Capital chilena sem militares nas ruas pela primeira vez desde início dos protestos

A praça Itália em Santiago, capital e epicentro das manifestações no Chile, acordou hoje sem militares nas ruas pela primeira vez desde o início dos protestos na passada sexta-feira e nos quais já morreram pelo menos 18 pessoas.

A capital chilena tenta agora recuperar a normalidade, com o metropolitano de Santiago a funcionar parcialmente em três linhas, o serviço urbano de autocarros a operar normalmente e as lojas a reabrir portas.

“A situação de ordem pública e de segurança dos cidadãos está a melhorar”, assegurou o Presidente do Chile, Sebastián Piñera, que ainda mantém quase todo o país em estado de emergência, com as forças armadas encarregadas de garantir a segurança, após ter voltado a decretar na noite passada o recolher obrigatório em muitas cidades.

No entanto, várias escolas e universidades continuam com aulas suspensas e, pelo menos até hoje, os dias continuam com a mesma rotina, com milhares de cidadãos a concentrarem-se em diferentes praças e ruas de maneira pacífica.

Paralelamente às concentrações pacíficas, alguns grupos continuam a provocar distúrbios e a queimar e saquear espaços comerciais e hotéis, como aconteceu na quarta-feira.

Após uma semana de protestos contra o aumento do preço dos bilhetes do metropolitano na região da capital chilena, as manifestações aumentaram de tom na passada sexta-feira com incêndios em estações de metro, supermercados e armazéns com grupos de pessoas a saquear lojas.

Com a declaração do estado de emergência e a presença das forças policiais e militares nas ruas, houve vários casos de alegados abusos e violações de direitos humanos.

Segundo o Instituto Nacional de Direitos Humanos do Chile (INDH), um organismo público independente, pelo menos cinco das 18 vítimas mortais até agora registadas deveram-se a ações das forças de segurança.

Em seis dias de protestos, o INDH contabilizou 2.410 detidos, dos quais 898 em Santiago, e 535 feridos, dos quais 210 por armas de fogo, números estes superiores aos do último relatório do Governo chileno, que referiu apenas 197 feridos até quarta-feira.

A organização de direitos humanos já entrou com 55 ações judiciais pelas situações relatadas durante os confrontos entre manifestantes e as forças de segurança.

Os manifestantes exigem ao Governo chileno que ponha em prática reformas estruturais nos subsídios de reformas e pensões, educação e saúde, por forma a acabar com a desigualdade social entre os cidadãos.

Hoje de manhã [hora local], a Câmara dos Deputados aprovou, com 67 votos a favor, 31 contra e 14 abstenções, uma comissão para investigar os ministérios do Interior e da Defesa na sequência da declaração do estado de emergência e a atuação das forças de segurança, polícias e militares na repressão das manifestações.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Barack Obama vai publicar um livro de memórias (mas só depois da eleições de novembro)

O livro de memórias do antigo Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, só vai ser publicado depois das eleições presidenciais de novembro. Uma enxurrada de livros políticos chegou às prateleiras nas últimas semanas, no final da …

Confrontos em Londres entre polícia e opositores das restrições devido à pandemia

A polícia de Londres, Inglaterra, entrou hoje em confronto com manifestantes que protestavam contra as restrições que visam conter a disseminação do novo coronavírus. De acordo com a agência Associated Press (AP), os confrontos ocorreram quando …

Milhares infetados por bactéria após fuga em fábrica farmacêutica chinesa

Milhares de pessoas no noroeste da China contraíram uma doença bacteriana depois de uma fuga que causou um surto numa biofarmacêutica no ano passado. De acordo com a CNN, que cita relatos dos media locais, mais …

Guardas da Revolução do Irão prometem vingar morte do general Soleimani

O chefe dos Guardas da Revolução, o exército ideológico do Irão, garantiu hoje que a morte do general Qassem Soleimani, alvo de um raide aéreo dos Estados Unidos, será vingada em “todos os seus implicados”. “Senhor …

"O mundo está no momento mais perigoso da história humana", diz Noam Chomsky

O professor norte-americano Noam Chomsky, conhecido como o pai da linguística moderna, advertiu que o mundo está no momento mais perigoso da história da humanidade devido à crise climática, à ameaça de guerra nuclear e …

Portugal com 849 novas infecções por covid-19. Há 20.722 casos activos

Portugal registou 849 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, mantendo-se a tendência de subida verificada nos dias anteriores. Mas o número de pacientes recuperados também não era tão alto desde Julho. O boletim da …

A Grândola Vila Morena abafou "a maior marcha alguma vez vista" do Chega

Com a Praça do Giraldo, em Évora, dividida por barreiras anti-motim, os participantes da concentração "Pela Liberdade" receberam os apoiantes do Chega de André Ventura ao som de "Grândola Vila Morena" e empunhando cravos vermelhos …

Pandemia assola Irão. EUA com mais 888 mortos. 19 países europeus bateram recorde de casos

Naquele que é o número mais elevado de casos diários desde abril, a Alemanha registou 2.297 novos contágios, 19 países europeus já ultrapassaram o recorde de casos do pico da pandemia. O Irão ultrapassou as …

Rangel "é um turista do carago". SMS atestam que Vieira usou Benfica em "benefício pessoal"

Luís Filipe Vieira é um dos acusados da Operação Lex, com o Ministério Público (MP) a alegar que o presidente do Benfica utilizou o clube em "benefício pessoal" para obter uma cunha do juiz Rui Rangel. O …

Farmácias em risco de não ter vacinas da gripe para tantos pedidos

As farmácias privadas receiam não ter doses suficientes de vacina contra a gripe para dar resposta a todos os pedidos. As encomendas da vacina já sãocinco vezes mais do que as registadas em 2019. A preocupação …