Atividade da amígdala cerebelosa associada a bullying em jovens

Certos padrões na atividade cerebral dos adolescentes, nomeadamente nas amígdalas cerebelosas, foi associada a comportamentos de bullying. Estes jovens revelaram ser menos empáticos perante rostos temerosos.

O bullying é um problema social que afeta muitas crianças e jovens nas escolas e que, cada vez mais, tem merecido a atenção que lhe é devida. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia encontrou uma associação entre a atividade das amígdalas cerebelosas e os comportamentos de bullying nos adolescentes.

As amígdalas cerebelosas são um grupo de neurónios que forma dois lóbulos situados na superfície inferior de cada hemisfério do cérebro.

Os jovens que fazem bullying aos seus colegas tendem a exibir um padrão diferente de atividade cerebral em resposta a certas expressões faciais, realçam os cientistas. De acordo com o PsyPost, esta descoberta pode ser um passo importante para ajudar a perceber o que provoca estes comportamentos e, consequentemente, ajudar a resolver o problema.

“O bullying é bastante comum na adolescência, com cerca de 25 a 50% dos jovens nos Estados Unidos a assumir terem feito bullying ou terem sido vítimas”, destaca a autora do estudo, Johnna R. Swartz. O estudo foi publicado no mês passado na revista científica Social Cognitive and Affective Neuroscience.

A psicóloga realça ainda que é sabido que o bullying está associado a problemas de saúde mental, razão pela qual achou interessante perceber o que poderia tornar os jovens mais suscetíveis a este tipo de comportamentos.

Como tal, os cientistas realizaram experiências com quase meia centena de jovens, onde lhes era pedido que associassem fotografias de expressões faciais à emoção correspondente.

Swartz e a sua equipa descobriram que adolescentes que praticavam bullying tinham mais tendência a exibir maior atividade nas amígdalas cerebelosas em resposta a caras mais enraivecidas. Pelo contrário, tinham uma menor atividade quando olhavam para rostos mais temerosos.

Isto significa que estes adolescentes são mais sensíveis aos sinais de raiva de outras pessoas, enquanto que, por outro lado, eram menos empáticos com caras que revelavam medo. “A maior atividade da amígdala em rostos enraivecidos também pode levar os adolescentes a detetarem mais hostilidade nas suas interações sociais”, disse Swartz.

No entanto, a investigadora faz uma ressalva, alertando para uma possível lacuna no seu estudo, já que a atividade das amígdalas foi medida durante o comportamento de bullying. Desta forma, não se percebe se estes padrões de atividade cerebral podem ter aumentado a probabilidade de bullying ou se o facto de ser um bully leva a estas mudanças.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Dirty Dancing" está de volta e conta com Jennifer Grey

John Feltheimer, CEO da Lionsgate, confirmou ao The Guardian que a produtora está a desenvolver uma sequela de Dirty Dancing. O clássico dos anos 80 que agora regressa foi protagonizado originalmente por Patrick Swayze e …

A Bugatti está a vender um carro elétrico "para crianças". Chama-se Baby II e custa 30 mil euros

A Bugatti e a Little Car Company, sediada em Londres, uniram-se para criar 500 Bugattis elétricos em miniatura para crianças. Agora, fruto dos desenvolvimentos mundiais, alguns veículos ficaram disponíveis para compra. O mais recente brinquedo da …

50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia "matou" a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país. Hutt River, um principado …

NASA vai rebatizar planetas e outros corpos celestes com nomes ofensivos

A agência espacial norte-americana (NASA) anunciou que vai rebatizar alguns planetas, galáxias e outros corpos celestes que possuem nomes "ofensivos". Em comunicado publicado esta quinta-feira, a NASA explica que vai abandonar os nomes "não-oficiais" a …

O maior parque de crocodilos da Índia está à beira da falência. Abriga mais de 2.000 animais

O maior parque de crocodilos da Índia, localizado perto da cidade de Chennai, no sul do país asiático, encontra-se à beira da falência depois de a pandemia de covid-19 ter obrigado a fechar o espaço …

Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”. Numa …

Apesar dos alertas, houve quem plantasse as sementes misteriosas da China (e já começaram a crescer)

Durante as últimas semanas, pessoas em todo o mundo têm recebido, sem ter encomendado, nas suas caixas de correio sementes com origem na China. Apesar dos avisos em contrário, houve quem plantasse os misteriosos presentes. As …

Marcelo veta redução de debates sobre a Europa. Não foi uma "solução feliz"

O Presidente da República vetou esta segunda-feira a redução do número de debates em plenário para o acompanhamento do processo de construção europeia de seis para dois por ano, defendendo que não foi uma “solução …

Boris Johnson admite alargar quarentena a mais países

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira alargar o sistema de quarentena a pessoas que cheguem de países atualmente isentos para reduzir o risco de infeção com a doença covid-19 no Reino Unido. "No contexto …

Novo lay-off. Ajuda da Segurança Social para pagar subsídios de Natal pode chegar só em 2021

O apoio ao pagamento do subsídio de Natal previsto pelo Governo para apoiar as empresas no âmbito do novo regime de lay-off, que entrou em vigor em agosto, poderá só ser pago pela Segurança Social …