BPN e Banif custam mais do que alívio de IRS e subida de pensões

António Pedro Santos / Lusa

O ministro das Finanças, João Leão

A despesa prevista no OE2022 para os veículos financeiros dos antigos Banif e BPN supera o valor previsto para medidas como o alívio no IRS e o aumento extra das pensões.

Tal como destaca o Dinheiro Vivo, a despesa pública prevista na proposta do Orçamento do Estado para 2022 para os restos dos antigos BPN e Banif ascende a 295 milhões de euros.

Na proposta do Orçamento, o Governo mostra que pretende gastar 178 milhões de euros no que resta do universo Banif. Estão em causa as entidades Banif Imobiliária, Banif SA, Oitante e WIL – Projetos Turísticos.

Já no caso do antigo BPN, constam outros 117 milhões para os seus três veículos financeiros: Parparticipadas, Parvalorem, Parups.

Ou seja, como conclui o mesmo site, isto é mais do que a verba disponível pelo Executivo para medidas como, por exemplo, o alívio em alguns escalões de IRS (que deve custar 205 milhões) e o aumento extra nas pensões mais baixas (que deverá ascender a um valor entre 76 a 80 milhões). No total, estas medidas valem cerca de 285 milhões de euros.

No caso do Novo Banco, esta semana o ministro das Finanças, João Leão, assegurou que no OE2022 “não está prevista qualquer transferência por parte do Fundo de Resolução” para este banco, ao contrário do que sucedeu em anos anteriores.

Recorde-se que, depois da entrega da proposta do OE para 2022 na Assembleia da República, Partido Comunista e Bloco de Esquerda anunciaram, que, como está o documento, este merecerá o seu voto contra.

A proposta do OE2022 será votada no Parlamento, na generalidade, a 27 de outubro. A votação final global está agendada para 25 de novembro.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE