Governo australiano contra-ataca. Vai deixar de publicar anúncios no Facebook

O Governo da Austrália vai retirar todas as suas campanhas publicitárias do Facebook, uma vez que a rede social continua a impedir os utilizadores de ver ou partilhar notícias.

De acordo com a rede televisiva australiana ABC News, o ministro da Saúde, Greg Hunt, foi o primeiro a anunciar, este domingo, que a sua tutela não vai usar o Facebook para campanhas publicitárias, numa altura em que o tem feito sobretudo por causa da vacinação contra a covid-19.

Já esta segunda-feira, o governante explicou que todos os fundos destinados para anúncios nesta rede social iriam ser usados de qualquer forma, lembrando que há muitos outros canais para o fazer, como a televisão, a rádio e os jornais.

“Alguns podem ser realocados temporariamente”, explicou Hunt, acrescentando que o seu departamento vai continuar a publicar no Facebook, mas que apenas não vai patrocinar mais esses posts.

Entretanto, o ministro das Finanças, Simon Birmingham, disse que esta proibição irá ser estendida a todo o Governo. “A minha expectativa é que iremos todos recuar no que toca à publicidade, enquanto realizam este tipo de atividade terrível de derrubar sites de forma inadequada, procurando exercer poder ou influência sobre os nossos sistemas democráticos”, disse o governante à Radio National.

“Não vamos tolerar isso, vamos manter-nos firmes na legislação e olhar para todos os pontos de publicidade”, disse ainda Birmingham, acrescentando que o secretário do Tesouro, Josh Frydenberg, continua a dialogar com o fundador do Facebook.

Segundo a ABC News, entre 2019 e 2020, o Governo australiano gastou 42 milhões de dólares em publicidade digital. De acordo com a Comissão Australiana da Concorrência e do Consumidor (ACCC), cerca de um quarto dessas despesas são gastas com o Facebook, o que significa que esta mudança pode custar vários milhões à empresa de Mark Zuckerberg.

Esta decisão do Executivo acontece depois de a rede social ter bloqueado, na semana passada, o acesso dos utilizadores australianos à visualização e partilha de notícias, quer nacionais quer internacionais.

O Facebook decidiu adotar esta postura intransigente devido à nova proposta de lei que responsabiliza a rede social, a Google e outras plataformas a pagar conteúdos jornalísticos às empresas que os produzem.

Em sentido contrário, a Google optou por fechar acordos com a comunicação social, como é o caso do recente acordo com a News Corp, de Rupert Murdoch, que detém títulos como o Wall Street Journal (Estados Unidos), a Sky News e o The Times (Reino Unido).

Filipa Mesquita Filipa Mesquita, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …

Putin avisa que quem ameaçar a Rússia "se irá arrepender como nunca"

O presidente Vladimir Putin emitiu um alerta durante o seu discurso anual ao Governo. O líder frisou que qualquer membro da comunidade internacional que ameace a Rússia "se irá arrepender como nunca se arrependeu antes". O …

Nove anos depois, Bruxelas deixa de monitorizar atividade da CGD

A Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia (DG Comp) encerrou o processo de monitorização do plano estratégico da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "A Caixa Geral de Depósitos, S.A. (CGD) informa que recebeu comunicação da Direção …

Se não fosse o vídeo de Darnella Frazier, "Derek Chauvin ainda seria polícia"

Darnella Frazier, na altura com 17 anos, foi a responsável pelo vídeo que mostra o ex-agente da polícia Derek Chauvin a prender o afro-americano George Floyd, que acabou por não resistir. Esta terça-feira foi um dia …

Eutanásia. Jurisdição do PSD considera haver matéria para processo disciplinar a Rio e Adão Silva

O Conselho Nacional de Jurisdição do PSD considerou que existe "matéria bastante para abertura de processo disciplinar" ao presidente do partido e ao líder parlamentar por violação de uma decisão do Congresso sobre eutanásia, faltando …