Bolsonaro garante a Biden que, se perder as eleições, deixará a presidência “de forma democrática”

4

jeso.carneiro / Flickr

Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, garantiu na quinta-feira ao homólogo norte-americano, Joe Biden, que, quando tiver de deixar a presidência do país, o fará “de forma democrática”.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, garantiu na quinta-feira ao homólogo norte-americano, Joe Biden, que, quando tiver de deixar a presidência do país, o fará “de forma democrática”.

“Este ano temos eleições no Brasil e queremos eleições limpas, fiáveis e auditáveis para que não haja dúvidas (…) Fui eleito pela democracia e estou certo de que, quando deixar o Governo, será também de uma forma democrática“, disse o chefe de Estado brasileiro sobre as eleições agendadas para 2 de outubro, segundo um comunicado da Casa Branca divulgado após uma reunião bilateral entre os dois governantes.

A declaração de Bolsonaro, feita na IX Cimeira das Américas, surge depois de o Presidente brasileiro ter questionado a legitimidade das eleições em várias ocasiões nos últimos meses, chegando mesmo a questionar a fiabilidade das urnas eletrónicas e a denunciar o início da fraude em 2018, quando ganhou o escrutínio.

Antes do encontro com o seu homólogo norte-americano, Bolsonaro voltou a questionar o sistema eleitoral no Brasil, bem como o dos Estados Unidos.

“É o povo americano que o diz [que houve fraude nas eleições nos EUA]. [Donald] Trump estava a ir muito bem. E temos muitas coisas que nos fizeram duvidar (…) Não queremos que isso aconteça no Brasil”, disse o Presidente brasileiro.

Horas depois, após o encontro entre Biden e Bolsonaro, o Presidente dos EUA deixou uma mensagem de confiança no sistema eleitoral brasileiro: “O Brasil é um lugar maravilhoso, (…) por causa da democracia vibrante e inclusiva e das fortes instituições eleitorais”.

A Casa Branca já defendeu anteriormente a fiabilidade das eleições no Brasil. “Temos sido muito francos na expressão de grande confiança na capacidade das instituições brasileiras de realizarem eleições livres e justas com salvaguardas adequadas contra a fraude”, disse o responsável norte-americano para o Hemisfério Ocidental, Juan Gonzales, em comunicado.

Os EUA exortaram também o Governo brasileiro a não minar a confiança no processo eleitoral, “especialmente porque não houve sinais de fraude nas eleições anteriores”, enfatizou a Casa Branca.

  // Lusa

4 Comments

  1. Política à parte, na realidade o modelo de urnas electrónicas utilizadas no Brasil são inauditáveis , simplesmente, porque não há forma de contabilizar os votos. A única forma é que o voto seja impresso pela própria urna e automáticamente depositado em invólucro selado para, na eventualidade de dúvidas, os resultados poderem ser comparados.
    Na realidade, não se entende a oposição a utilizar meios que permitam a segurança e transparência do voto, utilizando um equipamento obsuleto, só utilizado no Brasil, Bangladeshe e outro país.
    Quanto ao encontro com o Biden, na Cimeira das Américas, o único acontecimento importante foi a garantia do Bolsonaro “sair de forma democrática”? Se foi, para quê gastarem tanto dinheiro erário público?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.