Benjamin “morreu” enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes.

Em 1996, Benjamin Schreiber espancou um homem até à morte no Estado do Iwoa, nos Estados Unidos, e foi condenado a pena de prisão perpétua.

Em 2015, o norte-americano foi assistido de emergência num hospital, devido a um grave problema renal, e entrou em paragem cardiorrespiratória. O homem acabou por ser “ressuscitado” pela equipa médica que o assistiu, e regressou novamente à prisão de Iowa.

No ano passado, entrou com um pedido de liberdade insólito, no qual alegava que foi “ressuscitado” contra sua vontade e que a “morte”, ainda que temporária, foi tecnicamente cumprida. Ou seja, no entender de Schreiber, como morreu antes de regressar à vida, ele cumpriu tecnicamente a sua pena de prisão perpétua.

Mas morrer por um curto período de tempo não equivale a um cartão de saída da cadeia. Apesar de considerar o pedido “original”, o tribunal não acedeu às pretensões do condenado.

Na quarta-feira, a Justiça decidiu, assim, que Benjamin Schreiber permanecerá na prisão até que um médico legista determine que o norte-americano está morto (para sempre).

O coração parou, mas a pena não

Quando, em abril de 2018, Schreiber alegou que estava preso ilegalmente, uma vez que a sua pena deveria ter terminado com a sua morte, um juiz do tribunal distrital não ficou convencido com a sua tentativa de encontrar, na própria lei, a sua oportunidade para sair da prisão.

O juiz considerou que o argumento de Schreiber era “não persuasivo e sem mérito”, dado que só o facto de o norte-americano ser capaz de apresentar uma moção legal a solicitar a sua libertação “confirma o status atual do peticionário como vivo”.

Mas o recluso levou a sua luta mais longe, a um tribunal de segunda instância, que também não ficou convencido com os argumentos do norte-americano. Esta quarta-feira, na sua decisão, o tribunal deixou claro que não tentou considerar a definição espiritual ou médica de “morte” (uma questão filosófica que já gerou muitas disputas legais e debates sobre ética). Em vez disso, os juízes concentraram-se no que significa “vida na prisão“.

“Não acreditamos que o legislador pretenda que esta disposição […] liberte os réus criminais sempre que procedimentos médicos durante o encarceramento levem à ressuscitação por profissionais médicos”, escreveu a juíza Amanda Potterfield, numa declaração citada pelo Science Alert.

Além disso, o tribunal decidiu que Benjamin Schreiber não pode beneficiar dos dois lados: alegar estar morto no panorama da justiça criminal, enquanto prossegue simultaneamente a sua vida.

Schreiber permanece preso na cadeia de Iowa, na zona rural de Lee County, nos Estados Unidos. O seu advogado não prestou declarações, pelo que ainda não está claro se o norte-americano irá recorrer desta decisão.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …