“Tempestade perfeita”. Caos no transporte marítimo trava importações para a indústria

Desde os grandes carregadores às pequenas empresas, passando pelos transitários e empresas de transporte, todos se queixam da prática das grandes empresas de shipping que estão a congestionar portos, a atrasar entregas e a cobrar cinco vezes mais pelo mesmo serviço.

Desde novembro que começaram a faltar contentores disponíveis para o transporte marítimo e alguns portos mundiais começaram a ficar seriamente congestionados. Os serviços de transporte ficaram significativamente irregulares e os preços dispararam para duas, três ou cinco vezes mais face ao que era praticado antes da eclosão da pandemia, revela o Público.

O jornal avança que os preços são um problema sério, mas o facto de não se conseguir arranjar espaço disponível para enviar mercadoria nos navios também – situação que afeta particularmente as empresas que vão buscar à Ásia, em geral, e à China em particular, matéria-prima, componentes e produto acabado essenciais ao seu negócio.

Há uma grande dificuldade em encontrar contentores vazios para enviar carga, e há uma quase impossibilidade de encontrar espaços dentro dos navios, que mantiveram linhas de transportes reduzidas, mesmo depois de a procura ter não só normalizado, mas disparado.

“Foi uma tempestade perfeita”, limita-se a constatar António Belmar da Costa, diretor executivo da Associação dos Agentes de Navegação de Portugal (Agepor).

O presidente da Associação Empresarial de Portugal, Luís Miguel Ribeiro, diz que o problema se coloca nos dois sentidos, “quer no fluxo das exportações quer das importações”.

Acrescenta ainda que as empresas associadas da AEP reportaram “o enorme constrangimento nas importações de matérias-primas provenientes do mercado oriental para a produção industrial nacional”, por terem vindo a registar acréscimos incomportáveis no custo de transporte.

Pedro Galvão, presidente do Conselho Português de Carregadores, alerta para os constrangimentos e as falhas que estão a observar-se em vários pontos do fluxo internacional, alertando para a possibilidade de, mesmo quando os navios estiverem de novo todos em movimento e a circulação normalizada, este aumento de taxas passar a ser “o novo normal”.

“No ano em que temos a Presidência da UE devemos poder intervir de forma enérgica, a exemplo do que já fizeram outras, nomeadamente na avaliação do regime (BER) de isenção das regras da concorrência aos consórcios de companhias de navegação, uma vez que esta isenção deve ser concedida quando dela se retira benefício para os consumidores, o que manifestamente, em nosso entender não está acontecer”, remata o presidente da APAT, em declarações ao jornal Público.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo com margem política para abdicar de 15% do Novo Banco

Em 2022, o Governo tem margem política para abdicar do direito de entrar como acionista no Novo Banco (NB), inicial­mente com uma participação de mais de 2%, mas que pode subir a 15%. Para já, nem …

Tóquio2020. Biles renuncia também às finais de salto e barras assimétricas

A ginasta norte-americana Simone Biles, que renunciou à final do concurso geral individual dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, também não vai participar das finais de domingo de salto e barras assimétricas, informou esta sexta-feira a Federação …

Governo não pediu parecer à CNPD sobre as "bodycams" em polícias. Método vai "aumentar a transparência"

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi …

Marcelo reuniu com Lula, mas não revela o teor da conversa. Presidente diz que visita é apenas de cariz cultural

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sexta-feira à chegada a São Paulo que a cultura tem um "papel fundamental" na convergência entre Portugal e o Brasil, rejeitando que a agenda alargada de …

PSP abre processos disciplinares por uso indevido de farda em manifestação

A PSP abriu processos disciplinares, por uso indevido e incorreto do uniforme, a agentes que participaram em 21 de junho, em Lisboa, numa manifestação organizada pelo Movimento Zero, confirmou esta sexta-feira à Lusa o porta-voz, …

Por onde passou o caminho bíblico da Judeia a Edom? Cientistas encontram respostas

Por onde passava o caminho bíblico que ligava o reino de Judeia à nação vizinha de Edom? Um novo estudo dá novas pistas sobre o possível percurso da estrada. Os investigadores israelitas sugerem que havia, pelo …

PCP diz que acusação a grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial evidencia "cartelização"

O PCP considerou esta sexta-feira que a acusação da Autoridade da Concorrência a cinco grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial, confirma a “prática parasitária e de cartelização” destes grupos, que fazem “da doença um negócio”. O …

Ensino Superior. Vagas voltam a aumentar com Porto, Lisboa e Aveiro na frente

O concurso nacional de acesso ao ensino superior volta a registar um aumento do número de vagas, segundo dados divulgados este sábado, que mostram Lisboa, Porto e Aveiro com o maior crescimento. Depois de, no ano …

Os pterossauros conseguiam voar assim que eclodiam dos ovos

Os pterossauros tinham asas suficientemente longas e ossos suficientemente fortes para conseguirem sustentar o voo depois de eclodirem. Uma equipa de cientistas da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, descobriu que os pterossauros recém-nascidos seriam capazes …

Madeira começa hoje a vacinar jovens a partir dos 12 anos. Açores não vacinam crianças "para já"

A Madeira começa este sábado a vacinar contra a covid-19 jovens a partir dos 12 anos, numa altura em que mais de metade da população adulta residente no arquipélago já está inoculada com a segunda …