Câmara do Porto paga 2,5 ME para ficar com as 85 obras de Miró em Serralves

Jean-Louis POTIER / Flickr

A Câmara Municipal do Porto anunciou hoje que vai pagar anualmente 100 mil euros à Fundação de Serralves, pelo prazo de 25 anos, para que a Coleção Miró seja protegida e promovida nacional e internacionalmente.

Em comunicado, na segunda-feira, a Câmara Municipal do Porto referia que as três partes iriam apresentar “os detalhes dos acordos relativos ao destino da chamada Coleção Miró”, enquanto o Governo mencionou os “termos dos acordos de cedência” do conjunto de obras.

Em entrevista à Rádio Renascença, na manhã de quarta-feira, a ministra da Cultura revelou que foi estabelecido “um acordo de cedência entre o Estado e o município do Porto” das obras de Miró que ficarão sob a tutela da Câmara durante 25 anos.

Depois do acordo estabelecido entre o Estado e o município, a Câmara Municipal do Porto e a Fundação de Serralves acordaram que os 85 quadros de Miró pertencentes ao Estado vão ficar em Serralves, “pelo mesmo período de 25 anos, em exposição ao público”.

A Câmara Municipal do Porto compromete-se ainda a financiar, até um milhão de euros, as obras de ampliação, remodelação ou conservação da Casa de Serralves, que receberá a exposição permanente das obras de Miró.

“Queria agradecer ao senhor primeiro-ministro o empenho que teve e à presidente do conselho de administração de Serralves também pelo empenho”, declarou o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, na cerimónia de assinatura dos protocolos assinados entre Governo, Câmara do Porto e Fundação de Serralves.

Por seu lado, o primeiro-ministro, António Costa, declarou que a “razão fundamental por ter sido escolhido o Porto” prende-se com o facto de se querer potenciar e diversificar o acesso à cultura.

Há mais país para além de Lisboa e num momento de projeção nacional e da atividade turística é natural que reforcemos a capacidade criativa e a cena artística do Porto”, referiu o primeiro-ministro, explicando ainda que Serralves foi a instituição escolhida porque não era necessário criar uma nova instalação para acolher as obras do artista catalão.

A apresentação foi feita esta quarta-feira, na Câmara Municipal do Porto, pelo primeiro-ministro, António Costa, e pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, naquela que foi a primeira aparição pública da sucessora de Luís Filipe Castro Mendes na tutela, contando também com a presença do presidente da autarquia, Rui Moreira, e da presidente da Fundação de Serralves, Ana Pinho.

Antecedentes

Em dezembro de 2015, o primeiro ministro da Cultura do atual Governo, João Soares, disse ter proposto à Fundação de Serralves que a primeira exposição das obras do catalão Joan Miró provenientes do antigo BPN se realizasse naquele espaço.

Depois de, já em julho de 2016, Rui Moreira ter declarado que o Porto tinha condições para receber a coleção, dois meses mais tarde António Costa confirma que o conjunto de peças do artista catalão iria ficar mesmo na cidade.

“O Governo já tomou a decisão de fixar definitivamente na cidade do Porto a famosa coleção dos quadros de Miró de forma a que o Porto possa ter um novo polo de atratividade que ajude a consolidar e a reforçar a que tem tido ao longo dos últimos anos”, afirmou António Costa.

O presidente da Câmara do Porto revelou, dias depois do anúncio do primeiro-ministro, que o espaço para acolher a coleção Miró seria a Casa de Serralves, onde já estava patente no âmbito da exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Depois de uma prudente ponderação, entendi que esta coleção notável, coerente e indissolúvel, agora sob a tutela da Câmara Municipal do Porto, não poderia, de momento, ficar em melhor lugar do que aqui na Casa de Serralves”, declarou Moreira, na altura.

“Com a pronta concordância da fundação, posso agora revelar que este novo polo cultural do município ficará instalado nesta casa maravilhosa e queria também dizer que o senhor arquiteto Siza Vieira já aceitou o encargo de transformar esta casa de tal forma a que a coleção possa ficar aqui de forma permanente”, acrescentava Rui Moreira.

Segundo Rui Moreira, em outubro de 2016, o acordo com a Fundação de Serralves previa “a presença da fundação no futuro do Matadouro, em Campanhã, que a autarquia vai transformar num centro de desenvolvimento cultural, social e económico“.

No relatório com as contas da autarquia para 2016, o presidente da câmara destacava, entre os projetos lançados, “a conceção do Museu Miró, sustentado na coleção que o Porto conquistou e de que a Câmara do Porto se responsabilizou, em parceria com a Fundação de Serralves”.

Já no final do ano passado, a Câmara do Porto disse que assumiria os encargos com manutenção e seguros da coleção.

A coleção de Joan Miró em causa inclui um total de 85 obras, datadas entre 1924 e 1981, nas quais se encontram desenhos e outras obras sobre papel, pinturas (com suportes distintos), além de seis tapeçarias de 1973, uma escultura, colagens, uma obra da série “Telas queimadas” e várias pinturas murais.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.