Estamos a viver um “apartheid climático” (e quem tem menos dinheiro vai sofrer ainda mais)

ICBAS

O professor Alexandre Quintanilha

O mundo está a viver um “apartheid climático” e no futuro, serão os mais pobres os que mais vão sofrer as consequências das alterações climáticas. O alerta é do cientista Alexandre Quintanilha.

“Estamos a viver um apartheid (segregação) climático e, quem tem muito dinheiro e pode pagar aquecimentos e aparelhos de ar condicionado não se preocupa, mas quem não tem dinheiro vai sofrer as consequências das alterações climáticas”, considerou Alexandre Quintanilha durante uma conferência em Óbidos.

Orador nas últimas das 16 mesas de autores do Folio – Festival Literário Internacional de Óbidos, Alexandre Quitanilha alertou este domingo para as consequências das alterações climáticas para o planeta Terra onde, no futuro, “será de esperar o aparecimento de mais eventos extremos” como “grandes tempestades, secas severas e a alteração do clima em algumas zonas do planeta”.

A subida média da temperatura no planeta é um dos sinais de mudança apontados também por Pedro Matos Soares, cientista e orador na mesma mesa, onde chamou a atenção para o facto de os “ciclos de aquecimento e arrefecimento” do planeta acontecerem actualmente num horizonte temporal bastante menor.

A reflexão sobre as alterações climáticas provocadas pelo homem passou pelas vantagens e desvantagens da aposta em veículos eléctricos ou pelos efeitos nefastos que o tipo de alimentação que a humanidade prática pode provocar nos ecossistemas.

“Mais de mil milhões de pessoas não consomem as calorias necessárias e outros mais de mil milhões comem demais”, disse Alexandre Quintanilha, acrescentando que a maior preocupação, no entanto, será “não haver água suficiente, o que gerará um grande problema de abastecimento e de qualidade da água que iremos consumir”.

Além do tema das alterações climáticas, o Folio focou também, no seu último dia, o problema da desmatação da Amazónia, assinalado com um minuto de silêncio e 30 minutos de poesia declamada pelos escritores Afonso Cruz, Ondjaki e Valter Hugo Mãe, e por elementos do público.

Em directo do Brasil, através de video-conferência, esteve Volnei Canónica, presidente do Instituto Quindim, responsável pelo projecto “Amazónia Chama”, que junta diversos artistas em acções que chamam a atenção para as queimadas na floresta amazónica.

O Folio fechou hoje depois de 11 dias e de 450 horas de programação, marcados por mais de 210 iniciativas em torno da literatura. Sob o tema “O Tempo e o Medo”, mais de meio milhar de convidados de quatro continentes participaram em 16 mesas de escritores, 12 exposições e 13 concertos.

Organizado em cinco capítulos (Autores, Folia, Educa, Ilustra e Folio Mais), o festival é organizado desde 2015 pela Câmara Municipal de Óbidos e a empresa municipal Óbidos Criativa, em parceria com a Sociedade Óbidos Vila Literária e outros parceiros institucionais.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Acesso à Internet deve ser considerado direito humano básico

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, concluiu que acesso à Internet deve ser um direito humano básico, pois significa a capacidade participar na vida pública. Merten Reglitz, professor de …

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …

Uma casa esteve a afundar-se no Tamisa para alertar para a subida do nível dos oceanos

No passado domingo, quem passou junto ao rio Tamisa, em Londres, não deverá ter ficado indiferente à típica casa dos subúrbios ingleses que se afundava perto da Tower Bridge. Felizmente, de acordo com a agência Reuters, …

A defesa de Lage é a melhor do Benfica em quase 30 anos

A defesa de Bruno Lage leva apenas quatro golos sofridos em 11 jornadas, o que faz dela a melhor defesa do campeonato e a melhor do Benfica desde a temporada de 1990/1991, escreve o jornal …

OE2020. “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O PCP vai reunir esta quarta-feira com o Governo com vista ao Orçamento de Estado para 2020. Jerónimo de Sousa esclareceu esta terça-feira que os comunistas não vão para negociar, sendo "manifestamente exagerado dizer que …

Benjamin "morreu" enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes. Em 1996, …

“Máfia do Sangue”. Ministério Público deixa Octapharma fora da acusação

O Ministério Público (MP) deixou a farmacêutica Octapharma fora da acusação da operação "O Negativo" por considerar que o ex-administrador Lalanda e Castro montou um esquema de corrupção para a venda de plasma ao Serviço …