Bielorrússia cortou acesso à internet e tentou fazer com que parecesse um acidente

Yauhen Yerchak / EPA

No seguimento da reeleição de Alexandr Lukashenko na Bielorrússia, multiplicam-se os apagões de internet. O Governo diz que se trata de um ataque cibernético, mas há suspeitas de que seja um plano do presidente.

Os protestos continuam na Bielorrússia após a reeleição do presidente Alexandr Lukashenko. Paralelamente, a internet foi cortada no país, com o líder bielorrusso a justificar que o acontecimento não é obra do seu Governo, mas sim de um adversário estrangeiro não identificado.

A empresa estatal RUE Beltelecom disse que está a trabalhar para resolver as interrupções e restaurar o serviço após “vários ciberataques de intensidade variável”.

Embora os responsáveis bielorrussos garantam que se trata de um ataque de negação de serviço (DDoS), a VICE escreve que, pelos vistos, trata-se apenas de uma desculpa. Quem o diz é a NetBlocks, um grupo de defesa dos direitos digitais que tem monitorizado os apagões.

Os apagões de internet começaram no dia das eleições, no domingo, e continuam até esta terça-feira. Em causa estará um plano levado a cabo pelo Governo para desativar o acesso à internet, impedindo que a população partilhe imagens dos violentos confrontos com a polícia durante os protestos.

“Estamos a assistir ao bloqueio e à limitação do Twitter na Bielorrússia em reação aos protestos contestando o resultado da eleição”, escreveu a equipa do Twitter na rede social. A desconexão da Internet é extremamente prejudicial. Eles violam fundamentalmente os direitos humanos básicos e os princípios da Internet aberta”.

Analistas da NetBlocks identificaram mais de 10 mil palavras-chave usadas para bloquear o acesso a vários sites, tais como YouTube, Twitter e Facebook. Cadeias noticiosas como CNN, Al Jazeera e Fox News também estão bloqueadas no país, escreve a VICE.

De acordo com a NetBlocks, o apagão da Internet não se trata de um mau funcionamento ou uma falha técnica: é o resultado de um plano bem elaborado.

Ainda na semana passada, ativistas previram que Lukashenko cortaria o acesso à internet durante e após as eleições. Como tal, enviaram uma carta aberta ao presidente bielorrusso, apelando para que não o fizesse.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O Modus operandi é sempre o mesmo.
    No caso da Venezuela, o Maduro cortou não apenas a internet, mas a luz e a água. As pessoas , em vez de irem para a rua manifestar-se, tivera de ver o que arranjavam para comer e beber.
    Técnicas para desestabilizar e desagregar os manifestantes.
    Só espero que acabem com esses diatdorzecos.

RESPONDER

Carlos Moedas "tem uma costela liberal". IL pondera apoio ao candidato à câmara de Lisboa

O líder da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, disse que Carlos Moedas, candidato à câmara de Lisboa apoiado pelo PSD, tem um "perfil liberal", mas que o partido precisa de perceber projeto do …

Primeiro-ministro da Arménia acusa militares de tentativa de golpe de Estado

O primeiro-ministro da Arménia referiu-se hoje a "tentativa de golpe de Estado" depois de o Estado Maior ter pedido o afastamento do governo num contexto de protestos por causa da derrota no último conflito com …

EUA condenam Coreia do Norte a indemnizar militares torturados em 1968

A Justiça dos Estados Unidos (EUA) condenou Pyongyang a indemnizar em 2,3 mil milhões de dólares (cerca de dois mil milhões de euros) os tripulantes de um navio da Marinha norte-americana, que foram capturados e …

Ex-gestores do Novo Banco seguem para Banco do Fomento e para CGD

Os gestores Vítor Fernandes e Jorge Freire Cardoso, que saíram do Novo Banco em divergência com a estratégia da Lone Star, vão desempenhar as funções de presidente do Banco de Fomento e de administrador na Caixa …

EUA acusado de prometer contrapartidas a Cabo Verde pela extradição de testa-de-ferro de Maduro

O antigo juiz espanhol Baltasar Garzón, que coordena a defesa de Alex Saab, detido em Cabo Verde e considerado testa-de-ferro do Presidente venezuelano Nicolás Maduro, acusou na quinta-feira os Estados Unidos (EUA) de prometerem contrapartidas …

Bispo italiano sugeriu a padre que pagasse 20 mil euros a vítima de pedofilia

O bispo católico de Como, em Itália, afirmou ter sugerido a um jovem padre suspeito de pedofilia que pagasse 20 mil euros à suposta vítima para encerrar uma investigação interna ao caso ocorrido numa residência …

Governo reforça financiamento de projetos LGBTI com 50 mil euros

O Governo vai reforçar em 50 mil euros o financiamento de projetos de organizações que atuem na defesa dos direitos das pessoas lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexo (LGBTI), anunciou o gabinete da secretária de …

CDS pede ao Governo "um plano de desconfinamento controlado, à inglesa"

Francisco Rodrigues dos Santos quer que o Executivo apresente um plano de desconfinamento que permita a retoma da atividade de alguns setores. Esta sexta-feira, o presidente do CDS-PP insistiu na necessidade de o Governo apresentar um …

Para os idosos que estão em lares, visitar a família sem isolamento poderá acontecer em maio

A CNIS estima que, com todos os idosos residentes em lares vacinados, maio possa ser o mês da libertação depois de mais de um ano de pandemia, confinamentos e restrições apertadas. DGS diz que orientações …

UE retalia e declara chefe da missão venezuelana "persona non grata"

A União Europeia (UE) decidiu, esta quinta-feira, declarar a chefe da missão venezuelana em Bruxelas persona non grata, respondendo ao anúncio feito por Caracas de dar 72 horas à embaixadora comunitária para abandonar o país. "Por …