Canadá altera hino nacional para não discriminar mulheres

A Câmara dos Comuns do Canadá aprovou, na última quarta-feira, um projeto de lei que altera o hino nacional do país para que tenha um “género neutro”, pondo termo a uma reivindicação antiga.

A proposta, aprovada por 225 votos contra 74, alterou duas palavras do hino nacional do Canadá: o verso “True patriot love in all thy sons command” passou para “True patriot love in all of us command”.

Após a aprovação do projeto, os deputados ficaram de pé e cantaram o (novo) hino nacional.

A proposta C-210, da autoria do deputado liberal Mauril Bélanger, segue agora para apreciação no Senado, onde se espera que seja aprovada.

O hino do Canadá tem a particularidade de ter duas versões, em inglês e francês (as línguas oficiais do país), que não coincidem na letra. Enquanto a versão francesa – que já é neutra – é a original de 1908, a tradução inglesa sofreu ao longo do século algumas mudanças.

A proposta de alterar esta parte do hino surgiu várias vezes nos últimos 25 anos, tal como outras propostas para retirar a carga religiosa presente noutros versos.

De acordo com o Guardian, alguns deputados conservadores opuseram-se à mudança, que afirmam estar a ser feita sem consulta adequada à população. O Governo conservador anterior sugeriu alterações à letra do hino nacional em 2010, mas acabou por voltar atrás depois de protestos.

Para a ministra da Igualdade Patty Hadju, a importância desta decisão torna-a “um símbolo muito forte do nosso compromisso com a igualdade de género no nosso país”.

A deputada Christine Moore, do Novo Partido Democrático, comentou que “não é uma grande mudança, e não haverá uma grande diferença no hino nacional, mas a diferença é significativa para as mulheres em todo o Canadá”.

O governo liberal de Justin Trudeau, eleito em outubro de 2015, marcou a diferença por apresentar pela primeira vez tantas mulheres como homens entre os responsáveis pelos seus 30 ministérios.

Linguagem neutra

Num grande número de línguas, nomeadamente na língua portuguesa, é comum o uso exclusivo do género gramatical masculino para designar o conjunto de homens e mulheres, o que, para os que defendem o poder da linguagem na discriminação de género, torna as mulheres praticamente invisíveis.

Em abril, o Bloco de Esquerda propôs mudança de nome do Cartão de Cidadão para Cartão de Cidadania, considerando que o nome do documento “não cumpre as orientações de não discriminação, de promoção da igualdade entre homens e mulheres e de utilização de uma linguagem inclusiva”.

Houve fortes reações contrárias à proposta do BE, nomeadamente pessoas que consideraram a proposta uma parvoíce, questionando a importância e oportunidade do assunto ou discordando da necessidade da medida, e ainda quem se opôs por questões históricas ou linguísticas.

No entanto, o ministro-adjunto, Eduardo Cabrita, chegou a admitir que o governo poderá vir a promover eventuais alterações à designação do Cartão de Cidadão, admitindo que “a dimensão simbólica da expressão de afirmação de valores não é destituída de relevância, quer formal, quer de relevância substantiva”.

Não se trata, no entanto, de uma luta apenas dos partidos de Esquerda. Em 2013, a Assembleia da República votou que a expressão “Direitos do Homem” fosse substituída por “Direitos Humanos”.

A proposta, apresentada pela maioria PSD e CDS, defendia a alteração de documentos oficiais considerando discriminatório o uso de termos masculinos para englobar as mulheres.

A resolução de 2013 do Conselho de Ministros do governo da coligação PSD/CDS, relativa ao V Plano Nacional para a Igualdade de Género, Cidadania e Não-Discriminação 2014-2017, afirmava que “a linguagem que utilizamos reproduz, como é sabido, as representações sociais de género predominantes num determinado contexto histórico e cultural, refletindo-se depois, muitas vezes, em verdadeiras práticas discriminatórias”.

“Desta forma, deve garantir -se que, desde logo, a Administração Pública adote uma linguagem escrita e visual que dê igual estatuto e visibilidade às mulheres e aos homens nos documentos produzidos, editados e distribuídos”, defendia o Governo.

AF, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Montezemolo revelou o sonho que Ayrton Senna não cumpriu

O antigo presidente da equipa da Ferrari, Luca di Montezemolo, revelou que o seu maior arrependimento foi não ter conseguido levar Ayrto Senna para a equipa. Em 1994, Ayrton Senna morreu de forma trágica quando perdeu o …

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …