Bloco quer saber se Cavaco Silva recebeu donativos do BES ou do GES

14

Tiago Petinga / Lusa

O ex-Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva

O Bloco de Esquerda quer que o ex-Presidente da República esclareça em que informações se baseou para falar, em 2014, da “estabilidade e solidez” do sistema bancário português, perguntando-lhe também se “recebeu donativos” do BES ou do GES.

Estas são algumas das perguntas que os bloquistas querem que sejam enviadas para o depoimento por escrito que vai ser pedido a Cavaco Silva, no âmbito da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, um requerimento apresentado pelo PS no final de março.

“Em que se baseou para declarar, uma semana antes da apresentação dos prejuízos do BES no 1.º semestre de 2014, que “pela informação que tenho, o Banco de Portugal tem vindo a atuar muito bem para preservar a estabilidade e solidez do nosso sistema bancário”, pergunta o Bloco.

O BE pretende ainda que Cavaco Silva esclareça se “recebeu donativos de membros de órgãos de administração do BES ou do GES”, questionando quem foram os financiadores, qual a data e o montante dos respetivos donativos.

Os bloquistas, representados na comissão de inquérito por Mariana Mortágua, querem ainda saber que audiências o ex-Presidente realizou desde 2010 com Ricardo Salgado, enquanto chefe de Estado, ou com outros membros de órgãos de administração do BES ou do GES, pedindo detalhes sobre datas e o seu conteúdo.

“Manteve contactos informais com Ricardo Salgado, com outros membros de órgãos de administração do BES ou do GES ou com alguém em sua representação? A situação do BES/GES foi abordada?”, interroga ainda.

A existência de contactos formais ao longo de 2014, ano do colapso do BES, com o Banco de Portugal, o Governo ou outras instituições acerca da situação daquela instituição é outra das questões que o BE pretende ver esclarecidas.

O tema do BESA é alvo de outra das perguntas a Cavaco Silva. “Procurou ou manteve algum tipo de contacto com instituições angolanas sobre a situação do BESA ou da garantia soberana sobre uma carteira de créditos daquele banco?”, questiona.

Tal como foi avançado esta semana, de acordo com o regulamento das comissões de inquérito, Cavaco Silva não será obrigado a responder a estas questões.

“O Presidente da República, bem como os ex-Presidentes da República, por factos de que tiveram conhecimento durante o exercício das suas funções e por causa delas, têm a faculdade, querendo, de depor perante uma comissão parlamentar de inquérito, gozando nesse caso, se o preferirem, da prerrogativa de o fazer por escrito”, explicou o presidente da comissão de inquérito, Fernando Negrão.

O foco da questão está na palavra “querendo”, ou seja, tudo depende da sua vontade própria.

O PS requereu, a 25 de março, os depoimentos por escrito do antigo Presidente da República Cavaco Silva, dos ex-primeiros-ministros Durão Barroso e Passos Coelho e a audição presencial do ex-comissário europeu Carlos Moedas na comissão de inquérito do Novo Banco, audição esta que aconteceu já esta semana.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

 

  ZAP // Lusa

 

 

 

14 Comments

  1. Os governantes socialistas fizeram asneira da grossa ao interferir no processo do BES.
    Agora vêm requerer a audição de quem nada teve a ver com o desastre que foi a nacionalização dum banco falido, chegando ao ponto de escamotear as responsabilidades que tiveram, lançando suspeitas de impacto mediático de forma a reescrever a narrativa dos acontecimentos, e de inverter a incompetência demonstrada pela geringonça na injecção de milhares de milhões de euros no buraco sem fundo na resolução do BES e Novo Banco.
    O BE na sua ânsia de atirar para outros a responsabilidade que teve em todo o processo, demonstra bem a a falta de vergonha e a hipocrisia que o caracteriza.

    • Ó Cardoso ganha vergonha. a resolução do BES foi levada a cabo pelo governo PSD/CDS. O múmia a mando do Salgado disse que com o BES estava tudo bem. Que histórias é que tu queres contar?!!

      • A resolução do BES foi levada a cabo pelo governo do PSD/CDS porque estes, ao contrário dos socialistas, não estenderam o tapete vermelho ao dono disto tudo. Essa é que é a realidade. O Ricardo Salgado bem que tentou que o governo mete-se a mão a apoiar a queda do BES, através da CGD, e o Passos mandou-o passear. Se tivesse sido com os socialistas já todos sabemos como teria acabado. Mais uma vez a passadeira seria estendida ao dono disto tudo.

        • Exacto, e assim já sabemos como acabou!!
          Muito melhor, sem dúvida… eles juram que a resolução não envolvia dinheiro dos contribuintes, mas conta já vai em 7 mil milhões e continua a contar…
          Desconfio que nem o Sócrates faria pior!…

      • Ganda Noia ; nao seja ignorante, O PSD / CDS fizeram a resolução do BES, Mas o proc estava resolvido, no entanto a geringonça resolveu vender o patrimonio e as paridades a preços que todos sabemos, e anda la a meter rios de dinheiro porque depois e a dividir pelos amigos. abre os olhos mula.

    • Eh lá… é obra alguém vir tentar desviar o assunto com estorinhas, quando até é publico que o Cavaco recebeu mesmo donativos do BES!!

  2. Eh lá… é obra alguém vir tentar desviar o assunto com estorinhas, quando até é publico que o Cavaco recebeu mesmo donativos do BES!!

  3. Ele, uma figura íntegra como é (que ainda está para nascer quem seja mais do que ele) dizer ao povo português que era seguro confiar no BES, porque terá sido?

  4. Ou recebeu “donativos”, foi incompetente, ou as duas coisas, quando em Julho de 2014 foi categórico, a afirmar que os portugueses podem confiar no Banco Espírito Santo.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.