Austrália insiste em investigar origem da Covid-19. China ameaça boicotar importação

Scott Morrison (ScoMo) / Facebook

Scott Morrison, primeiro-ministro da Austrália

A Austrália prometeu esta quarta-feira que vai continuar a exigir uma investigação sobre a origem do novo coronavírus, apesar de a China ter ameaçado boicotar as importações de bens e serviços australianos.

“A Austrália continuará a adotar esse curso de ação extremamente razoável e sensato. Este vírus já matou mais de 200.000 pessoas em todo o mundo e paralisou a economia global. As implicações e os impactos são extraordinários”, apontou o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, citado pela agência Lusa.

Na semana passada, o governo australiano pediu uma investigação “transparente” sobre a origem do novo coronavírus, que foi inicialmente detetado na cidade chinesa de Wuhan. A proposta, que inclui o aprofundamento na gestão e troca de informações sobre a doença, foi condenada por Pequim, que considerou existirem motivações políticas.

A Austrália, forte aliada de Washington, propôs a investigação logo após o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, ameaçar com “consequências” para a China, caso seja provado que o país é “deliberadamente responsável” por causar a pandemia.

O embaixador chinês em Camberra, Cheng Jingye, sugeriu então um possível boicote chinês sobre produtos australianos como carne e vinho, e outros serviços do país oceânico. A China é o principal parceiro comercial da Austrália.

Numa entrevista publicada na segunda-feira no Australian Financial Review, Cheng Jingye alertou que, caso a tensão aumente, “os turistas podem ter dúvidas. Talvez os pais dos alunos também tenham dúvidas sobre se este lugar não é tão acolhedor e agradável, mas antes hostil”.

O chefe do Tesouro australiano, Josh Frydenberg, respondeu esta quarta-feira também, garantindo à rede local Sky News que o seu país “não se curvará perante a extorsão, e vai continuar a defender o interesse nacional australiano e a não negociar a saúde para obter resultados económicos”.

As relações entre os dois países deterioraram-se devido a questões como a militarização do Mar do Sul da China por Pequim ou a aprovação na Austrália de leis contra interferência estrangeira, depois de terem sido descobertos casos de doações chinesas a políticos e ciberataques a agências estatais e universidades australianas, atribuídas à China.

Segundo um balanço da agência AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 215 mil mortos e infetou mais de três milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 840 mil doentes foram considerados curados. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Só quem tem algo a esconder, escuda-se atrás do argumento ‘político’. 200.000 e a contar devem ser todos políticos. Sabemos que para a China 200.000 não tem significado e que o pão na mesa dos outros é problema deles, mas já tivemos pelo menos três viruses oriundos da China e o quarto não deve tardar. Se a China quer boicotar a importação de produtos de países que fazem perguntas incómodas, então vou começar com um boicote privativo de produtos chineses. Vai ser difícil, porque não sei como, mas em quase tudo há alguma coisa deles incorporado.

    • Estou completamente de acordo.
      Tenho uma proposta a fazer. É tempo de devolver o desemprego à China ela que nos “roubou” as empresas e as tecnologias e que está, literalmente, prestes a comprar um país africano (a Zambia) por via de manobras financeiras. O Sri Lanka e outros que estão na rota da seda também são ou serão alvo dessas manobras (proponho a construção de uma strutura mas obrigo-te a garantir uma percentagem do investimento que eu sei que não poderás pagar. Lipimho limpimho. A Bélgica não autorizou a compra de estruturas de eletricidade nós não… resultado; muitos milhões de dividendos à Three Gorges e uma eletricidade cara para nós).
      Se deixarmos de importar da China faremos com que les produzam menos.
      As nossas produções são mais caras, certo. Mas só precisamos de comprar barato porque a nossa estrututra social está falida pelo desemprego.
      Para onde foram os empregos?
      Se os nossos empregos voltarem poderemos pagar um pouco mais caro o que produzimos cá e sem darmos por isso devolveremos o desemprego aos chineses.

  2. Quem não deve , não teme, sempre ouvi dizer desde a minha infância .
    Ora se a china , não deixa e ameaça , com contrapartidas económicas , das duas uma , ou são parvos ou tem rabo de palha para esconder .
    Numa só coisa , dou razão ao trump , todos os países , deviam unir-se , e apresentar a conta aos chineses
    porque são os únicos a ganhar com o covid 19.
    Cuidem-se

RESPONDER

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …

Norte-americano detido depois de usar fundos da covid-19 para comprar um Lamborghini

As autoridades dos Estados Unidos detiveram um empresário que comprou um carro de luxo da marca Lamborghini com dinheiro que recebeu de programas federais para ajudar os afetados pelo novo coronavírus (covid-19). A notícia é …

FC Porto e Benfica disputam Supertaça a 23 de dezembro

O jogo da Supertaça, que vai opor o FC Porto ao Benfica e que deveria a abrir a temporada 2020/21, vai disputar-se a 23 de dezembro, anunciou, esta quarta-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Em …