Benjamin “morreu” enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes.

Em 1996, Benjamin Schreiber espancou um homem até à morte no Estado do Iwoa, nos Estados Unidos, e foi condenado a pena de prisão perpétua.

Em 2015, o norte-americano foi assistido de emergência num hospital, devido a um grave problema renal, e entrou em paragem cardiorrespiratória. O homem acabou por ser “ressuscitado” pela equipa médica que o assistiu, e regressou novamente à prisão de Iowa.

No ano passado, entrou com um pedido de liberdade insólito, no qual alegava que foi “ressuscitado” contra sua vontade e que a “morte”, ainda que temporária, foi tecnicamente cumprida. Ou seja, no entender de Schreiber, como morreu antes de regressar à vida, ele cumpriu tecnicamente a sua pena de prisão perpétua.

Mas morrer por um curto período de tempo não equivale a um cartão de saída da cadeia. Apesar de considerar o pedido “original”, o tribunal não acedeu às pretensões do condenado.

Na quarta-feira, a Justiça decidiu, assim, que Benjamin Schreiber permanecerá na prisão até que um médico legista determine que o norte-americano está morto (para sempre).

O coração parou, mas a pena não

Quando, em abril de 2018, Schreiber alegou que estava preso ilegalmente, uma vez que a sua pena deveria ter terminado com a sua morte, um juiz do tribunal distrital não ficou convencido com a sua tentativa de encontrar, na própria lei, a sua oportunidade para sair da prisão.

O juiz considerou que o argumento de Schreiber era “não persuasivo e sem mérito”, dado que só o facto de o norte-americano ser capaz de apresentar uma moção legal a solicitar a sua libertação “confirma o status atual do peticionário como vivo”.

Mas o recluso levou a sua luta mais longe, a um tribunal de segunda instância, que também não ficou convencido com os argumentos do norte-americano. Esta quarta-feira, na sua decisão, o tribunal deixou claro que não tentou considerar a definição espiritual ou médica de “morte” (uma questão filosófica que já gerou muitas disputas legais e debates sobre ética). Em vez disso, os juízes concentraram-se no que significa “vida na prisão“.

“Não acreditamos que o legislador pretenda que esta disposição […] liberte os réus criminais sempre que procedimentos médicos durante o encarceramento levem à ressuscitação por profissionais médicos”, escreveu a juíza Amanda Potterfield, numa declaração citada pelo Science Alert.

Além disso, o tribunal decidiu que Benjamin Schreiber não pode beneficiar dos dois lados: alegar estar morto no panorama da justiça criminal, enquanto prossegue simultaneamente a sua vida.

Schreiber permanece preso na cadeia de Iowa, na zona rural de Lee County, nos Estados Unidos. O seu advogado não prestou declarações, pelo que ainda não está claro se o norte-americano irá recorrer desta decisão.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Nicolas Bourbaki foi o maior matemático de sempre (mas nunca existiu)

Considerado como um dos maiores matemáticos de sempre, Nicolas Bourbaki não passava de um pseudónimo adotado por um grupo de grandes matemáticos, que revolucionou a matemática como a conhecemos. Nicolas Bourbaki está entre os maiores matemáticos …

No aquário do Tennessee, é uma enguia que acende as luzes da árvore de Natal

A enguia Miguel Wattson é a responsável pelo espírito natalício que se vive no Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos. O Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos, encontrou uma forma inusitada de celebrar esta época festiva: …

Há 34 anos, Diana dançou com Travolta. Agora, o seu vestido foi vendido por 261 mil euros

O vestido que a Princesa Diana usou para jantar na Casa Branca, em 1985, foi vendido por mais de 261 mil euros. O vestido azul que a Princesa Diana usou num jantar na Casa Branca, em …

Doentes crónicos com baixo nível de literacia em saúde recorrem mais às urgências

Os doentes crónicos e com um nível de literacia em saúde mais baixo utilizam mais vezes os serviços de urgência hospitalares e dos centros de saúde, bem como as consultas de medicina geral e familiar, …

Ártico viveu em 2019 o segundo ano mais quente em 119 anos

O Ártico viveu em 2019 o seu segundo ano mais quente desde 1900, de acordo com um relatório publicado na terça-feira, aumentando receios de degelo e aumento do nível da água. O Polo Norte está a …

Jardineiro encontra por acaso a obra mais procurada de Gustav Klimt. Estava no galeria onde foi roubada

Um funcionário da galeria de arte Ricci Oddi, na cidade italiana de Piacenza, encontrou por acaso a obra mais procurado do pintor austríaco Gustav Klimt. Estava na própria galeria, onde a obra terá sido roubada …

YouTube reforça políticas contra assédio online

O YouTube anunciou, esta quarta-feira, um conjunto de alterações às políticas que visam combater o assédio que existe na plataforma. O YouTube anunciou esta quarta-feira o reforço das suas políticas contra o assédio online, que preveem …

Deus bebé indiano vence caso em tribunal e reinvindica território sagrado

O Supremo Tribunal Indiano declarou Ram Lalla Virajman, um deus bebé, como o legítimo proprietário de Ayodhya, uma terra no norte da Índia considerada sagrada por muçulmanos e hindus. O tribunal decidiu que o Governo …

China usa comités partidários para manipular empresas estrangeiras

Em outubro, quando a Liga Norte-Americana de Basquetebol (NBA) tentou voltar atrás no apoio aos protestos em Hong Kong, foi criticada por se submeter ao regime autoritário da China. Mas são cada vez mais as …

Ângelo Rodrigues, Flamengo e Tinder. Os temas mais procurados pelos portugueses no Google

Ângelo Rodrigues, Flamengo, como saber onde votar, como funciona o Tinder e "Game of Thrones" estão entre os tópicos que os utilizadores portugueses do Google mais pesquisaram ao longo de 2019. Os dados são divulgados …