A Apple poderá estar a preparar-se para comprar a Disney

matteoartizzu / Flickr

Sede da Apple, em Cupertino

Sede da Apple, em Cupertino

Já é habitual no mundo dos negócios da tecnologia e entretenimento ver uma empresa comprar outra – é até algo relativamente comum. No entanto, a coisa muda um pouco de figura quando falamos de duas gigantes, como é o caso de Apple e da Disney.

Segundo rumores que surgiram com alguma insistência nos últimos dias, a Maçã de Cupertino estará a ponderar comprar nada menos do que a Casa do Mickey e todas as marcas que se encontram debaixo do seu tecto.

O boato surgiu depoisde o analista de mercado Steven Cahall ter enviado uma nota aos seus clientes com a sugestão de que essa aquisição poderia acontecer.

Cahall não dá muitos detalhes acerca da origem da informação, nem sobre o que se pode de facto esperar dela, mas foi o suficiente para deixar meio mundo em polvorosa com a possibilidade.

Segundo o Business Insider, num mercado de entretenimento numa constante guerra pela atenção (e pelo dinheiro) dos utilizadores, vencerá quem tiver conteúdo que motive esses utilizadores a comprar produtos relacionados. E a Disney sempre foi uma referência no tema, seja com as suas animações ou o recém-adquirido universo Marvel e Star Wars.

Outros analistas apontam no mesmo sentido. Samantha Greenberg, da Margarete Capital, diz, numa carta enviadas aos investidores, que a compra da Disney pela Apple seria a aquisição mais lógica para a empresa fundada por Steve Jobs. Segundo a analista, isso expandiria o valor da marca ainda mais.

John Malone, da Liberty Media, concorda com esse ponto de vista, e lembra que ter controle sobre a ESPN — que também pertence à Disney — seria mais do que interessante para os negócios da Apple.

Apesar do optimismo e excitação do mercado, a verdade é que não há nenhum indicativo concreto que tal venha realmente a acontecer.

Mas a junção das duas gigantes formaria um colosso do entretenimento e da tecnologia. A Disney detém os direitos de franquias muito valiosas, e activos bastante populares. Nas mãos da Apple, isso tornar-se-ia mais um atractivo para as suas plataformas.

A exclusividade dos filmes e conteúdos Disney no iTunes seria um golpe violento na estratégia de crescimento da Netflix, por exemplo.

Mas, uma vez mais, tudo não passa de um rumor.

Os analistas de marcado acreditam que a capitalização de 200 mil milhões de dólares da Apple possa ser o suficiente para concretizar a compra, mas numa operação deste tipo há sempre factores que vão para além do dinheiro.

No entanto, caso as duas marcas realmente se juntem, é mais do que certo que a quantidade de dinheiro envolvida não será nada pequena. O cofre do Tio Patinhas — que também é da Disney — vai ser pouco para guardar todas as moedas envolvidas na milionária trransacção.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Fez a Amadora e uma parte de Luanda". Amigo de Salgado nega "qualquer perdão de dívida" do Montepio

O construtor civil José Guilherme, que está no centro das investigações ao Banco Montepio, assegura que não recebeu qualquer empréstimo sem garantias, nem "qualquer perdão da dívida", garantindo ainda que sempre cumpriu todas as suas …

Entre Rui Rio e Luís Montenegro, há quem vote no regresso de Passos Coelho

O presidente do PSD, Rui Rio, e o antigo líder parlamentar Luís Montenegro voltam hoje a disputar eleições directas, numa inédita segunda volta em que podem votar 40.604 militantes com as quotas em dia. Nos …

Vírus detetado na China pode já ter infetado mais de mil pessoas

O número de pessoas infetadas com um vírus que matou duas pessoas na China ultrapassa provavelmente o milhar de casos e é muito superior àquele avançado pelas autoridades locais, segundo investigadores britânicos. Num artigo publicado, esta …

Joacine Katar Moreira não vai renunciar ao cargo de deputada

O IX Congresso para eleger os novos órgãos do Livre começa, este sábado, em Lisboa. A única deputada do partido na Assembleia da República já disse que não vai renunciar ao cargo. À chegada ao IX …

Cabeceamentos no futebol podem ser proibidos ou limitados. O problema é o risco de demência

A Federação escocesa de futebol prepara-se para proibir os cabeceamentos nos escalões com menores de 12 anos.  Em Inglaterra, fala-se em limitar este gesto futebolístico que foi associado a doenças neuro-degenerativas em vários estudos científicos. …

Fenómeno cerebral desvenda enigma sobre as casas do Neolítico

O comportamento humano está influenciado por aspetos inconscientes. Um deles é um fenómeno da perceção conhecido entre psicólogos como a negligência espacial cerebral. Este fenómeno refere-se à observação de que as pessoas saudáveis preferem o seu …

Justiça do Mónaco investiga José Eduardo dos Santos e Isabel dos Santos

As autoridades do Mónaco estarão a investigar a empresária angolana, assim como o seu pai e o seu marido, pelo crime de branqueamento de capitais. De acordo com o semanário Expresso, as autoridades judiciais do Mónaco …

Depressão Glória atinge Portugal continental com vento forte

A depressão Glória está a caminho. Segundo o Instituto Português do Mar e Atmosfera, no domingo, esperam-se rajadas de vento que podem atingir os 110 quilómetros por hora nas terras altas. A depressão Glória vai passar …

Governo não renova PPP do Hospital de Loures

O Estado não vai renovar a atual parceria público-privada (PPP) do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, que é gerido pelo grupo Luz Saúde, anunciou a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo …

Cientistas podem ter descoberto por que Beethoven ficou surdo

Ludwig van Beethoven começou a notar dificuldades de audição em 1798, com 28 anos. Com 44 ou 45, estava totalmente surdo. Aos 56 anos, o músico morreu e, até hoje, ainda não se sabe …