Governo diz que apoio do Luxemburgo pode ser “semente” para uma Europa mais forte

1

António Cotrim / Lusa

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde considerou, esta terça-feira, que o apoio de profissionais de saúde do Luxemburgo ao hospital de Évora pode ser “uma semente” para a construção de “uma Europa mais forte e solidária”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Esta pode ser uma semente muito grande para que se possa construir uma relação bilateral cada mais forte entre Portugal e o Luxemburgo e uma Europa mais forte e solidária”, afirmou António Lacerda Sales.

O secretário de Estado discursava na cerimónia de receção da primeira de duas equipas de profissionais de saúde do Luxemburgo que vão trabalhar na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE).

Esta primeira equipa, que se encontra na cidade alentejana desde domingo, é constituída pela enfermeira lusodescendente Filomena Silva Costa, 45 anos, e pela médica anestesista Modesta Dargeviciute, 34 anos.

Lacerda Sales agradeceu ao Governo luxemburguês a disponibilização de profissionais de saúde para o combate à covid-19, sublinhando que o apoio chega num momento “tão difícil da pandemia em todo o mundo, mas em particular em Portugal”.

A integração dos profissionais de saúde do Luxemburgo e o trabalho conjunto com os portugueses é “um exemplo paradigmático daquilo que deve ser uma Europa solidária e a construção de uma Europa de grande solidariedade”, realçou.

Segundo o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, a ajuda internacional vai “aliviar o cansaço e a sobrecarga” dos profissionais de saúde portugueses, que têm trabalhado “durante 365 dias por ano e ao longo de 24 horas por dia”.

Questionado pelos jornalistas, Lacerda Sales explicou que a necessidade de mais ajuda internacional está “dependente da evolução epidemiológica”, adiantando que “para já, não estão previstas outras colaborações”.

“Não quer dizer também, de acordo com esta evolução epidemiológica, que não possa vir a acontecer”, tal como “estaremos cá também nós para colaborar” com outros países que necessitem de apoio no combate à pandemia, acrescentou.

O embaixador do Luxemburgo em Lisboa, Conrad Bruch, também referiu que o apoio da equipa luxemburguesa ao HESE constitui “um símbolo forte para uma Europa viva e solidária” e representa “um ato de solidariedade para com um país amigo”.

PUBLICIDADE

De acordo com o diplomata, uma segunda equipa de profissionais de saúde do Luxemburgo vai chegar a Évora no próximo domingo.

A enfermeira Filomena Silva Costa leciona na Escola Técnica para Profissionais de Saúde do Luxemburgo, enquanto a médica Modesta Dargeviciute trabalha no maior hospital da cidade alemã de Trier e no serviço de Salvamento Aéreo do Luxemburgo.

Filomena Silva Costa contou que “há uma ou duas semanas” viu pela televisão “a situação dramática em que se encontrava Portugal”.

Senti-me muito frustrada e quando recebi uma mensagem da reserva sanitária, onde estou inscrita desde março de 2020, fiquei muito feliz e telefonei logo à minha mãe a perguntar se ela estava de acordo que eu me ausentasse durante 15 dias e se tomava conta do meu filho. E ela concordou”, relatou.

A enfermeira lusodescendente assinalou que, tanto ela como a médica, estão “orgulhosas e felizes por poder ajudar” e garantiu que a integração no hospital de Évora está a “correr às mil maravilhas”.

PUBLICIDADE

Já a presidente do conselho de administração do HESE, Maria Filomena Mendes, disse que existe agora “menor pressão” na unidade hospitalar, em relação ao mês de janeiro, mas frisou que a ajuda “vem sempre a tempo”.

O hospital de Évora tinha hoje 22 doentes com covid-19 em enfermaria e 11 na UCI, adiantou, lembrando que a unidade hospitalar chegou a ter, em janeiro, “quase 120 doentes” internados com o novo coronavírus.

Na segunda-feira, o secretário de Estado também agradeceu a ajuda do Governo francês com a disponibilização de uma médica e três enfermeiras que vão auxiliar na prestação de cuidados intensivos no Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Em Portugal, morreram 15.522 pessoas dos 788.561 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

  ZAP // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.