A espécie humana poderia sobreviver ao Apocalipse com populações de centenas

Cientistas de todo o mundo debruçam-se sobre a preparação das populações (e de abrigos) para sobreviver a um possível Apocalipse. Para o antropólogo Cameron Smith, não seria necessário um número muito elevado de pessoas, desde que existisse diversidade genética suficiente.

Desde guerras nucleares à queda de um asteróide gigante, não é difícil imaginar cenários de como a vida humana na Terra poderá terminar, de um momento para o outro.

Mas, supondo que existam alguns sobreviventes, quantas pessoas seriam necessárias para manter a nossa espécie? A resposta mais rápida é: depende. Diferentes catástrofes criariam diferentes condições apocalípticas para as populações humanas sobreviventes.

Uma guerra nuclear, por exemplo, poderia desencadear um inverno nuclear, o que faria com que os sobreviventes enfrentassem temperaturas baixíssimas e escassez de alimentos, já para não falar da radiação à qual estariam expostos.

No entanto, se se ignorar alguns desses fatores, o número mínimo de sobreviventes necessário para manter a espécie humana seria provavelmente muito pequeno, em comparação com as, aproximadamente, 7,8 mil milhões de pessoas vivas hoje em dia.

Com populações na casa das centenas, poderíamos provavelmente sobreviver durante muitos séculos. Muitas pequenas populações foram capazes de sobreviver durante séculos e até milénios”, disse Cameron Smith, do Departamento de Antropologia da Universidade Estadual de Portland em Oregon, ao Live Science.

O trabalho de Smith sobre as primeiras civilizações humanas e sobre a colonização espacial dá-lhe uma boa visão sobre as nossas esperanças de sobrevivência a um Apocalipse. O antropologista acredita que as grandes cidades seriam mais vulneráveis, já que importam quase todos os alimentos e que dependem fortemente da eletricidade.

No início do período Neolítico – há cerca de 12 mil anos atrás -, quando os humanos começaram a cultivar, havia muitas pequenas povoações constituídas apenas por centenas (talvez até cerca de mil) indivíduos, disse Smith.

“Essas eram populações bastante independentes, mas suspeito de que também tinham vínculos reprodutivos e interconexões matrimoniais com outras aldeias. E, num cenário apocalíptico, imagino que a mesma coisa aconteceria”, acrescentou.

Uma população sobrevivente de apenas algumas centenas de pessoas precisaria de uma forma de manter um sistema de reprodução, disse ainda, referindo que a endogamia – enlace matrimonial entre pessoas que pertencem ao mesmo grupo familiar, social, étnico, religioso – é um grande desafio enfrentado por pequenas populações.

As consequências da endogamia podem, até, ser demonstradas com a queda da dinastia dos Habsburgos espanhóis, que governaram Espanha durante os séculos XVI e XVII.

Essa dinastia manteve o casamento dentro da família até 1700, quando a linhagem terminou com o rei Charles II, um homem infértil e com uma deformação facial, escreve o Live Science.

E um cenário semelhante poderia acontecer com uma população humana que tivesse opções de reprodução limitadas, como por exemplo após um Apocalipse.

A única forma de o evitar seria se existisse diversidade genética suficiente para evitar uniões estritamente relacionadas e se houvesse um número suficiente de indivíduos em idade reprodutiva do sexo oposto, conhecido como o tamanho efetivo da população.

Os humanos poderiam, potencialmente, preparar as populações para sobreviver ao dia do juízo final. Seth Baum, cofundador e diretor executivo do Global Catastrophic Risk Institute, analisa o risco da ocorrência de catástrofes globais e defende a prevenção de potenciais catástrofes.

No caso de uma guerra nuclear, por exemplo, a prevenção passaria por manter boas relações entre os países que têm armas nucleares na sua posse. No entanto, a pesquisa de Baum também inclui a perspetiva de construir refúgios para proteger os humanos no caso de uma catástrofe global.

“Se vai acontecer uma catástrofe, nós vamos querer ter algumas dessas garantias a funcionar, para que pelo menos alguma população possa sobreviver“, disse Baum, em declarações ao Live Science.

Um fator importante em qualquer tipo de refúgio é a capacidade de isolar um grupo do que esteja a afetar o resto do mundo, acrescentou Baum. É o caso, por exemplo, de certos países insulares como a Nova Zelândia e a Austrália, que se transformaram em refúgios de grande escala durante a pandemia de covid-19, mantendo o vírus longe.

Um passo importante seria ter um refúgio dedicado a situações de catástrofe, disse Baum, que comparou esse lugar hipotético ao Global Seed Vault em Svalbard, na Noruega, que mantém cópias de segurança de sementes de todo o mundo, dentro de uma montanha.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tal é a qualidade de Portugal, que o treinador da Hungria "podia ser motorista ou roupeiro"

O selecionador da Hungria, o italiano Marco Rossi, afirmou hoje que "até podia ser o motorista ou rapaz dos equipamentos" da seleção portuguesa, tal é a qualidade dos jogadores lusos que vão disputar o Euro2020. “Estamos …

Destroços de avião descobertos no fundo de um lago nos EUA podem pôr fim a um mistério de 56 anos

Trabalhadores que testam equipamentos de investigação subaquática dizem ter encontrado os destroços de um pequeno avião nas profundezas do lago Folsom, na Califórnia. A confirmar-se, podem ter resolvido um mistério com 56 anos. As imagens de …

Norte-americanos envolvidos na fuga de Carlos Ghosn declaram-se culpados

Os dois norte-americanos acusados de ajudarem o ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn a fugir do Japão quando aguardava julgamento em liberdade sob fiança declararam-se esta segunda-feira culpados perante a justiça japonesa. De acordo com fontes da …

Enfermeira tentou provar que as vacinas tornam as pessoas magnéticas (mas não correu como previsto)

Na semana passada, a enfermeira negacionista de Ohio Joanna Overholt tentou, durante uma sessão legislativa, provar que as vacinas contra a covid-19 tornam as pessoas magnéticas. Mas não foi bem sucedida. O teste do íman resulta …

Foda e Kostadinov: as recordações à volta do Áustria-Macedónia do Norte

O selecionador da Áustria e um dos jogadores da Macedónia do Norte trouxeram memórias dos anos 90. O jogo entre Áustria e Macedónia do Norte, que terminou com vitória austríaca por 3-1, não estava propriamente na …

Paquistão. Quem não se vacinar pode ficar sem acesso ao telemóvel

O governo regional de Punjab, no Paquistão, decidiu que os cidadãos que não se vacinarem contra a covid-19 "ao fim de um certo tempo" podem ver o cartão SIM do seu telemóvel bloqueado. "Estamos a fazer …

Seleção Nacional testa negativo na véspera da estreia no Europeu

Depois do susto de João Cancelo, que testou positivo ao novo coronavírus, a seleção nacional respira de alívio na véspera da estreia no Europeu, depois de ter testado negativo à covid-19. Esta segunda-feira de manhã, a …

Associação quer que os testes em eventos culturais sejam gratuitos

A Associação Espetáculo - Agentes e Produtores Portugueses defendeu que os testes de diagnóstico à covid-19 devem ser gratuitos em eventos culturais. A Associação Espetáculo – Agentes e Produtores Portugueses defendeu, este domingo, que os testes …

Advogados repudiam declarações de Cabrita sobre agendamentos do SEF

Um grupo de advogados repudiou as declarações do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que atribuem a um escritório de advogados a responsabilidade pelo mau funcionamento do sistema de agendamentos para atribuição de vistos de …

Fundo Azul só aplicou um quarto do orçamento desde 2016

O Fundo Azul tem tido um orçamento anual de 13 milhões de euros nos últimos cinco anos, mas não tem gasto três quartos desde 2016. Em cinco anos, o Fundo Azul entregou apenas 17 milhões de …