Atleta bielorrussa forçada a abandonar Tóquio está sob proteção da polícia japonesa

Yuki Iwamura / AFP

A atleta bielorussa Krystsina Tsimanouskaya

Polémica iniciou-se depois de velocista ter denunciado a inscrição do seu nome na estafeta de 4x400m sem o seu conhecimento, o que terá acontecido, segundo a própria, por as restantes atletas bielorrussas não terem viajado para Tóquio por falta de testes anti-doping negativos.

A bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya está neste momento sob proteção da polícia japonesa e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados depois de ter sido levada para o aeroporto de Tóquio contra a sua vontade, avançou o Comité Olímpico Internacional (COI).

A atleta de 24 anos enfrentava ordens de um regresso forçado ao seu país, depois ter criticado publicamente a decisão dos seus treinadores em incluí-la indevidamente em provas e de os ter acusado de negligência.



A localização atual da velocista não é conhecida, com informações contraditórias a serem avançadas por diferentes órgãos de comunicação internacionais. Segundo o COI, que diz estar em contacto com a atleta, Tsimanouskaya passou a noite de domingo para segunda num hotel do aeroporto de Haneda.

“Falamos com ela ontem à noite e esta manhã e ela sente-se segura. A nossa principal prioridade é tomar conta dela e é isso que estamos a fazer”, revelou Mark Adams, assessor do COI, citado pelo The Guardian.

“Durante a noite ela foi à esquadra da polícia com alguém da organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Também sabemos que o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados está envolvido e a polícia está a par do assunto”, adiantou o responsável.

Questionado sobre possíveis tentativas de “rapto“, Adams transferiu o assunto para a esfera policial. “A atleta falou com a polícia no aeroporto. Se há matéria criminal, é preciso que se investigue, mas esse é um assunto para as forças policiais“.

Mark Adams deixou ainda um apelo ao Comité Olímpico da Bielorrússia (COB). “Passaram-se 12 horas desde o incidente, por isso precisamos de ter mais detalhes. Solicitamos um relatório ao COB, mas já tomamos ações contra eles no passado”, alertou.

A Sky News noticia esta manhã que a atleta está na embaixada polaca em Tóquio, depois de a Polónia e a República Checa já lhe terem oferecido asilo. Segundo o jornal francês Le Monde, o número dois do Ministério dos Negócios Estrangeiros polaco, Marcin Przydacz, fez saber no Twitter que Tsimanouskaya dispunha de um “visto humanitário e a liberdade para prosseguir a sua carreira desportiva” naquele país.

Atitude semelhante foi adotada pela República Checa, que através do seu máximo representante diplomático, Jakub Kulhanek, fez saber que a embaixada checa em Tóquio estava pronta a ajudar a velocista a pedir um visto que lhe permite posteriormente solicitar “proteção internacional”.

Krystsina Tsimanouskaya competiu na última sexta-feira nos 100 metros, tendo nova prova agendada para esta segunda-feira, os 200 metros, e a estafeta 4×400 marcada para 7 de agosto.

Este evento foi, de resto, o que fez estalar a polémica entre a atleta e a respetiva equipa técnica, depois de a corredora ter acusado os treinadores de inscreverem o seu nome para a estafeta sem o seu conhecimento porque, segundo a própria, várias colegas foram afastadas por não terem sido apresentados os testes anti-doping suficientes.

“O treinador incluiu-me nos 4x400m sem o meu conhecimento. Falei sobre isto publicamente e o treinador comunicou-me que fora excluída por ordem superior”, afirmou. Posteriormente, a atleta usou a sua conta na rede social Instagram para expressar a sua revolta face ao sucedido.

À Reuters, a atleta explicou que, depois das suas mostras de descontentamento no Instagram, o treinador a terá visitado no quarto da aldeia olímpica, ordenando-lhe que fizesse as malas para regressar a casa, tendo sido mesmo transportada até ao aeroporto por representantes da delegação bielorrussa.

Antes de ser levada, a velocista terá afirmado, via Telegram, à agência de notícias internacional que a exclusão da equipa bielorrussa terá acontecido precisamente por ter exposto publicamente a negligência dos treinadores. Nessa ocasião também terá dito que não regressaria à Bielorrússia. “Julgo que estou a salvo com a polícia”, afirmou.

A Reuters também contactou o Comité Olímpico da Rússia — embora sem sucesso —, que confirmaria, mais tarde, que a decisão de retirar a atleta dos Jogos Olímpicos estava sustentada com pareceres médicos que davam conta de alterações no estado emocional e psicológico de Tsimanouskaya.

ARM, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

      • Acabei agora de ler aqui no SAPO que foi encontrado morte mais um que era diretor de uma ONG de auxílio aos fugitivos do regime bielorrusso, segundo a polícia terá morrido por asfixia, se não fosse assim teria sido envenenado com a receita do Putin! É sempre a aviar!

RESPONDER

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …

China anuncia fim de novas centrais a carvão no estrangeiro

Segundo os especialistas, o impacto da medida deverá depender da forma como será implementada, podendo ter um grande impacto na luta contra as alterações climáticas. Num anúncio bem recebido por ativistas e organizações ambientes, a China …

Roménia vai distribuir €200 mil a quem tiver vacinação completa contra a covid-19

A Roménia anunciou uma "lotaria de vacinação" que distribuirá prémios de até 200.000 euros entre aqueles que tiverem a vacinação completa, na tentativa de elevar a taxa de imunização, a segunda mais baixa da União …

Antes da invasão ao Capitólio, Bannon ajudou a planear estratégia para "matar a presidência de Biden no berço"

O estrategista-chefe da campanha de Donald Trump, Steve Bannon, revelou que falou com o ex-Presidente antes da invasão ao Capitólio, a 06 de janeiro, discutindo as condições para "matar a presidência de [Joe] Biden no …

Costa prepara novo alívio de restrições para vigorar a partir de 1 de outubro

António Costa prepara-se para anunciar, na quinta-feira, o levantamento de um conjunto de restrições que vigoraram por causa da covid-19. O primeiro-ministro, António Costa, prepara-se para anunciar na quinta-feira o levantamento de um conjunto de restrições …

IPO Porto. Cirurgias fora do horário suspensas desde julho

As intervenções cirúrgicas feitas fora do horário normal estão suspensas no bloco central do IPO do Porto desde o dia 1 de julho. Os profissionais de saúde do IPO do Porto estão indisponíveis para realizar intervenções …

Rio critica "vigarice" das sondagens. Líder do PSD acredita na vitória de Moedas

Esta tarde, ao lado de Francisco Rodrigues dos Santos e de Carlos Moedas, Rui Rio apelou a que não se acredite nas sondagens que, "ou são mal feitas, ou são encomendadas: uma vigarice". O presidente do …

A prova que precisava: Sim, as máscaras protegem contra a covid-19 (mas há uma predileta)

As máscaras funcionam? Se sim, será melhor utilizar uma N95, uma máscara cirúrgica ou uma máscara de pano? No último ano e meio, os investigadores produziram muitas evidências laboratoriais sobre a eficácia das máscaras. Para muitas …