Os arqueólogos continuam sem perceber mistério das bolas de pedra com 5 mil anos

(dr) National Museums Scotland

Os modelos 3D das misteriosas bolas de pedra do Neolítico

Alguns dos mais enigmáticos objetos feitos por humanos na Idade da Pedra continuam a intrigar arqueólogos, mais de 200 anos depois de terem sido descobertos no continente europeu.

De acordo com o Live Science, estes misteriosos objetos tratam-se, essencialmente, de bolas de pedra esculpidas com o tamanho de bolas de basebol. Recentemente, os arqueólogos encontraram mais 500 exemplares, a maioria no nordeste da Escócia, mas também nas ilhas Órcades, em Inglaterra, na Irlanda e na Noruega.

Os investigadores ainda não conseguiram entender o propósito ou significado destes objetos neolíticos, porém, decidiram agora criar modelos virtuais 3D que revelaram novos detalhes, incluindo padrões que antes se encontravam escondidos.

Hugo Anderson-Whymark, o curador do Museu Real da Escócia que criou estes modelos, explicou ao mesmo site que já foram propostas inúmeras teorias ao longo dos anos para tentar explicar a função destas pedras.

Entre essas hipóteses está a possibilidade de serem a parte superior de armas perigosas, pesos usados pelos comerciantes neolíticos ou rolos para o transporte das pedras gigantes utilizadas nos monumentos megalíticos.

Uma teoria é a de que os puxadores de muitas dessas bolas foram enrolados com cordel, o que permitiu que fossem atirados como bolas sul-americanas. Outras hipóteses descrevem-nas também como objetos de devoção religiosa ou símbolos de status social.

“Muitas das teorias têm de ser tidas em conta com precaução, enquanto que há outras que podem ser plausíveis”, explica Anderson-Whymark. “O que é interessante é que realmente captam a nossa imaginação – e ainda guardam muitos segredos”, acrescenta.

Modelos 3D

Os 60 modelos 3D agora desenvolvidos pelo museu foram divulgados online, com o objetivo de que todas as pessoas interessadas por estes artefactos, em qualquer parte do mundo, possam examinar todos os seus detalhes e a partir de qualquer ângulo.

A coleção online inclui o objeto mais famoso, conhecido por “bola Towie”, que foi encontrado perto da vila de Towie, no nordeste da Escócia, por volta de 1860. Esta bola foi esculpida com padrões espirais entrelaçados em três dos seus quatro lóbulos e é considerada um dos melhores exemplos da arte neolítica alguma vez já encontrada.

Segundo Anderson-Whymark, os arqueólogos mais antigos consideraram estranho que estes objetos tão detalhados tivessem sido feitos apenas com ferramentas de pedra e, por isso, atribuíram-nas erradamente aos Pictos, antigos habitantes da Escócia que viveram no final da Idade do Ferro e no início do período Medieval, entre 1800 e 1100 anos atrás.

Mais tarde, os arqueólogos foram capazes de perceber que estas pedras pertenciam ao período Neolítico, há cerca de cinco mil anos, quando realmente apenas eram utilizadas ferramentas de pedra, explica o investigador.

Muitos dos ornamentos encontrados nestas bolas de pedra também foram encontrados em esculturas de túmulos do Neolítico, que apresentam câmaras subterrâneas no final de longas passagens de pedra como, por exemplo, o túmulo de Newgrange, na Irlanda.

Estas semelhanças indicam que, já durante esta época, as populações de diferentes regiões da Europa partilhavam ideias comuns, o que mostra alguma forma de interação entre as comunidades, afirma Anderson-Whymark.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Não há dúvidas que demonstram formas geométricas, inclusive os cinco sólido platónicos e outras tantas parecem certas moléculas.

Trump obriga grupo chinês a vender operações do TikTok nos EUA

O Presidente norte-americano deu, na sexta-feira, 90 dias ao grupo chinês ByteDance para vender as suas operações do TikTok nos Estados Unidos, segundo um decreto presidencial assinado por Donald Trump. Trump tem acusado nos últimos meses, …

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …