Bancos sobem comissões no Crédito à Habitação para compensar juros negativos

Com a descida das taxas Euribor, muitos Bancos vêem-se obrigados a pagar juros aos clientes com Crédito à Habitação, o que está a levá-los a procurar alternativas para equilibrar os lucros. Desta forma, são cada vez mais as instituições que estão a aumentar as prestações associados aos empréstimos para compra de casa.

Foram cinco os bancos que agravaram as suas comissões em serviços relacionados com o Crédito à Habitação, segundo uma análise divulgada pelo Jornal de Notícias aos preçários das principais instituições financeiras que actuam em Portugal, entre Dezembro de 2019 e este mês de Fevereiro de 2020.

Entre os serviços onde se verificou aumento de preços está o valor que é pago pelos clientes para que os Bancos lhes cobrem as prestações do empréstimo. No caso da Caixa Geral de Depósitos (CGD), o valor passou para os 2,75 euros por mês, o que dá 33 euros por ano.

A comissão de gestão da prestação do Crédito à Habitação aumentou também no Crédito Agrícola, situando-se igualmente nos 2,75 euros por mês. O Banco também subiu em 30 euros a comissão de análise de dossier que custa agora 270 euros, enquanto a abertura de dossier ficou 25 euros mais cara, custando 175 euros. A avaliação também fica dez euros mais cara do que em Dezembro passado.

No BPI, a comissão de dossier subiu 5 euros, custando agora 290 euros, enquanto a preparação de minutas de escritura fica por 190 euros, ou seja, é 5 euros mais cara.

No Bankinter, houve um aumento de 25 euros por cada vistoria no Crédito à Habitação, custando agora 150 euros. Cada empréstimo implica, habitualmente, quatro vistorias, o que implica para os clientes um pagamento global de 600 euros, mais cem euros do em Dezembro passado.

No Banco Best, foram agravados os valores das declarações de dívida no Crédito à Habitação e de encargo com prestações, ficando 10 euros mais caras – cada uma custa agora 60 euros.

O aumento destas comissões justifica-se num cenário de taxas Euribor baixas, em que cada vez mais Bancos se vêem forçados a pagar juros aos clientes no Crédito à Habitação. Por outro lado, o crescente aumento da procura por empréstimos para comprar casa, depois de ultrapassado o cenário de crise, leva a que as instituições financeiras procurem rentabilizar os lucros.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.