Benfica 1-1 Arsenal | Águias e londrinos deixam tudo em aberto

Ettore Ferrari / EPA

Terminou empatada a um golo a primeira mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa, que colocou pela frente Benfica e Arsenal e que decorreu nesta quinta-feira no Estádio Olímpico de Roma.

Já na segunda parte, Pizzi abriu a contagem na conversão de uma grande penalidade, mas Bayoko Saka decretou o resultado final e deixou os ingleses com uma ligeira vantagem por terem marcado fora de portas. A segunda mão está agendada para daqui a uma semana em Atenas. Apenas a espaços as “águias” conseguiram gizar lances perigoso e, não obstante terem melhorado no capítulo defensivo, voltaram a denotar as habituais dificuldades no ataque posicional e em definir com acerto os lances nas imediações do último terço do terreno.

O jogo explicado em números

  • Algumas surpresas no “onze” apresentado por Jorge Jesus. Lucas Veríssimo, Luca Waldschmidt e Pizzi foram titulares, com o treinador a optar por um esquema de três defesas. Do lado dos “gunners”, Cédric Soares, como defesa-esquerdo, e David Luiz foram apostas de Arteta, que escolheu o mesmo “onze” que iniciou o triunfo ante o Leeds na última jornada da Premier League.
  • Fase inicial com apenas um remate (desenquadrado), sem lances de perigo e muito disputado na zona central. Os londrinos tentavam sair a construir desde trás (75% da posse de bola), face a uns lisboetas mais resguardados, que espreitavam explorar as costas do eixo defensivo contrário.
  • Após um primeiro aviso, no qual valeu a rapidez de Helton Leite a sair dos postes, aos 18 minutos, Bellerín assistiu e Aubameyang, com a baliza à mercê, fez o mais difícil e atirou ao lado. Ocasião flagrante desperdiçada pelo Arsenal. Nesta fase, os ingleses tinham dois remates (um ao alvo) e o Benfica uma tentativa (que saiu ao lado).
  • Já após a meia-hora surgiu o primeiro tiro enquadrado desferido pelas “águias”: Darwin Núñez rematou com força e obrigou Leno a uma intervenção a dois tempos. Nesta fase, Jan Vertonghen era o jogador em destaque, com 5.9 e apenas um passe falhado em 12 tentativas, oito passes progressivos correctos, 18 acções com o esférico, um desarme, duas intercepções e somante uma falta cometida.
  • Já em período de descontos, soberana oportunidade falhada pelas “águias”. Grimaldo roubou a bola nas imediações da área adversária e em vez de accionar o remate, preferiu assistência para Darwin, mas Ceballos surgiu na “hora H” e cortou o lance para canto.
  • Aos 19 minutos valeu a desacerto de Aubameyang, mas com a passagem dos minutos os benfiquistas foram ganhando confiança e tiveram duas oportunidades em que poderiam ter feito mossa. Um duelo muito táctico que chegou ao descanso empatado a zero. Vertonghen rubricou uns primeiros 46 minutos quase imaculados e foi o MVP neste período. Da “performance” do central belga, de realçar as três intercepções que realizou e os dois passes que bloqueou. Além disso, esteve quase perfeito no capítulo do passe (92%), falhando apenas dois dos 24 tentados. O antigo jogador do Tottenham foi premiado com um GoalPoint Rating de 6.1.
  • Ao minuto 48 um remate cruzado de Pizzi saiu frouxo e à figura de Leno e quatro minutos volvidos, Saka por poucos centímetros não finalizou com êxito.
  • Da marca dos 11 metros, o Benfica abriu a contagem marcava o relógio 55 minutos. Pizzi não falhou no frente-a-frente com Leno e chegou aos sete tiros certeiros na prova. Na génese esteve uma mão na bola assinalada a Smith Rowe depois de um centro de Diogo Gonçalves.
  • Mas a vantagem durou escassos minutos, apenas dois, altura em que Saka deu a melhor sequência a um cruzamento de Cédric Soares e empatou o encontro. Com mais espaços, os dois emblemas começavam a fazer estragos…
  • No período mais empolgante da partida, Rafa, que entrou ao intervalo para o lugar de Luca Waldschmidt, rematou de trivela e obrigou o guardião “gunner” a uma excelente defesa. Na resposta, Aubameyang viu a bola sair um pouco ao lado do alvo e aos 70 minutos, Otamendi esteve atento e impediu que a bola chegasse ao capitão dos londrinos. O Benfica tinha cinco remates (quatro enquadrados) e 41% da posse de bola e o Arsenal seis tentativas (duas ao alvo) e 59% da posse.
  • Num contragolpe quase perfeito, Taarabt conduziu, passou a bola a Everton que, da esquerda para o centro, rematou e por muito pouco não voltou a colocar os “encarnados” na linha da frente do marcador. Segundos depois, Lucas Veríssimo vestiu a pele de bombeiro e, com um corte assertivo, estragou a festa a Aubameyang. 
  • Os dois treinadores continuaram a mexer nas respectivas equipas, mas o resultado não sofreu alterações. O emblema da Luz embora tenha actuado em casa emprestada, há 27 partidas – incluindo as pré-eliminatórias – na Liga Europa que não perde no seu reduto. Por seu turno, o Arsenal, ao sétimo duelo esta temporada na prova, não venceu pela primeira vez.

O melhor em campo GoalPoint

Estreia auspiciosa de Lucas Veríssimo com as cores das “águias”, após um “namoro” que durou longos meses. No esquema com três defesas delineado por JJ, o brasileiro actuou pelo lado direito e deixou bons apontamentos. Rápido, seguro e decisivo, ficando na memória a forma como conseguiu “roubar” um golo a Aubameyang que parecia certo aos 74 minutos. Até abandonar o terreno de jogo devido a fadiga física, a nove minutos dos 90, o antigo jogador do Santos teve 55 acções com a bola, levou a melhor em dois dos três duelos aéreos defensivos em que interveio, recuperou a posse em nove ocasiões, ajudando ainda com quatro alívios, sete passes progressivos certos, duas intercepções, dois alívios e duas acções defensivas no meio-campo contrário. O defensor acabou por acumular um GoalPoint Rating de 6.9.

Jogadores em foco

  • Saka 6.9 – O jovem prodígio está a realizar uma excelente época e esta quinta-feira voltou a deixar à vista aquilo que pode fazer. Apontou o golo que deixou os “gunners” na frente da eliminatória e sempre que atacou deixou a defensiva “encarnada” em sobressalto. A destacar as sete acções com a bola na área, um máximo no jogo, e as três faltas que sofreu.
  • Ødegaard 6.6 – Chegou emprestado pelo Real Madrid e pegou de estaca no “onze” londrino. Exibiu-se a um bom plano e teve o mérito de ligar o jogo da equipa com qualidade e mestria. Os seis passes valiosos realizados são disso exemplo.
  • Pizzi 6.6 – Letal, não vacilou e voltou a deixar a sua marca na prova e já lá vão sete golos em outros tantos jogos. Com menos bola do que aquilo que é habitual, teve quatro acções com o esférico na área do Arsenal e quatro intercepções.
  • Diogo Gonçalves 6.2 – Com a missão de carrilar o jogo pelo lado direito, esteve envergonhado na etapa inicial, mas ganhou confiança depois do intervalo e surgiu mais vezes na frente. O melhor exemplo ocorreu aos 54 minutos, quando cruzou e viu Smith-Rowe jogar a bola com uma das mãos. Além dos três centros que realizou, foi responsável por três acções defensivas no meio-campo adversário, dois desarmes e quatro intercepções.
  • Cédric Soares 5.7 – Adaptado ao lado esquerdo da defesa, o lateral luso esteve sólido e acabou por ter uma ligação umbilical ao tento do empate, com a assistência que fez para Saka concretizar o 1-1.
  • Aubameyang 4.5 – O capitão e craque do Arsenal teve uma noite para esquecer, desperdiçando duas oportunidades com selo de golo. O desacerto chegou também à forma como foi apanhado na armadilha do fora-de-jogo: ao todo, foram quatro vezes em que foi “enganado”.

Resumo

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A pior equipa dos últimos 30 anos.Futebol de terceira sem classe ou dinamismo.Um treinador boca grande traidor e sem ideias.Os ”Matraquilhos” são um desastre.Resumindo,uma equipa com um futebol banal e medíocre.

RESPONDER

Liquidez é "abundante" mas "é preciso fazê-la chegar" à economia, diz Centeno

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, indicou que a crise de 2008 e de 2020 não são comparáveis devido à abundância de dinheiro disponível e que há liquidez para travar o impacto económico, mas …

Chega quer telefone e Internet pagos aos trabalhadores do Estado em teletrabalho

O Chega entregou no Parlamento, este domingo, um projeto de resolução no qual recomenda ao Governo que dê "o exemplo" e pague as despesas de telefone e Internet aos trabalhadores do Estado que estão em …

Governo quer que progressões na Função Pública passem a ser anuais

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, admitiu propor aos sindicatos um alongamento da tabela remuneratória da função pública e criar progressões anuais. Em entrevista ao Diário de Notícias e Dinheiro …

Há 100 dias, a direita tombou os 24 anos de poder socialista açoriano. OE2021 é a prova de fogo

Há 100 dias, deu-se uma das maiores reviravoltas da política açoriana: José Manuel Bolieiro foi empossado presidente, o PS superou o PSD no sufrágio mas a maioria de direita no Parlamento uniu forças para pôr …

Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas, "muito mais" do que as necessárias

Em entrevista à agência Lusa, Marta Temido anunciou que Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19. Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19, “muito mais” do …

As mulheres na corrida a Marte (uma é portuguesa e sonha caminhar no Planeta Vermelho)

A chegada do veículo Perseverance da NASA a Marte teve dedo de várias mulheres, umas das quais a portuguesa Florbela Costa, Engenheira Aeronáutica do grupo suíço Maxon que falou com o ZAP sobre a sua …

"Truque" nas nomeações para altos cargos no Estado favorece PS

Em 165 concursos públicos para altos cargos, 129 deles são ocupados por dirigentes que tinham sido nomeados antes em regime de substituição. O Governo está a fazer nomeações para os cargos de topo no Estado …

Moratórias terminam no final do mês, mas banca afasta catástrofe

As moratórias privadas para crédito à habitação terminam já no próximo dia 31 de março e não está previsto o seu prolongamento. O ECO realça que as moratórias que vão terminar no final do mês representam …

Governo compra 139 mil computadores fornecidos pela empresa do Magalhães

Depois de ter lançado o Magalhães, que foi distribuído aos alunos do 1.º ciclo pelo Governo de José Sócrates, a JP Sá Couto vai voltar a fornecer computadores ao Estado. De acordo com o Correio da …

Julien Stéphan diz adeus ao Rennes após fazer história no clube

O treinador Julien Stéphan deixou hoje o comando técnico do Rennes, anunciou hoje o nono classificado da Liga francesa de futebol, após uma série de quatro derrotas seguidas e ter conseguido apenas um triunfo em …