Todos os anos perdemos uma secção do Universo

2018 foi embora e levou com ele uma parte do nosso Universo que nunca mais voltaremos a ver. O cenário que, à primeira vista, parece trágico, é apenas a Natureza a seguir o seu rumo.

Nas partes mais distantes do Universo conhecido, estão a desaparecer galáxias inteiras. No entanto, estes objetos celestes não estão simplesmente a evaporar. Em vez disso, estão a ser empurrados para fora do Universo conhecido, para uma região conhecida como “Universo inobservável“.

Durante vários milénios, o tamanho e a idade do Universo confundiram os cientistas. Em 1687, Isaac Newton inspirou uma nova forma de entender o cosmos no seu livro Principia, que propunha a lei revolucionária universal da gravitação.

Na sua formulação mais básica, a lei explicava que toda a massa no Universo é atraída para todas as outras massas do Universo. Embora a ideia pareça bastante simples, as implicações na época foram surpreendentes.

O trabalho de Newton revelou que, se o nosso Universo fosse finito, as forças atrativas de todos os objetos no cosmos deveriam ter feito tudo desabar.Mas, como continuamos aqui, esse cenário não se observou, pelo que o Universo deve mesmo ser infinito.

Em oposição, surgiu o paradoxo de Olbers. No início do século XIX, Wilhelm Olbers propôs um paradoxo argumentando que a escuridão do céu noturno entra em conflito com a conclusão de que o cosmos é infinito: no fundo, Olbers argumenta que, num céu sem limites, não veríamos nada além da luz das estrelas. No entanto, como há manchas escuras no céu noturno, o Universo não pode ser infinito.

Estas duas teorias não podiam coexistir. Assim, em 1913, Vesto Slipher analisou as linhas espectrais de galáxias distantes e descobriu que a luz que elas emitiam era transferida para a extremidade vermelha do espectro de luz.

Este desvio para o vermelho era, então, a prova de que as galáxias estão a afastar-se de nós, já que a luz se estende até ao final vermelho do espectro quando os objetos estão a retroceder.

Com base no trabalho de Slipher, Edwin Hubble mediu os desvios para o vermelho das galáxias e comparou-os com a sua distância relativa, descobrindo que o Universo está a expandir-se. Tendo consciência dessa expansão, sabemos também que o Universo deve ter sido menor no passado e, consequentemente, se retrocedermos até ao início, concluímos que todo o Universo teria convergido num único ponto a que agora chamamos de Big Bang.

Usando vários modelos e estimativas para a taxa de expansão, como a constante de Hubble, os cientistas estimaram a idade do Universo em 13,799 mil milhões de anos. Nas últimas décadas do século XX, duas equipas de cientistas começaram a medir a desaceleração cósmica – ou seja, o quanto a expansão do Universo está a diminuir.

Depois de várias análises, os cientistas descobriram que, ao contrário das suas suposições, a expansão do Universo não está a diminuir – pelo contrário, as galáxias mais distantes parecem estar a voar para longe de nós cada vez mais depressa à medida que a sua distância da Terra aumenta.

Este facto levou a uma conclusão irrefutável: a expansão do Universo está a acelerar. No fundo, cada porção do Espaço está a alongar-se. Enquanto a luz e a matéria têm uma velocidade máxima, o tecido do espaço-tempo não.

Assim, os novos cálculos permitiram aos cientistas determinar que o Universo observável tem um raio de, pelo menos, 46 mil milhões de anos-luz. No entanto, o Universo observável é apenas uma parte do Universo total.

Universo inobservável: além do alcance

O Universo observável é a região esférica que abrange tudo o que atualmente pode ser detetado da Terra. Tudo o que existe além dos limites da deteção é chamado de “Universo inobservável”.

A luz que se encontra no Universo inobservável ainda não chegou à Terra devido à gigantesca distância que precisa de cobrir. Como a luz tem uma velocidade máxima, a luz de objetos a uma distância considerável poderia, teoricamente, estar a caminho. Se a expansão do Universo não estivesse a acelerar, seríamos capazes de ver tudo no cosmos. Mas esse não é o caso.

Segundo o Science Alert, é devido à expansão acelerada que algumas regiões do Espaço estão a afastar-se de nós mais rápido do que a velocidade da luz. Na prática, a luz dessas regiões nunca será capaz de nos alcançar.

Se um fotão deixasse o nosso planeta e começasse a viajar para o cosmos, nunca seria capaz de alcançar qualquer área do Espaço que estivesse a mais de 15 mil milhões de anos-luz de distância, pois o Espaço além deste ponto está a expandir-se mais rápido do que a velocidade da luz.

Isto significa que, mesmo se saíssemos hoje e viajássemos à velocidade da luz, seríamos capazes de alcançar apenas 3% do número total de galáxias do nosso Universo observável. Os outros 97% estarão, para sempre, além do nosso alcance.

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Claro, perdemos uma secção do universo, várias estações dos CTT, agências bancárias, metros de orla costeira, poder de compra, enfim, é só perder.

  2. “estão a afastar-se de nós mais rápido do que a velocidade da luz.”?!?

    A teoria da relatividade não preconiza que nada se pode mover mais rápido que a luz?

    E que eu saiba, nem o João Magueijo defende o contrário… No universo actual.

