo 2. E agora, um novo estudo acrescentou à lista de desgraças para os amantes de carne processada, associando-o a um risco aumentado de demência.

No entanto, esta última associação pode não ser tão convincente.

O novo estudo, publicado esta semana na revista The American Journal of Clinical Nutrition, usou dados do UK Biobank, que contém informações genéticas e de saúde detalhadas de quase meio milhão de pessoas, com idades entre 40 e 69.

Os investigadores mediram a frequência com que os participantes relataram consumir carne processada e não processada e, de seguida, casos de demência monitorizados durante um período de oito anos.

Durante este período, 2.896 participantes desenvolveram demência. Os autores calcularam que comer 25g de carne processada por dia – o equivalente a uma fatia de bacon – estava associado a um risco 44% maior de demência.

E para aqueles que desenvolveram demência, a carne processada foi associada a um aumento de 52% no risco de doença de Alzheimer, a principal causa da demência.

Em contraste, eles descobriram que consumir 50g por dia de carne vermelha não processada, como vaca, porco ou vitela, era protetor e estava associado à redução do risco de demência em 19% em comparação com pessoas que comem carne até uma vez por semana.

Encontrar efeitos opostos à saúde para carnes processadas e não processadas é incomum, especialmente porque muitos estudos mostram que tanto a carne processada quanto a vermelha aumentam o risco de cancro. Então, o que pode estar a acontecer aqui?

Estudos que examinam uma associação entre o consumo de um alimento específico e um risco aumentado de uma doença não estão a provar que haja uma relação causal. Muitos fatores estão associados a um risco aumentado de demência e apenas uma pequena seleção deles pode ser avaliada em qualquer estudo. Isto torna difícil tirar conclusões seguras sobre o que pode ser a causa para um efeito observado.

Este novo estudo usou uma definição ampla de carnes processadas. Não incluía apenas presunto, bacon e salsichas, mas também produtos à base de carne altamente processados, como tortas de carne, kebabs, hambúrgueres e nuggets de frango. É provável que as pessoas que consomem esses produtos de carne altamente processados também tenham gosto por outros alimentos altamente processados, como batatas fritas ou bolos, que fazem parte da típica dieta ocidental.

Portanto, produtos de carne altamente processados podem ser simplesmente um marcador representativo de uma dieta pouco saudável e pode ser isso, em vez de bacon, presunto ou salsichas, que está a aumentar o risco de demência.

O estudo mostra que uma dieta ocidental pouco saudável está associada a um risco aumentado da doença de Alzheimer. Acredita-se que os efeitos adversos de uma dieta pobre na microbiota intestinal (a comunidade de biliões de micróbios no nosso intestino que nos ajudam a manter o nosso bem-estar) estão associados a distúrbios neurológicos, incluindo demência.

Além disso, o grau de cozedura da carne não foi considerado neste estudo. Uma alta temperatura de cozimento pode aumentar o impacto negativo da carne na saúde. A maioria das carnes processadas, como salsichas e bacon, são cozinhadas a altas temperaturas.

Esse escurecimento é um indicador de que compostos tóxicos, chamados de produtos finais de glicação avançada (AGEs, em inglês), formaram-se na superfície da carne. Os AGEs causam neuroinflamação no cérebro. Em modelos animais e estudos em humanos, isso está fortemente relacionado a um risco aumentado da doença de Alzheimer.

Além de comer mais carnes processadas, os participantes do estudo que desenvolveram demência também eram mais propensos a ser economicamente carenciados, com menos formação académica, fumadores, menos ativos fisicamente, mais propensos a ter um historial de AVC e um historial familiar de demência. Talvez esta seja a descoberta mais importante do estudo.

Um alto consumo de carnes altamente processadas pode ser simplesmente um marcador representativo de um estilo de vida menos saudável em geral – algo que um único estudo não pode abordar em detalhe.

PARTILHAR

RESPONDER

Astrónomos encontram uma das mais antigas estrelas do Universo

Uma equipa de investigadores descobriu uma estrela gigante vermelha a 16 mil anos-luz de distância que parece ser um membro da segunda geração de estrelas do Universo. Embora tenhamos uma boa compreensão da forma como o …

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …