Análises comprovam boa qualidade da água na base das Lajes

Esta sexta-feira, a Força Aérea esclareceu que as análises certificadas à qualidade dá água para consumo humano, nos aquíferos na zona da Base Aérea n.º4, nas Lajes, comprovam a “boa qualidade”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A Força Aérea esclareceu, esta sexta-feira, que as análises comprovam a “boa qualidade” da água para consumo na base das Lajes.

“O Comando da Zona Aérea questionou o 65th Air Base Group (65th ABG) sobre a existência e validade do 2015 Water Drinking Quality Report. Em resposta, estes informaram que se trata de um documento interno, cujos resultados não foram obtidos em laboratório certificado”, refere a Força Aérea em comunicado.

De acordo com o documento, as “análises oficiais, essas sim realizadas em entidades certificadas, de 2015 até à presente data, comprovam a boa qualidade da água para consumo”.

A Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores (ERSARA) revelou, também esta sexta-feira, que irá solicitar esclarecimentos ao comando da Base Aérea n.º 4, nas Lajes, sobre a qualidade da água fornecida ao Bairro de Santa Rita.

A medida surge na sequência de uma notícia avançada pelo Expresso, citando um relatório da Força Aérea norte-americana, que deteta valores de produtos químicos e metais pesados acima dos limites permitidos na água fornecida na base das Lajes.

São ainda revelados e-mails da Força Aérea Portuguesa (FAP) a recomendar que os militares e os funcionários portugueses da base das Lajes não consumissem água sem a ferver, por se encontrar “imprópria para consumo“. Em relação a estes a-mails, o documento explica que foram 10 e que “não estão relacionados com a rede de distribuição do 65th ABG”.

“A rede da BA4 e a do 65th ABG são independentes e com pontos de captação distintos. O envio destes emails deveu-se a uma medida de precaução após a receção de resultados de análises à qualidade da água, realizadas em julho de 2017, nas quais foi evidenciada uma contaminação de origem bacteriana na água distribuída à área edificada sob responsabilidade da Força Aérea, com origem no interior da própria rede”, esclarece.

A Força Aérea salienta que após a localização e delimitação das áreas afetadas, a rede sofreu as intervenções necessárias para erradicação da contaminação.

“Após estas intervenções, a qualidade da água regressou aos padrões normais de qualidade. Não foi registada qualquer ocorrência do foro sanitário entre os militares e civis da BA4 decorrente desta situação”, conclui.

PUBLICIDADE

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.