Os “bons velhos tempos” foram assim tão bons? A felicidade dos últimos 200 anos foi medida pela primeira vez

Os “bons velhos tempos” foram assim tão bons? Uma equipa de psicólogos construiu um método para medir a felicidade histórica. Os resultados, para quatro nações, eram esperados – mas também uma surpresa.

A ideia de que o papel dos governos é promover a “Felicidade Nacional Bruta”, em vez do Produto Interno Bruto, ganhou força nos últimos anos, tornando-se a política oficial do Butão. No entanto, o sucesso requer métodos para medir a satisfação das pessoas. Inquéritos de felicidade populacional só foram realizadas sistematicamente na última década e pouco a pouco desde a década de 1970.

O professor Thomas Hills propôs publicações históricas que nos podem dar uma perspectiva mais longa. Hills comparou a frequência com que palavras positivas e negativas são usadas nos oito milhões de livros disponíveis online no Google Books, teorizando que os leitores procuram algo que reflita o seu humor e os editores lhes dão o que querem.

Para testar a validade do seu método, Hills comparou as publicações dos últimos anos com as medidas de felicidade existentes ao longo desse tempo. A correlação está longe de ser perfeita, de acordo com o artigo publicado esta semana na revista especializada Nature Human Development.

Hills analisou textos publicados entre 1820 e 2009 nos EUA, Reino Unido, Itália e Alemanha e registou a felicidade aproximada de cada um ao longo desse tempo, fornecendo uma indicação das forças que afetam a felicidade nacional.

Os investigadores descobriram que picos de felicidade nacional, às vezes, eram gerados por aumentos na renda nacional, mas geralmente era necessário um aumento muito grande para causar algum efeito perceptível nos EUA e no Reino Unido.

Todas quatro nações experimentaram quedas de positividade durante a I Guerra Mundial. Para os países de língua inglesa, a sequência foi ainda pior, mas os seus efeitos são menos claros no lado do Eixo, talvez porque a medida de Hills não permita a censura totalitária. A Guerra Civil também foi bastante deprimente para a América.

No entanto, pela medida de Hills, a Grã-Bretanha ficou ainda menos feliz no final dos anos 1970 – particularmente durante o apropriadamente chamado “Inverno do descontentamento” e nos primeiros anos de Thatcher – do que durante o Blitz.

Hills observa, de acordo com o IFLScience, que o momento mais baixo da América coincidiu com a queda de Saigon em 1975, quando a Guerra do Vietname chegou ao fim, mas os efeitos posteriores de Watergate (1972) também podem ser responsabilizados.

A Itália ficou mais feliz por volta de 1830 e 2000 do que em qualquer outro período, apesar de estar acima das outras três nações.

Podemos não saber quando é que a América esteve no auge, mas o momento mais feliz do século XX foi pouco antes do crash de Wall Street (1929).

Embora o aumento da riqueza esteja correlacionado com uma maior felicidade nacional, o efeito é pequeno, sugerindo que os governos podem fazer melhor ao colocar outras coisas como sua prioridade. A expectativa de vida mais longa é outro fator impulsionador da felicidade.

“O que é notável é que o bem-estar subjetivo nacional é incrivelmente resistente às guerras”, afirmou Hills em comunicado. “Até booms e bustos económicos temporários têm pouco efeito a longo prazo. Podemos ver a Guerra Civil Americana nos nossos dados, as revoluções de 1848 na Europa, os estrondosos anos 20 e a Grande Depressão. Mas as pessoas rapidamente regressaram aos seus níveis anteriores de bem-estar subjetivo após o término desses eventos”.

“A nossa felicidade nacional é como uma chave de boca ajustável que abrimos e fechamos para calibrar as nossas experiências com o nosso passado recente, com pouca memória duradoura pelos triunfos e tragédias de nossa época”.

“O bem-estar do país – que diz respeito à satisfação com a vida e não apenas à felicidade – é afetado por grandes eventos“, disse ao Newsweek Cary Cooper, professora de psicologia organizacional e saúde da Universidade de Manchester, que não participou no estudo. Os dados param em 2009, mas Cooper espera que, se continuasse, é provável que isso tenha mostrado que os níveis de felicidade no Reino Unido caíram após três anos de estagnação do Brexit.

Já nos EUA, “acho que a divisão que se tem por causa de Trump provavelmente causaria uma queda na satisfação com a vida”, rematou Cooper.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A famosa estrela Betelgeuse está a recuperar o seu brilho

Novas observações revelaram que a famosa estrela Betelgeuse, cujo brilho diminuiu de forma inexplicável desde outubro, está a conseguir reverter este efeito de escurecimento, recuperando o seu brilho.  A estrela, uma super-gigante vermelha pertencente à …

Sardenha vai cobrar entrada em praia invadida por turistas

Sardenha, em Itália, quer limitar a entrada de turistas numa das suas famosas praias, La Pelosa. A praia vai ter lotação limitada e a entrada vai ser paga para maiores de 12 anos. As medidas de …

Se não quer que a Alexa e a Siri ouçam a sua vida privada, basta usar uma "pulseira do silêncio"

Uma equipa de professores de ciência da computação da Universidade de Chicago inventou uma pulseira especial que interfere com todos os microfones próximos, incluindo os dos altifalantes e assistentes inteligentes. As câmaras de segurança e altifalantes …

Algoritmo analisa textos de Edgar Allan Poe e indica que autor pode não ter cometido suicídio

Através de um algoritmo que identifica marcadores linguísticos de depressão e cognição suicida, investigadores norte-americanos que o escritor Edgar Allan Poe pode não ter cometido suicídio. Nesta análise, investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos …

Mudanças climáticas estão a secar um rio que fornece água a milhões de pessoas nos Estados Unidos

As mudanças climáticas reduziram drasticamente o fluxo do rio Colorado, nos Estados Unidos, deixando em risco o abastecimento de cerca de 40 milhões de pessoas e milhões de hectares de terrenos agrícolas. O alerta consta …

Trump vai vender helicópteros militares à Índia no valor de 2,7 mil milhões de euros

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, anunciou na segunda-feira que vai vender helicópteros militares à Índia no valor de 2,7 mil milhões de euros, à chegada à cidade de Ahmedabad, para uma visita …

Vale e Azevedo livre de processo de desvio de fundos do Benfica

O Tribunal Judicial de Lisboa declarou a prescrição do processo em que o antigo presidente do Benfica João Vale e Azevedo era acusado de ter desviado dinheiro do clube. O Tribunal Judicial de Lisboa declarou, na …

O Pentágono acabou de simular uma guerra nuclear com a Rússia

O Pentágono realizou um exercício de treino na semana passada, no qual simulou uma guerra nuclear com a Rússia. Apesar de ser comum passar por conflitos simulados, é incomum divulgá-los.  De acordo com a National Defense …

Novo passaporte britânico é desenhado em França e feito na Polónia

A ministra do Interior britânica, Priti Patel, apresentou no sábado os novos passaportes. Começam a ser emitidos em março e recuperam a cor azul que tinham antes de 1988, quando o Reino Unido se juntou …

Confirmados resultados das presidenciais da Guiné-Bissau e vitória de Sissoco Embaló

A Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau confirmou os resultados das eleições presidenciais e a vitória de Umaro Sissoco Embaló. A Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Guiné-Bissau confirmou esta terça-feira os resultados das eleições presidenciais …