Os “bons velhos tempos” foram assim tão bons? A felicidade dos últimos 200 anos foi medida pela primeira vez

Os “bons velhos tempos” foram assim tão bons? Uma equipa de psicólogos construiu um método para medir a felicidade histórica. Os resultados, para quatro nações, eram esperados – mas também uma surpresa.

A ideia de que o papel dos governos é promover a “Felicidade Nacional Bruta”, em vez do Produto Interno Bruto, ganhou força nos últimos anos, tornando-se a política oficial do Butão. No entanto, o sucesso requer métodos para medir a satisfação das pessoas. Inquéritos de felicidade populacional só foram realizadas sistematicamente na última década e pouco a pouco desde a década de 1970.

O professor Thomas Hills propôs publicações históricas que nos podem dar uma perspectiva mais longa. Hills comparou a frequência com que palavras positivas e negativas são usadas nos oito milhões de livros disponíveis online no Google Books, teorizando que os leitores procuram algo que reflita o seu humor e os editores lhes dão o que querem.

Para testar a validade do seu método, Hills comparou as publicações dos últimos anos com as medidas de felicidade existentes ao longo desse tempo. A correlação está longe de ser perfeita, de acordo com o artigo publicado esta semana na revista especializada Nature Human Development.

Hills analisou textos publicados entre 1820 e 2009 nos EUA, Reino Unido, Itália e Alemanha e registou a felicidade aproximada de cada um ao longo desse tempo, fornecendo uma indicação das forças que afetam a felicidade nacional.

Os investigadores descobriram que picos de felicidade nacional, às vezes, eram gerados por aumentos na renda nacional, mas geralmente era necessário um aumento muito grande para causar algum efeito perceptível nos EUA e no Reino Unido.

Todas quatro nações experimentaram quedas de positividade durante a I Guerra Mundial. Para os países de língua inglesa, a sequência foi ainda pior, mas os seus efeitos são menos claros no lado do Eixo, talvez porque a medida de Hills não permita a censura totalitária. A Guerra Civil também foi bastante deprimente para a América.

No entanto, pela medida de Hills, a Grã-Bretanha ficou ainda menos feliz no final dos anos 1970 – particularmente durante o apropriadamente chamado “Inverno do descontentamento” e nos primeiros anos de Thatcher – do que durante o Blitz.

Hills observa, de acordo com o IFLScience, que o momento mais baixo da América coincidiu com a queda de Saigon em 1975, quando a Guerra do Vietname chegou ao fim, mas os efeitos posteriores de Watergate (1972) também podem ser responsabilizados.

A Itália ficou mais feliz por volta de 1830 e 2000 do que em qualquer outro período, apesar de estar acima das outras três nações.

Podemos não saber quando é que a América esteve no auge, mas o momento mais feliz do século XX foi pouco antes do crash de Wall Street (1929).

Embora o aumento da riqueza esteja correlacionado com uma maior felicidade nacional, o efeito é pequeno, sugerindo que os governos podem fazer melhor ao colocar outras coisas como sua prioridade. A expectativa de vida mais longa é outro fator impulsionador da felicidade.

“O que é notável é que o bem-estar subjetivo nacional é incrivelmente resistente às guerras”, afirmou Hills em comunicado. “Até booms e bustos económicos temporários têm pouco efeito a longo prazo. Podemos ver a Guerra Civil Americana nos nossos dados, as revoluções de 1848 na Europa, os estrondosos anos 20 e a Grande Depressão. Mas as pessoas rapidamente regressaram aos seus níveis anteriores de bem-estar subjetivo após o término desses eventos”.

“A nossa felicidade nacional é como uma chave de boca ajustável que abrimos e fechamos para calibrar as nossas experiências com o nosso passado recente, com pouca memória duradoura pelos triunfos e tragédias de nossa época”.

“O bem-estar do país – que diz respeito à satisfação com a vida e não apenas à felicidade – é afetado por grandes eventos“, disse ao Newsweek Cary Cooper, professora de psicologia organizacional e saúde da Universidade de Manchester, que não participou no estudo. Os dados param em 2009, mas Cooper espera que, se continuasse, é provável que isso tenha mostrado que os níveis de felicidade no Reino Unido caíram após três anos de estagnação do Brexit.

Já nos EUA, “acho que a divisão que se tem por causa de Trump provavelmente causaria uma queda na satisfação com a vida”, rematou Cooper.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …