Brasil perde capital estrangeiro por falta de mudanças na política ambiental, diz ativista

Joedson Alves / EPA

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

O ativista e analista do ambiente brasileiro Pedro Graça Aranha disse, em entrevista à agência Lusa, que os investidores estrangeiros já estão a deixar o Brasil e continuarão a sair se as políticas ambientais do governo de Jair Bolsonaro não mudarem.

“Eu tenho a certeza que o capital estrangeiro vai embora do Brasil. Aliás, o capital estrangeiro já está indo embora do Brasil. É isso que este governo está fazendo. Pondo os investidores todos para fora”, afirmou o ativista, licenciado em biologia e zootecnia, que se destacou na defesa da Mata Atlântica, no Rio de Janeiro.

“Quem é que vai investir num país que não tem respeito pela biodiversidade?”, questionou, recordando que a Europa ainda recentemente apresentou o Green Deal.

O Green Deal, o Pacto Verde Europeu, que é o mapa com que a União Europeia (UE) tenciona acelerar a sua transição ecológica para uma economia neutra em emissões de dióxido de carbono, até 2050, foi apresentado em dezembro pela presidente da Comissão, a alemã Ursula von der Leyen.

No Brasil, com a covid-19, “tudo piorou” em termos ambientais, por isso as emissões de gases com efeito de estufa “aumentaram cerca de 54%” nos últimos meses.

“Porque o desmatamento não parou na Amazónia, a produção de minério no Brasil não parou. No Brasil parou o urbano, o comércio, o salão de beleza. Mas as fábricas, a mineração, a agricultura, o agronegócio, o desmatamento, as queimadas, em nenhum momento pararam. Só se acelerou. Sem respeito pelas políticas ambientais tão duramente construídas durante muito anos”, lamentou.

Para o biólogo, o Brasil “está vivendo uma tragédia ambiental e os investidores sabem o quanto é importante para eles a manutenção daquela floresta em pé (…). Porque sabem da importância que aquilo tem para o clima”, mas “os gestores brasileiros, tanto da esquerda como da direita, não entenderam a questão do ambiente, da agricultura orgânica”.

Realçando o potencial que o Brasil tem para fazer negócios rentáveis de outra forma, que não a de agricultura intensiva e o agronegócio, falou da produção de comida “sem veneno” e da oportunidade que esta representa para a criação de emprego e rendimento.

“Eu quero que essas políticas sejam ativas. Mas acho que a expectativa é ruim”, afirmou. Por isso, para Pedro Graça Aranha, o Brasil “pode ter queda desse Presidente”. Porque “os investidores podem ficar tão aborrecidos, tão aborrecidos, tão aborrecidos que o presidente caia”, acrescentou.

Dallas Krentzel / Flickr

Vista aérea da floresta da Amazónia

E, se isso acontecer, “o mercado vai ficar mais feliz. Porque ele [Bolsonaro] foi eleito pelo mercado. Só que o mercado não entendeu que ele não é um político tradicional, clássico. Ele é ele”.

Na opinião de Pedro Graça Aranha, a reunião dos investidores brasileiros com os membros do governo brasileiro, “foi um ultimato às politicas ambientais públicas” que o país está a seguir. Agora, “se não houver efetividade nessas políticas, aí vem o chumbo grosso”.

Por agora, “os investidores vão querer monitorar. E temos organizações não governamentais, que são financiadas por esse investimento também, e que vão fazer o controle muito bem feito. Não tenho dúvida que as ONG vão monitorar bem se isso está avançando ou não”.

Se essas políticas anunciadas não se verificarem “vai haver uma nova pressão da sociedade civil que vai chegar aos investidores”, concluiu.

Num encontro com investidores estrangeiros, realizado no início de julho, o Governo brasileiro comprometeu-se a reduzir a desflorestação da Amazónia.

“Em nenhum momento os investidores se comprometeram com verbas e prazos. É óbvio que querem ver resultados. E com o que é que nos podemos comprometer? Com a redução da desflorestação. A ideia é que ao longo do mandato, com operações repressivas, consigamos gradualmente reduzir as ilegalidades, para chegarmos a um número de desflorestação aceitável”, disse, na altura, o vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão, após o encontro virtual, em que participou, ao lado de vários ministros.

O Brasil encerrou o mês de junho com o maior número de focos de queimadas na Amazónia dos últimos 13 anos.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, com cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados, e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Era como se a morte estivesse num copo." No século XVIII, o gin estava a arruinar a Inglaterra

A bebida alcoólica tornou-se tão popular no Reino Unido que os empresários começaram a utilizar todo o tipo de aditivos para enriquecerem. No século XVIII, o gin tornou-se a maior droga que o homem poderia consumir …

Vacinar animais contra a covid-19? Dezenas de zoos nos EUA estão a avançar com a ideia

Cerca de 70 jardins zoológicos e espaços de conservação nos Estados Unidos estão a administrar a vacina da farmcêutica veterinária Zoetis aos seus animais. Não são só os humanos que estão a ser vacinados contra a …

Lewis Hamilton: "Eu não disse que estava a morrer"

Acidente com Max Verstappen originou dores no campeão; Helmut Marko disse que já era "espectáculo" a mais. Troca de palavras entre os dois candidatos ao título. Como se esperava, o acidente que envolveu Lewis Hamilton e …

Autorretrato de Frida Kahlo deverá ser vendido por um valor recorde de 30 milhões de dólares

A Sotheby’s espera ultrapassar os 30 milhões de dólares (mais de 25 milhões de euros) com o autorretrato da pintora mexicana Frida Kahlo, no qual aparece também o seu marido Diego Rivera. O autorretrato Diego y …

David Luiz: "Um dos dias mais especiais da minha vida" - e ainda se fala sobre Jorge Jesus

Flamengo ficou mais próximo de mais uma final da Libertadores, depois de derrotar o Barcelona de Guayaquil. David Luiz estreou-se. O Flamengo venceu o Barcelona de Guayaquil por 2-0, na primeira "mão" das meias-finais da Copa …

Iémen. Escassez de alimentos empurra 16 milhões de pessoas para a fome, revela ONU

Pelo menos 5 milhões de pessoas no Iémen estão à beira da fome e outros 16 milhões estão "a caminhar para a fome", num país dilacerado pela guerra civil. O Programa Mundial de Alimentos (WFP, na …

Presidente da Tunísia governará por decreto, ignorando partes da constituição

O Presidente da Tunísia, Kais Saied, declarou que governará por decreto e ignorará partes da constituição, enquanto se prepara para mudar o sistema político, gerando críticas imediatas da oposição. Desde 25 de julho, dia em que …

Alemanha deixa de pagar quarentena a trabalhadores não vacinados

A Alemanha vai deixar de indemnizar trabalhadores não vacinados que forem forçados a quarentena devido ao coronavírus, por ser "injusto pedir aos contribuintes que subsidiem aqueles que se recusam a ser vacinados", disse na quarta-feira …

Governo acaba com recomendação do teletrabalho

O Conselho de Ministros decidiu acabar com a recomendação da opção pelo teletrabalho e eliminar a testagem em locais de trabalho com mais de 150 trabalhadores. Estas medidas integram a terceira e última fase do plano …

Cansado de denúncias, Betis pede aos seus sócios: "Portem-se bem"

Clube onde jogam dois portugueses quer que os adeptos tenham um "comportamento adequado" durante os jogos no Benito Villamarín. O Betis de Sevilha jogou seis vezes até agora, nesta época. Quatro desses encontros foram disputados em …