Sem querer, criámos uma bolha protetora à volta da Terra

A NASA detetou uma “bolha” maciça, criada pelos seres humanos, no espaço em volta da Terra. Essa barreira tem um efeito no clima espacial que vai muito além da atmosfera do nosso planeta – o que significa que não estamos apenas a mudar a Terra, mas o espaço também.

Há algum tempo que os cientistas acreditam que deveria há uma nova era geológica, que criou uma bolha protetora provocada pela humanidade. O estudo foi publicado em 2017 na revista Science Space Reviews, mas só agora os cientistas confirmaram que se trata de uma barreira criada pelo Homem.

A boa notícia é que, ao contrário da nossa influência no próprio planeta, a bolha que criamos no espaço é benéfica para nós.

Em 2012, a NASA lançou duas sondas espaciais para observar a cintura de Van Allen. O nosso planeta é cercado por dois desses cinturões de radiação (e um terceiro temporário): o interno estende-se por 640 a 9.600 quilómetros da Terra, enquanto o externo se encontra a uma distância de 13.500 a 58.000 quilómetros.

No ano passado, as sondas detetaram algo estranho enquanto monitorizavam a atividade das partículas carregadas presas no campo magnético da Terra: essas descargas solares perigosas estavam a ser mantidas à distância por algum tipo de barreira de baixa frequência.

Quando os cientistas investigaram mais a fundo, descobriram que essa barreira esteve a afastar ativamente os cinturões de Van Allen da Terra nas últimas décadas, e que as correntes de radiação estavam realmente mais distantes de nós do que nos anos 1960.

Esta barreira era formada por um certo tipo de comunicação de rádio de frequência ultrabaixa (VLF) – sinal que se tornou muito mais comum agora do que nos anos 1960, e que pode influenciar como e onde certas partículas no espaço se movem.

Por outras palavras, graças ao VLF, temos agora um clima espacial antropogénico, ou seja, criado pelo homem.

“Várias experiências e observações permitiram descobrir que, sob as condições certas, os sinais de comunicação de rádio na faixa VLF podem de facto afetar as propriedades do ambiente de radiação de alta energia ao redor da Terra”, disse Phil Erickson, investigador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA.

Os sinais de VLF não têm grande papel na nossa vida quotidiana, mas são um dos pilares de muitas operações científicas, militares e de engenharia.

As frequências entre 3 e 30 kHz são demasiado fracas para transmissão de áudio, mas são perfeitas para transmitir mensagens codificadas através de longas distâncias ou águas profundas.

Um dos usos mais comuns desses sinais é para comunicação em submarinos, por exemplo. Como os seus grandes comprimentos de onda podem difundir-se através de grandes obstáculos, como montanhas, também são usados para fazer transmissões em terrenos acidentados.

Não é esperado que tais sinais possam chegar a qualquer lugar além da Terra, mas estão a “fugir” para o espaço ao redor do nosso planeta – e em quantidade suficiente para formar uma gigantesca bolha protetora.

Quando os cientistas da NASA compararam a localização da bolha de VLF com os limites dos cinturões de radiação, inicialmente pensaram que era apenas uma coincidência interessante o facto de a extensão externa da bolha corresponder quase exatamente à borda interna dos cinturões.

Uma vez que perceberam que os sinais de VLF podiam influenciar o movimento das partículas carregadas dentro desses cinturões de radiação, concluíram que essa barreira criada sem querer pelo homem estava progressivamente a empurrá-los para longe.

Embora a bolha protetora não intencional seja provavelmente a melhor influência que já tivemos no espaço, certamente não é a única – temos deixado a nossa marca no espaço desde o século XIX e particularmente nos últimos 50 anos, graças aos testes com explosões nucleares.

Essas explosões criaram cinturões de radiação artificiais perto da Terra que já resultaram em grandes danos a vários satélites. Outros impactos antropogénicos no ambiente espacial incluem experiências químicas e o aquecimento da ionosfera por ondas de alta frequência.

PARTILHAR

RESPONDER

"Só há um responsável, que sou eu", assume Luís Filipe Vieira

O presidente do Benfica assumiu, este domingo, a responsabilidade pela crise de resultados e garantiu que Jorge Jesus irá cumprir até ao fim o contrato que o liga ao clube até 2022. Numa entrevista exclusiva à …

Governo reservou 1.251 milhões para acesso à habitação. 25 câmaras captaram mais de metade do apoio

O Governo reservou no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) 1.251 milhões de euros em subvenções para executar o programa de apoio ao acesso à habitação. Até agora, acordos com 25 câmaras já captaram mais …

Cientistas encontraram 70 mil vírus nunca antes vistos no intestino humano

Cientistas identificaram mais de 70 mil vírus, até então desconhecidos, que vivem no nosso intestino e infetam as bactérias que lá vivem (como afetam o nosso corpo é ainda um mistério). No novo estudo, conta o …

Direita ultrapassa PS com subida da Iniciativa Liberal. Chega cai

Uma sondagem da Aximage para o Diário de Notícias, Jornal de Notícias e TSF revela que o PS está a perder peso nas intenções de voto, tendo sido ultrapassado pela direita. Segundo a sondagem, divulgada pelo …

Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas, "muito mais" do que as necessárias

Em entrevista à agência Lusa, Marta Temido anunciou que Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19. Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19, “muito mais” do …

Governo ainda está a tempo de "reverter" venda de barragens da EDP

A coordenadora do Bloco de Esquerda disse este domingo que o Governo ainda está tempo de reverter o negócio das venda de seis transmontanas, que terá permitido à EDP poupar 110 milhões em imposto de …

Cientistas encontraram abelha australiana que não era vista há 98 anos

Uma espécie de abelha nativa das florestas tropicais do leste da Austrália foi encontrada pela primeira vez em 98 anos. De acordo com o site IFLScience, trata-se da espécie Pharohylaeus lactiferus, abelha nativa do leste da …

Marcelo destaca papel de profissionais de UCI. Costa agradece à Madeira e FPF

O Presidente da República destacou e agradeceu o papel dos profissionais de saúde que estão nos cuidados intensivos, pelo seu papel no combate à pandemia, que considerou uma "saga nacional". "Eu queria, em primeiro lugar, louvar …

Entre farpas a Biden e Fauci, Trump admitiu concorrer à Casa Branca em 2024 (e vencer pela "terceira vez")

No primeiro discurso desde que saiu da Casa Branca, o antigo presidente Donald Trump deu a entender que vai concorrer novamente em 2024 e disse que Joe Biden "perdeu a Casa Branca". O ex-presidente dos Estados …

Cientistas estão a criar um "gémeo digital" da Terra (para prever o futuro)

Uma equipa de cientistas europeus começaram a trabalhar num plano ambicioso para prever o futuro das alterações climáticas: reconstruir uma versão virtual de toda a Terra para representar diferentes cenários. O planeta virtual faz parte de …