    Não terá havido um “Lost in translation”?

    • Caro RuiC,
      Num Universo em expansão, se dois objectos estiverem a afastar-se em sentidos divergentes, a velocidades inferiores à da luz, a soma (vectorial) dessas velocidades – ou seja, a velocidade a que se afastam – pode ser superior à velocidade da luz.
      Por exemplo: se nós estivermos a mover-nos à velocidade da luz “para a esquerda”, e outro objecto estiver a mover-se, à velocidade da luz também, “para a direita”, então esse objecto está a afastar-se de nós a uma velocidade 2x a da luz – sem que Einstein esteja a dar voltas no caixão.

    • Você esta correto mas isso é para a “materia e energia” e é o espaço que está se espandindo e tempo tambem e isso inculi o nada o nada se move mas rapido do que a luz a unica coisa que vai sempre chegar primeiro em um lugar do que a luz é a sombra. Para a ciencia até o nada é relativo ou seja até o nada já é alguma coisa e não é parcial ou seja depende do pensamento humano ou conciente e é apenas em teoria materia escura ou anti-materia.

    • A Teoria da relatividade de Einstein diz que nada é mais rapido que velocidade da luz dentro do Universo, mas neste caso é o Próprio Universo que se expande mais rapido que a velocidade da luz, e portanto não vai contra a teoria da relatividade de Einstein

  3. Caro ZAP,

    “Num Universo em expansão, se dois objectos estiverem a afastar-se em sentidos divergentes, a velocidades inferiores à da luz, a soma (vectorial) dessas velocidades – ou seja, a velocidade a que se afastam – pode ser superior à velocidade da luz.”
    Isto não é verdade, a velocidade medida por um observador num desses 2 objetos continua a ser inferior à velocidade da luz.

    O que se passa é que é o próprio espaço que se expande a uma velocidade maior do que a da luz, e que “arrasta” os objetos com ele. Não há nenhuma incompatibilidade com a teoria da relatividade, pois o limite da velocidade da luz nesta é a objetos a mover-se no espaço e não ao espaço em si.

Responder a ZAP Cancelar resposta

Médicos alertam: técnica de tapar a boca com fita-cola para dormir melhor é perigosa

Chama-se "buteyko" e consiste em encontrar formas de respirar melhor pelo nariz, entre as quais fechar a boca enquanto dormimos. A tendência está a gerar um debate entre os médicos, que consideram esta técnica perigosa. Foi …

Incentivos financeiros ajudam pessoas a deixar de fumar

Fumar mata um em cada dois fumadores ávidos, mas desistir leva a grandes melhorias na saúde, aumento da esperança de vida e poupança de custos com cuidados de saúde. Pagar às pessoas para pararem de …

Há uma coisa simples que podemos fazer para combater as alterações climáticas: falar sobre o problema

A preocupação com as alterações climáticas pode ser muitas vezes um fardo solitário, mas a verdade é que não precisa de ser assim. De acordo com um novo estudo, simplesmente falar sobre o assunto com …

Em busca das duas princesas alemãs. Vaticano analisa ossários após encontrar túmulos vazios

Os trabalhos começaram esta manhã no cemitério que fica dentro das muralhas do Vaticano e foram analisados os restos dos dois ossários, explicou o porta-voz interino da Santa Sé, Alessando Gisotti. Os ossários estavam perto dos …

Miguel Pinto Lisboa é o novo presidente do Vitória de Guimarães

Miguel Pinto Lisboa foi eleito, este sábado, o novo presidente do Vitória de Guimarães, avança a imprensa portuguesa. Os números ainda não são oficiais, mas as primeiras projeções indicam que o candidato de 47 anos da …

Incêndios em Castelo Branco e Santarém. Há quatro bombeiros feridos, um em estado grave

Dois incêndios em Castelo Branco estão a mobilizar mais de 500 operacionais e 15 meios aéreos. Há estradas cortadas e aldeias evacuadas. Dois incêndios em povoamento florestal, todos no distrito de Castelo Branco, um no município …

"É contra a vontade de Deus". Família que se recusou a pagar impostos é condenada na Austrália

Uma família cristã australiana recusou-se a pagar impostos, alegando que é "contra a vontade de Deus". Em tribunal, o juiz obrigou a pagar 1,3 milhões de euros. Em 2017, na Tasmânia, uma família cristã não pagou …

David guardou uma pedra durante anos pensando que era ouro. Afinal, era bem mais raro que isso

Em 2015, David Hole estava a explorar Maryborough Regional Park, perto de Melbourne, na Austrália. Com um detetor de metais, descobriu algo fora do comum: uma rocha avermelhada muito pesada que repousava em argila amarela. Maryborough …

Quadro roubado por soldado nazi é devolvido a museu de Florença

O quadro de natureza-morta tinha sido roubado do museu por um soldado nazi como um presente para a sua esposa. Agora, o quadro foi devolvido ao museu pelos alemães. Um soldado nazi em retirada de Itália …

Um segundo. Foi o tempo que a Inteligência Artificial precisou para resolver um cubo mágico

Investigadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveram o DeepCubeA, um algoritmo capaz de resolver o desafio do Cubo de Rubik em pouco mais do que um segundo.  De acordo com a equipa de investigadores …